🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

Richard Camargo
Estrada do Futuro
Richard Camargo
Formado em Economia pela Universidade de São Paulo, Richard trabalhou por 5 anos na área tecnológica até chegar na Empiricus.
2022-03-16T15:02:45-03:00
ESTRADA DO FUTURO

A Microsoft era a única Big Tech distante dos riscos regulatórios. Agora, não é mais. E isso pode proporcionar uma grande oportunidade

Como o risco de a aquisição da Activision Blizzard pela Microsoft ser barrada pode se transformar em uma oportunidade de investimento

17 de março de 2022
6:07 - atualizado às 15:02
bill gates
Bill Gates, fundador da Microsoft - Imagem: Shutterstock

Olá, seja bem-vindo à Estrada do Futuro, onde conversamos semanalmente sobre a intersecção entre investimentos e tecnologia.

Hoje, quero te mostrar um exemplo de como o mercado expressa, em números, o risco regulatório visto nas Big Techs.

Sei que você já ouviu falar disso, mas nunca de maneira tão clara e quantitativa.

Big Techs na mira

Você já deve ter visto o Mark Zuckerberg, de terno alinhado, testemunhando em frente aos senadores e deputados americanos, respondendo de perguntas idiotas sobre o funcionamento básico da internet a questionamentos importantíssimos sobre privacidade (ou a ausência dela). 

Mark não está sozinho. O Google, por exemplo, é investigado pela União Europeia desde 2010, sob o pretexto de abusar da sua posição de quase monopólio.

A Apple, mesmo incorporando o discurso de privacidade, não ficou para trás: nos EUA, na Europa e na Ásia, ela é investigada pelos reguladores por abusar do seu poder em relação à Apple Store, cobrando uma tarifa abusiva de 30% sobre todos os bens e serviços comercializados lá.

Você notou a ausência de alguém?

Os reguladores odeiam Mark Zuckerberg e também não nutrem amores pelos executivos de Apple e Google, mas você provavelmente não deve se lembrar de nenhum problema com a Microsoft, a segunda empresa mais valiosa do mundo.

Microsoft: melhor não chamar a atenção

Muitos de nós não nos lembramos, mas Bill Gates, o fundador da Microsoft, já foi tão "odiado" ao redor do mundo quanto atualmente é Mark Zuckerberg.

Na década de 1990, Gates passou de gênio da internet (imagem 1) a robô sem sentimentos numa missão maligna para dominar e subjugar a internet (imagem 2) , em apenas três anos.

Imagem 1: capa da revista "TIME", 1996.
Imagem 2 - capa da revista "TIME", 1999.

Após o início dos anos 2000, a Microsoft viveu sua década perdida: o afastamento do próprio Bill Gates, seguido de outros executivos e a dificuldade em recrutar pessoas levaram as vendas da gigante a estagnar por um período de quase dez anos.

Foi só muito tempo depois, sob a liderança do atual CEO, Satya Nadella, e sem mais absolutamente nenhum envolvimento de Gates, que a Microsoft faria sua migração para a tecnologia em nuvem e voltaria a ser uma das empresas de maior crescimento e sucesso do mundo.

No caminho, eles aprenderam uma lição: é melhor não chamar a atenção.

O despertar do risco regulatório para a Microsoft

Nos últimos anos, porém, a Microsoft voltou a pisar em terreno acidentado, realizando aquisições.

No ano passado, por exemplo, pagou pouco mais de US$ 20 bilhões pela Nuance, uma empresa que desenvolve algoritmos de inteligência artificial para processamento de linguagem, com foco no setor médico.

Poucos meses antes, em setembro de 2020, havia adquirido a ZeniMax Media, mais conhecida pelo estúdio de games Bethesda, dono de propriedades intelectuais como os jogos Fallout, Doom, Skyrim e outros grandes sucessos da indústria.

 O ritmo foi acelerando e, apenas em 2021, a Microsoft comprou 13 empresas:

Aquisições da Microsoft em 2021 - Fonte: Microsoft

Apesar do volume, se excluirmos as duas empresas que mencionei acima (ZeniMax e Nuance), a maioria das aquisições da Microsoft foram startups e portanto, não chamaram muita atenção regulatória.

Eis que o time de Satya Nadella colocou o seu caminhão de dinheiro para trabalhar, anunciando uma aquisição imensa em janeiro de 2022: US$ 68,7 bilhões pela Activision Blizzard, o maior publisher independente do mercado de games.

O risco em números e uma oportunidade

Não vou entrar em grandes detalhes sobre o momento que vivia a Activision até receber a proposta (posso fazê-lo em uma coluna futura), mas fato é que a proposta da Microsoft embutiu um prêmio relevante aos acionistas.

Na véspera da oferta, as ações da Activision (Nasdaq: ATVI) fecharam negociadas a US$ 63,90.

A Microsoft ofereceu US$ 95 dólares por ação para adquirir a companhia, quase 50% de prêmio. 

Gráfico de Cotações da Activision | Elaboração: Autor | Fonte: Koyfin

Apesar do salto, as ações da ATVI começaram a negociar entre US$ 82 e US$ 79 dólares; enquanto escrevia essa coluna, quase 17% abaixo do valor oferecido pela Microsoft.

É normal que, em situações como essa, exista uma diferença entre valor na tela e o valor oferecido para adquirir a companhia.

Podemos pensar nessa diferença como o risco que os investidores atribuem ao fechamento da operação.

Em diversas ocasiões, vi essa diferença oscilar entre 5% (na maioria dos casos) a 10% nos casos mais agudos.

Agora, 17%? 

O que o mercado está dizendo é que existe uma possibilidade relevante dessa operação não se concretizar.

Em outras palavras: os investidores temem que os anos de sossego regulatório para os acionistas da Microsoft estejam chegando ao fim, e que a aquisição da Activision Blizzard possa ser barrada.

Nos últimos anos, a Microsoft passou por um processo de expansão de múltiplos, com os investidores, ao após a ano, mais confortáveis em pagar mais caro pela previsibilidade e crescimento que a companhia foi capaz de entregar.

Negociada a 28 vezes o lucro estimado para os próximos 12 meses, caso a transação com a Activision não seja aprovada, imagino que MSFT possa sofrer um movimento de reversão, voltando a negociar mais próxima do patamar de 20 vezes lucros.

Histórico de 10 anos do múltiplo preços sobre lucros estimados para os próximos 12 meses da Microsoft | Elaboração: Autor | Fonte: Koyfin

Se isso acontecer, será uma grande oportunidade de investimento.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

NOITE CRIPTO

Sem fôlego: bitcoin (BTC) opera em alta, mas ainda não volta para os US$ 20 mil; entenda por quê

Apesar do respiro desta sexta-feira (1), o bitcoin ainda sente todo o peso de um Federal Reserve mais agressivo contra a inflação. A semana também não foi tão positiva assim com o noticiário do universo digital.

VAI TER QUE PAGAR!

Um acordo de milhões: Petrobras (PETR4) se entende com a ANP sobre royalties da operação de xisto no Paraná

Segundo a estatal, o acordo envolve o pagamento de R$ 601 milhões pela companhia — um montante que já foi provisionado nas demonstrações financeiras

CASOU!

Enfim, sós! Localiza (RENT3) e Unidas (LCAM3) consumam combinação de negócios; confira detalhes

Por conta do enlace, hoje foi o último dia de negociação das ações de emissão da Unidas na B3

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ibovespa começa julho com o pé direito, o reforço de caixa da MRV (MRVE3) e a semana em cripto; confira os destaques do dia

Que sexta-feira costuma ser o dia da semana favorito de muita gente não é novidade, mas você já reparou na tendência que temos de tentar fazer dele o mais leve de todos para não atrapalhar o descanso do fim de semana? Seja no escritório ou no mercado financeiro, o último dia útil é o momento […]

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa dá uma pausa nas perdas e sobe 0,29% na semana, mas dólar dispara e chega a R$ 5,32

O começo de julho foi mais animador para o Ibovespa, mas as dificuldades seguem pressionando o câmbio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies