Menu
Larissa Quaresma
A Bolsa como ela é
Larissa Quaresma
Analista de ações e integrante da equipe do Carteira Empiricus
Dados da Bolsa por TradingView
2022-01-11T11:32:56-03:00
A BOLSA COMO ELA É

Um pouco sobre risco: como desenvolver uma estratégia para lidar com os altos e baixos na bolsa?

É comum que excelentes produtos financeiros caiam mais que o mercado em um momento baixista, para subirem mais em uma alta; entenda esse funcionamento para fundos com forte alocação estrutural em Bolsa

11 de janeiro de 2022
11:32
instabilidade, dólar, bolsa, mercados, ibovespa, corda bamba
Imagem: shutterstock

O bull market inebriante que começou em 2016 foi duramente interrompido. O desempenho do Ibovespa desde 2016 até junho de 2021, quando atingiu sua máxima histórica, foi de 193% acumulados, ou 22% anuais. 

Então, desde os 127 mil pontos em meados do ano passado, o índice já cai mais de 20%, o que caracteriza um bear market na definição convencional.

A derrocada começou com a proposta de reforma tributária, que veio em um formato desgostoso para os mercados e, daí para a frente, foi ladeira abaixo. 

Medidas eleitoreiras, preocupação com as contas públicas, inflação, juro alto... e o leitor já conhece a sequência que veio depois disso.

Em um bull market, gestores de ações ganham dinheiro e enxurradas de investidores comuns chegam à Bolsa, também ganhando o seu. É muito fácil ser um gênio nessas condições. 

Quando os vetores se invertem, os investidores correm para a renda fixa (ou para as colinas?), e os gestores de ativos de risco, de repente, parecem todos incompetentes.

Exposição ao risco

E é aí que chegamos à minha reflexão de hoje: risco.

O último quinquênio viu uma proliferação de produtos financeiros, muitos deles com grande exposição a risco, mais acessíveis a todo tipo de investidor. Ainda bem! A questão é que as manadas, quando o panorama vira, desinvestem nas baixas, somente para deixar de capturar a recuperação na volta.

Warren Buffett uma vez disse que as pessoas que não toleram ver suas ações perderem 50% do seu valor não deveriam possuí-las para começo de conversa. 

Os extremos do mercado financeiro produzem situações bizarras, como um investidor conservador fortemente alocado em ações, somente para arrancar os cabelos quando o bull vira bear market.

Estratégia em meio à volatilidade

Cada ativo ou produto financeiro tem um perfil de risco peculiar e deve ser avaliado sob a perspectiva da sua tolerância à volatilidade através de altas e baixas. 

Sua estratégia de alocação deve ser um fio condutor estrutural, de forma a dar consistência à sua abordagem de investimento. 

Isso porque, se você mudar a estratégia a todo tempo, perde os benefícios da sua própria alocação de lá atrás. 

Nas finanças, os ativos tendem a ser cíclicos, e o bear market de hoje virará, eventualmente, um bull, embora seja bem improvável que você acerte o timing disso com precisão. 

O bear market atual está formando uma zona compradora de Bolsa, embora não saibamos por quanto tempo nem com qual intensidade – se você souber, convido-o a integrar o nosso time.

Sobe e desce

É comum que excelentes produtos financeiros caiam mais que o mercado em um momento baixista, para subirem mais em uma alta – ora, isso é esperado para fundos com forte alocação estrutural em Bolsa, como é o caso do Carteira Empiricus. 

Convido você, também, a observar a performance dos fundos de ações mais longevos do Brasil no ano que se passou. Se o gestor ficar desviando do seu mandato a todo tempo, ele próprio se trai, sabotando os benefícios de longo prazo da sua estratégia.

Agora que a maré baixou, aproveite para relembrar sua estratégia definida lá atrás e avaliar se ela é compatível com a receptividade do seu estômago ao risco. 

Trajetória para quem investe em Bolsa

Investidores com alocação em Bolsa devem esperar situações como a atual. Na renda variável, a trajetória nunca é linear; na verdade, ela costuma ser cíclica.

É verdade que quem investe em Bolsa deve esperar retornos estruturais maiores do que quem não o faz. 

E, por estruturais, quero dizer os retornos observados em janelas de dez anos, no mínimo. Mas essa recompensa de longo prazo tem um preço: a volatilidade de curto.

Em mercados emergentes, como é o caso tupiniquim, esse preço tende a ser mais amargo ainda. 

Em Bolsas imaturas, “vol é mato”, mas, como não poderia ser diferente, os retornos estruturais esperados também são maiores – ou temos que jogar fora anos de história financeira global. 

As oportunidades de multiplicação de capital por aqui são mais intensas. É bom colocar em perspectiva o mercado em que você opera. 

Não existe almoço grátis e, como quase tudo na vida, é preciso avaliar que preço você está disposto a pagar para colher determinados benefícios. 

Um abraço,
Larissa

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

PRECAUÇÃO EXTRA

Cautela demais atrapalha os negócios? Não para o Bradesco (BBDC4): banco cria nova vice-presidência focada na gestão de riscos

A nova vertical abrangerá as áreas de compliance, conduta, ética e demais setores ligados à gestão de ameaças corporativas

FECHAMENTO DOS MERCADOS

Ibovespa ignora tensão pré-Fed e sobe mais de 2%, fechando no melhor nível desde outubro; dólar volta aos R$ 5,43

O dia tinha tudo para ser como ontem, mas o Ibovespa encontrou forças para voltar aos 110 mil pontos e recuperar as perdas da semana

CRIPTOMOEDAS HOJE

Bitcoin (BTC) sobe forte e apaga parte da queda brusca na semana; veja como operam as principais criptomoedas do mercado

Como outros ativos do risco, a moeda digital também foi afetada pelas tensões entre entre Ucrânia e Rússia nos últimos dias, mas encontrou fôlego para avançar hoje

INTERRUPÇÃO TEMPORÁRIA

Banco Central suspende sistema para consulta de dinheiro ‘esquecido’ em bancos; veja o que está por trás do bloqueio

O BC precisou interromper o funcionamento do sistema lançado ontem após enfrentar instabilidades geradas pelo grande volume de acessos

NOVA DEBANDADA?

Mais um técnico da área de Orçamento da Economia deixa cargo e expõe novo desgaste na equipe de Paulo Guedes

O movimento de saída é comum no último ano de governo, mas agora tem ocorrido mais cedo, ainda no primeiro mês de 2022

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies