🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

Richard Camargo
Estrada do Futuro
Richard Camargo
Formado em Economia pela Universidade de São Paulo, Richard trabalhou por 5 anos na área tecnológica até chegar na Empiricus.
2022-04-21T09:39:33-03:00
ESTRADA DO FUTURO

Com a CTV, sua smart TV se tornará cada vez mais inteligente – e você pode ganhar dinheiro com isso

CTV rastreia o tempo que passamos em frente à tela e permite a coleta de dados para que nossas televisões sejam um pouco mais smarts

21 de abril de 2022
7:25 - atualizado às 9:39
Televisão smart mostrando uma pessoa assistindo
CTV torna as smart TVs ainda mais inteligentes. - Imagem: Pixabay

Olá, seja bem-vindo à Estrada do Futuro, onde conversamos semanalmente sobre a intersecção entre investimentos e tecnologia. Um dos grandes fetiches de quem trabalha com tecnologia é confabular sobre a velocidade com que o novo destruirá o velho.

Não tão criativos assim, esses sonhos costumam envolver uma série de previsões bastante otimistas. Décadas depois de o Netflix se reinventar tal como o conhecemos hoje, a TV a cabo ainda é um negócio gigantesco (apesar de encolher todos os anos).

A invenção e a escala do AirBnb não fizeram senão contribuir para que agências digitais tradicionais como o Booking.com se tornassem ainda maiores e redes de hotéis globais se tornassem ainda mais consolidadas, diferenciadas e lucrativas (os anos que antecederam a pandemia foram "de ouro" para grandes redes globais de hotelaria).

Costuma ser muito mais fácil identificarmos o nascer de uma nova tecnologia do que estimar a velocidade com que ela vencerá o "status quo".

Hoje, quero falar sobre uma tecnologia nascente e óbvia, mas que ainda passará por longa curva de maturação, gerando uma série de oportunidades de investimento no meio do caminho.

O último bastião dos anúncios tradicionais

Imagino que você conheça todas as ineficiências do modelo tradicional de anúncios em televisão. No canal tradicional, um anunciante qualquer como a Pepsi senta-se à mesa com uma emissora de TV para discutir a veiculação de uma nova campanha, composta de 3 ou 4 peças publicitárias diferentes (3 ou 4 versões de um comercial, com pequenas diferenças entre eles).

Eles combinam algumas inserções, por exemplo, 1 vez nos intervalos do Datena, outra no Jornal da Band e por aí vai. A Pepsi nunca teria uma noção quantitativa do retorno sobre o investimento; o marketing na televisão tem uma abordagem mais institucional, focado em promover o reconhecimento da marca.

Hoje, os departamentos de marketing das grandes empresas se dividem justamente em times quase opostos: o pessoal do marketing digital é muito mais quantitativo, focado em métricas objetivas e retorno sobre o investimento; o perfil do offline é o extremo oposto, focado em criatividade e impacto.

CTV, uma colisão de dois mundos

Eis que entra a CTV, ou "connected TV",  em que os dois mundos colidem.

Ao invés de procurar a Bandeirantes, a Pepsi pode recorrer a um intermediário provedor de CTV, que trabalha não com uma, mas com várias emissoras e canais de streaming ao redor do mundo, que veiculam sua programação não apenas através do cabo e da antena, mas de aplicativos em Smart TVs.

No ano passado, a indústria de CTV nos EUA somou receitas na casa de US$ 9 bilhões, um crescimento de 40% na comparação anual.

Essa taxa de crescimento é a mais rápida entre todas as categorias de publicidade.

Como funciona a CTV?

Recentemente, escrevi sobre como a mudança nas políticas gerais de privacidade sobre anúncios impactaram segmentos como as redes sociais.

Hoje, um negócio de publicidade é um misto de dados proprietários (muitos dados) e uma audiência para a qual seja possível transformar esses dados em anúncios.

Nas redes sociais, como Instagram e Youtube, nosso tempo assistindo aos vídeos, nossas curtidas e compartilhamentos são os rastros (dados) que deixamos.

No ambiente do CTV, esse rastro é o tempo que passamos em frente à tela, com a televisão ligada assistindo a um determinado programa.

Em certa medida, o poder de coletar e trabalhar esses dados está nas mãos das empresas que fazem as nossas televisões serem um pouco mais "smarts".

Lá fora, distribuidores como Hulu e Roku (listada na Nasdaq, sob o ticker ROKU), coletam, analisam e cruzam dados do tempo em que seus clientes assistem à televisão.

Os "slots" para os anúncios, ao invés de serem escolhidos numa sala de reunião, são determinados por algoritmos, que buscam em tempo real, entre os anunciantes parceiros, o melhor anúncio para te mostrar no intervalo do seu programa de televisão.

E as emissoras? E a Netflix?

Entre os acionistas da Netflix, existe uma ala relevante que pede à companhia para iniciar um modelo de publicidade.

Como é o maior serviço de streaming do mundo, muitos investidores acreditam que a Netflix poderia ser mais lucrativa sob um modelo de anúncios, do que sob o atual modelo de subscrição.

Apenas o tempo dirá sobre a abordagem utilizada pela Netflix, mas o tempo já disse o que farão as grandes emissoras de televisão pelo mundo.

Já as emissoras estão em processo de capitulação, cada vez mais próximas a se renderem ao CTV.

Da mesma maneira que, no marketing digital, as empresas trabalham com uma série de exchanges (plataformas que cruzam oferta e demanda por anúncios digitais, similar a uma corretora de ações em seu home broker), mediadores e atribuidores, espero que as emissoras caminhem para um processo similar, se juntando a players digitais para prover uma ampla oferta de espaços de anúncios, através de uma série de canais diferentes.

Olhando para esse mercado, a indústria de CTV me parece estar numa etapa similar à indústria mobile há cerca de uns 10 anos.

Se ela tiver apenas uma fração do desenvolvimento desta, a oportunidade será imensa. 

Meus players preferidos são o Roku (Nasdaq: ROKU) para uma aposta vertical própria, com software, hardware e conteúdo, e a AppLovin (Nasdaq: APP), uma das minhas empresas de tecnologia favoritas, que recentemente adquiriu uma das exchanges pioneiras no ambiente de CTV.

Até semana que vem, 

Richard Camargo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

CONTROLE DE DANOS

Pedro Guimarães entrega carta de demissão a Jair Bolsonaro e rebate acusações de assédio; veja quem o sucederá na presidência da Caixa

Guimarães deixa o cargo em meio a uma investigação do Ministério Público Federal por múltiplas denúncias de assédio sexual

ELEIÇÕES 2022

Bolsonaro foi bloqueado? Entenda porque o governo criou perfis temporários nas redes sociais

Mudança passa a valer a partir do próximo dia de 2 julho e deve durar até o final das eleições marcadas para o mês de outubro

CARREIRA C-LEVEL

Desigualdade no mercado: Mulheres ainda são minoria em cargos de alta liderança

Painel do Young Women Summit, organizado pela Fin4She, discute a importância das mulheres em posições de liderança em grandes empresas

SINAL VERDE

Superintendência do Cade aprova venda de ativos da Unidas (LCAM3) para Grupo Brookfield, e fusão com Localiza (RENT3) fica mais próxima

A Brookfield é dona da Ouro Verde; a venda de veículos fazia parte do acordo firmado entre Localiza (RENT3) e Unidas (LCAM3) com o Cade

AFRO-CRIPTO

Projeto busca incluir comunidade negra no universo das criptomoedas com AfroBit_lab; primeiras turmas receberão bolsa de R$ 1,3 mil

O objetivo é alinhar educação financeira aos mais recentes métodos de pagamento e oportunidades no universo digital, com foco no potencial da população negra

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies