O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

Larissa Quaresma
A Bolsa como ela é
Larissa Quaresma
Analista de ações e integrante da equipe do Carteira Empiricus
2022-02-08T10:52:33-03:00
A BOLSA COMO ELA É

A disciplina da seleção relativa: descubra como escolher a melhor tese para os seus investimentos

Nenhum investimento é bom ou ruim isoladamente; ele é apenas melhor (ou pior) que a opção que você tem para alocar aquele capital

8 de fevereiro de 2022
10:52
Análise
Imagem: Shutterstock

“Você prefere estar certo ou ganhar dinheiro?” Essa é uma das perguntas retóricas de que mais gosto no mundo dos investimentos, porque ela coloca em foco o interesse principal de um investidor (ou investidora), que é o de multiplicar seu patrimônio.

Justamente por causa desse interesse, a vontade de vender certos ativos se torna quase diária em um bear market. 

Você tomou a decisão lá atrás de comprar aquela ação, ou aquele título, para ver seu preço ser corroído pelo pessimismo do mercado. 

Esses dias me peguei sonhando com o dinheiro da boleta de venda caindo na minha conta.

Considerações antes de vender

Antes de vender, contudo, devemos considerar o que motiva nossa decisão. 

Porque só o fato de o preço estar caindo (ou mesmo subindo) não diz muito sobre a qualidade daquele investimento. 

A depender dos fundamentos, a queda pode ser uma oportunidade de compra. 

Ou, por outro lado, pode ser que o fundamento tenha piorado, acendendo um alerta de venda. De toda forma, a variação de preço, por si só, não nos diz nada.

Como descobrir qual é o caso?

Se, com o desenrolar dos fatos, a tese de investimento em determinado ativo tem menor probabilidade de estar certa, você de fato precisa rever sua exposição nele. 

Uma tese comprada que está desmoronando (não por conta do preço, mas dos pontos da tese) é um sinal de venda. 

Mesmo que você reconheça uma perda, é melhor vender logo, antes que os demais participantes de mercado também percebam a falha. Acredite, essa virada de chave acontece rápido. 

Lembre-se do caso da Stone, cuja nascente plataforma de crédito era a menina dos olhos dos acionistas, até a empresa mostrar que ainda não sabia controlar a inadimplência. De lá para cá, a cotação da empresa se dividiu por sete. 

Três possibilidades

Se, por outro lado, os fatos derem à tese uma maior probabilidade de estar certa, talvez seja a hora de aumentar a exposição, aproveitando-se de um preço mais atrativo. 

Há, ainda, uma terceira possibilidade: a de a tese estar intacta; nem mais certa, nem mais errada. Neste caso, o melhor a fazer é nada. 

Suponhamos, então, que seja o caso de vender. A tese de fato estava errada, não aconteceu o que você esperava. Então, ainda antes de vender, você deve se perguntar: onde vou colocar o capital proveniente da venda? 

Seleção relativa

Gosto bastante de uma definição de investimentos em particular. Ela é de Sidney Cottle, editor do clássico “Security Analysis”, e diz que “investir é a disciplina da seleção relativa”. 

Nenhum investimento é bom ou ruim isoladamente; ele é apenas melhor (ou pior) que a opção que você tem para alocar aquele capital. A seleção relativa coloca na conta o custo de oportunidade do nosso capital.

Então, ao vender o ativo, há algum outro em cuja tese você tenha mais convicção? Ou é melhor colocar os recursos levantados em caixa (no nosso caso, Tesouro Selic)? 

O desenrolar das teses

Lembremos que o custo de oportunidade do nosso capital, considerando o investimento livre de risco brasileiro, está na casa dos dois dígitos anuais. 

Qualquer coisa em que você decida investir agora deve superar a expectativa de render 11% ao ano. É esse o nosso exercício mental diário para a Carteira Empiricus.

Importante dizer, também, que nós somos da escola fundamentalista e, por isso, temos a paciência de esperar o desenrolar das teses. 

O olho deve estar mais na competição das teses pelo nosso capital, por mais que os frutos disso, por vezes, demorem. O importante é multiplicar o capital no longo prazo. Com a disciplina da seleção relativa.

Um abraço,
Larissa

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

BALANÇO

Lucro líquido do Inter (BIDI11) avança 32% no primeiro trimestre; confira os destaques do banco digital

O Inter também ultrapassou a marca dos 18 milhões de clientes entre janeiro e março, alta de 82% na comparação com o mesmo período de 2021

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa contraria Nova York e sobe mais de 1%, de olho em fraqueza chinesa e futuro da Selic

O futuro da taxa de juros esteve em pauta no Ibovespa, em Wall Street e na China, onde a desaceleração da economia preocupa

Balanço

Nubank (NUBR33) registra prejuízo menor do que o esperado no 1T22, mas inadimplência dispara. Veja os destaques do balanço

Índice de inadimplência acima de 90 dias do Nubank aumentou 0,7 ponto percentual na passagem do 4T21 para o 1T22

Lucro líquido da Itaúsa (ITSA4) salta para R$ 3,7 bilhões no primeiro trimestre; veja quando a holding pagará dividendos

Segundo a empresa, esse é o melhor primeiro trimestre de sua história e reflete a solidez do portfólio, que inclui a participação no Itaú e na XP

Carreira

Alunos da USP têm prioridade no mercado de trabalho? Nem sempre os ‘selecionados’ da Fuvest vão ‘roubar’ seu emprego

A universidade faz tanta diferença na sua carreira? Nós respondemos essa pergunta sobre como a USP influencia sua empregabilidade

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies