O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

Larissa Quaresma
A Bolsa como ela é
Larissa Quaresma
Analista de ações e integrante da equipe do Carteira Empiricus
2022-01-04T11:14:21-03:00
A BOLSA COMO ELA É

A selva implacável: a seleção do capitalismo para as melhores empresas de cada setor

Entenda os motivos que levaram gigantes como IBM, Intel e HP a cederem os holofotes para as bilionárias Apple, Google e Microsoft

4 de janeiro de 2022
11:11 - atualizado às 11:14
tigre, leão, selva
Imagem: Pixabay

Neste momento, não sabemos se o Ibovespa terminará o ano acima ou abaixo dos atuais 104 mil pontos (embora tenhamos nossas apostas, o leitor bem deve saber). Também não sabemos qual será o vencedor das eleições presidenciais no último trimestre. Assim como tampouco sabemos o campeão do Campeonato Brasileiro ao final do ano.

Uma quase certeza (e o quase é por mero rigor intelectual), entretanto, temos: o capitalismo continuará exercendo sua seleção implacável pelos melhores em cada campo de atuação. E por melhores, quero dizer aqueles que atendem seu cliente com a proposta de valor mais imbatível (e que seja financeiramente sustentável).

A evidência é irrefutável: o ciclo de vida das empresas no S&P 500 continua a cair. Nos anos 70, a duração média de uma empresa na lista era de 35 anos. Na década finda em 2020, o ciclo estava em 15 anos, em média. 

Um grupo antes encabeçado por IBM, Intel e HP agora cedeu espaço para Apple, Google e Microsoft. Toda empresa, não importa quão boa seja, está sujeita ao declínio.

Os motivos para o declínio

As razões para a queda são diversas. Por vezes, a empresa para de inovar, inebriada pelo sucesso dos produtos e serviços existentes, continuando a fazer tudo da mesma maneira e ignorando os sinais de mudança trazidos pelos novos entrantes. 

Veja o caso das montadoras que negligenciaram a gradual eletrificação ou “uberização” dos transportes e que agora lutam pela sobrevivência de seus negócios. 

Ou, no lado oposto do espectro, empresas que perdem seu foco e gastam recursos demais inovando em áreas sem nenhuma relação com seu negócio principal – vire o olhar para o outro lado do mundo e se lembrará da incorporadora chinesa Evergrande, que destinou bilhões de dólares a parques de diversão com o objetivo de desbancar a Disney (?). Agora, a empresa se vê afundada em dívidas, como o leitor bem deve saber.

Essas mudanças não ocorrem por morte súbita; ao contrário, tomam a forma de transições que levam anos (ou décadas) para se transformarem em lucros paulatinamente decrescentes. Esse movimento tem um caráter estrutural, atravessa ciclos de expansão e recessão econômica, alta ou baixa de juros.

Aqui, levam a melhor as empresas que permanecem imbatíveis no que fazem, mudando o que for necessário para tanto. É preciso ser muito competente para chegar lá, e duas vezes mais competente para permanecer lá.

E-commerce x varejo físico

Aqui no Brasil, em 2022, muito provavelmente o e-commerce continuará sua rota de disrupção do varejo físico. 

Pense em Via, que já foi a maior varejista do país e hoje luta para ganhar espaço na corrida digital do comércio – depois de ter feito uma boa transição para o e-commerce do ponto de vista técnico, há de se reconhecer. 

Os neobanks seguirão com o rouba-monte da massa de clientes que se sente mal atendida pelos bancos tradicionais.

Não quero dizer que toda empresa de e-commerce será vencedora, nem que todas as que possuem varejo físico sofrerão morte súbita. Não digo, tampouco, que todos os bancos tradicionais estão fadados a desaparecer. É preciso, sim, identificar as tendências mercadológicas, mas a análise individual é inevitável para o investidor.

Transformação do Magazine Luiza

Há aquelas incumbentes que executaram transições bem-sucedidas para o mundo novo. Veja o caso de Magazine Luiza, que, apesar de ter sua ação penalizada pelo macroeconômico desfavorável, fez uma bela transformação digital. 

A companhia parece ter entendido que seu negócio é vender itens domésticos, e que o canal escolhido para tanto é apenas um meio, que deve seguir a preferência do cliente. 

Outras empresas tradicionais, entretanto, não conseguiram fazer isso, e, assim, cria-se espaço para aquelas que vêm para fazer melhor.

É difícil dizer com muita antecedência quais serão as próximas vencedoras. Uma certeza, entretanto, temos: este será mais um ano de capitalismo implacável por aqui.

Um abraço,
Larissa

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

PORTFÓLIO DE BILHÕES

Aposta contra a Apple (AAPL34)? Veja as mudanças que Warren Buffett, Michael Burry e investidores de elite fizeram nas carteiras

Esses pesos-pesados do mercado financeiros tomaram decisões surpreendentes no primeiro trimestre; confira as mudanças mais significativas que eles fizeram no período

DO BRASIL PRO MUNDO

Guedes tem encontro com Escobari, da General Atlantic, e vai a jantar do BTG; confira a agenda do ministro em Davos

O banqueiro André Esteves, que em abril voltou ao comando do conselho do BTG Pactual, está participando do evento na Suíça

UMA TECH ATRAENTE

É hora da Locaweb? Saiba por que o Deutsche Bank vê ponto de entrada para as ações LWSA3

Banco alemão atualizou a recomendação para a empresa de neutra para compra e vê potencial de valorização de mais de 50% para os papéis

O QUE VEM POR AÍ

Ata do Fed e IPCA-15: confira a agenda de indicadores da semana aqui e lá fora

Nos Estados Unidos, a segunda prévia do PIB no primeiro trimestre também é destaque; na Europa, o PIB da Alemanha é o principal dado

CAMINHO DO MEIO

Menor rejeição e apoio interno no MDB dão vantagem a Simone Tebet; veja os rumos da senadora da terceira via

Maior desafio, segundo marqueteiros, é torná-la popular: 46% do eleitorado desconhece Simone Tebet, segundo pesquisas recentes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies