A AÇÃO QUE ESTÁ REVOLUCIONANDO A INFRAESTRUTURA DO BRASIL E PODE SUBIR 50%. BAIXE UM MATERIAL GRATUITO

2022-07-06T18:57:07-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo pela Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO DO DIA

Sem novidades, ata do Fed impulsiona Ibovespa; dólar tem mais um dia de alta e vai a R$ 5,42

Apesar de a ata mostrar que a situação segue complicada, não houve nenhuma mudança no posicionamento do Federal Reserve

6 de julho de 2022
18:45 - atualizado às 18:57
federal reserve bola de cristal
Imagem: Montagem Andrei Morais/Shutterstock

A ata do Federal Reserve, divulgada nesta tarde (06), confirmou todas as desconfianças do mercado. Os juros americanos vão continuar subindo de forma acelerada na próxima reunião, as expectativas de inflação no longo prazo seguem crescendo e não há como descartar que a reação da economia ao aperto monetário será uma desaceleração da economia. 

A resposta das bolsas globais foi uma aceleração dos ganhos. É, você não leu errado. Os investidores ficaram aliviados em ver no documento a confirmação dos seus temores. 

É que apesar de mostrar que a situação segue complicada, não houve nenhuma mudança no posicionamento do Federal Reserve. O documento veio em linha com os discursos dados pelos dirigentes desde a última reunião e, melhor de tudo, não trouxe um cenário pior do que o que já vinha sendo precificado pelos ativos. 

Com a reação positiva em Wall Street, a bolsa brasileira conseguiu deixar os temores com a recessão e a queda das commodities de lado. O Ibovespa encerrou o dia em alta de 0,43%, a 98.9718 pontos. 

O dólar à vista, no entanto, teve um dia de pressão, com um avanço de 0,60%, a R$ 5,4219. O euro segue demonstrando fraqueza após dados piores do que o esperado confirmarem a desaceleração da economia europeia, o que aumenta a procura pela moeda americana. 

Os recados da ata do Fed

Sem muitas novidades, a ata da última reunião do Federal Reserve foi bem digerida pelo mercado. 

O documento apenas confirmou que os membros do Fed ainda não projetam oficialmente um cenário de recessão, mas acreditam em uma desaceleração maior da economia no processo de tentar ancorar as expectativas de inflação no longo prazo – um risco apontado pelos votantes. 

Além disso, a ata também reafirmou que os dirigentes esperam uma alta entre 0,5 ponto percentual e 0,75 pp no próximo encontro. 

Após uma instabilidade inicial, os principais índices em Wall Street conseguiram encerrar o dia com ganhos na faixa de 0,30%. 

E o petróleo?

Depois da forte queda vista no preço do barril de petróleo ontem, a commodity voltou a ser pressionada. 

Com o temor de uma recessão que pode estar por vir, os investidores enxergam uma queda na demanda por energia, que, em consequência, faz com que os preços das commodities caiam.

A queda do Brent (referência de preço para a Petrobras) pode chegar a US$65 em caso de recessão global liderada pela desaceleração nos EUA, segundo analistas do Citibank.

Nesta quarta-feira, o barril do Brent recuou 2,02%, voltando ao patamar dos US$ 100. Apesar disso, a Petrobras (PETR4) teve perdas mais limitadas, repercutindo a melhora do humor dos investidores. 

Dados do dia e a bolsa

Dois termômetros importantes da economia norte-americana foram divulgados nesta manhã. Primeiro, o índice de gerente de compras (PMI, na sigla em inglês) recuou menos que o esperado, indicando que o Federal Reserve pode ter mais espaço para elevar os juros.

Depois, o relatório de emprego Jolts, considerado uma prévia do payroll, mostrou que a abertura de novos postos de trabalho caiu a 11,254 milhões em maio.

Os números foram recebidos de forma mista pelo mercado. No Brasil, os investidores seguem aguardando os indicadores dos próximos dias. 

De olho na movimentação em torno da PEC dos Benefícios, o mercado de juros voltou a estender os ganhos e operou em forte alta. Confira:

CÓDIGONOMEVALORFEC 
DI1F23DI jan/2313,76%13,73%
DI1F25DI Jan/2512,92%12,83%
DI1F26DI Jan/2612,82%12,74%
DI1F27DI Jan/2712,86%12,76%

Sobe e desce do Ibovespa

Com o fôlego dos investidores renovado, muitos aproveitaram para buscar setores descontados da bolsa – com grande destaque aos de varejo e educação. 

No início da tarde, papéis como VIIA3, AMER3, YDUQS3 e COGN3 dispararam e apresentaram altas da ordem de 10%. O principal destaque foram as ações da Via, que fecharam o dia com ganhos de 13%. 

Outro destaque importante foi o desempenho das ações da Hypera Pharma (HYPE3). Segundo matéria do Pipeline, a companhia estaria negociando uma possível fusão com um de seus rivais — a Eurofarma e o grupo NC, dono da EMS, seriam os dois principais concorrentes nas tratativas. Procuradas pelo Seu Dinheiro ao longo do dia, as companhias negaram a notícia. 

Confira as maiores altas do Ibovespa na sessão desta quarta-feira (06):

CÓDIGONOMEVALORVAR
VIIA3Via ONR$ 2,3113,24%
AMER3Americanas S.AR$ 15,3811,77%
YDUQ3Yduqs ONR$ 13,809,44%
COGN3Cogna ONR$ 2,269,18%
LWSA3Locaweb ONR$ 6,597,86%

Na ponta contrária, nem mesmo a queda do preço do barril de petróleo segurou as ações do setor aéreo. As empresas foram pressionadas pela forte elevação do dólar no mercado internacional. Na sequência, as petroleiras ampliaram as perdas com a fraqueza da commodity. Confira também as maiores quedas do Ibovespa:

CÓDIGONOMEVALORVAR
AZUL4Azul PNR$ 11,64-5,67%
RRRP33R Petroleum ONR$ 31,70-5,60%
GOLL4Gol PNR$ 8,32-4,81%
BRKM5Braskem PNAR$ 33,70-4,59%
GETT11Getnet unitsR$ 4,33-1,81%
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

APETITE POR RISCO

Destaques da bolsa: Inflação americana derruba juros futuros e Yduqs (YDUQ3), Totvs (TOTS3) e IRB (IRBR3) aproveitam; JHSF (JHSF3) pega carona com números da Cury (CURY3)

10 de agosto de 2022 - 15:34

O apetite por risco dos investidores acompanha as projeções de juros menores nos Estados Unidos

DESTAQUE DA CONSTRUÇÃO

Cury (CURY3) dispara mais de 9% após apresentar receita recorde e margens saudáveis no segundo trimestre; confira os destaques do balanço da companhia

10 de agosto de 2022 - 12:27

O apetite pelos papéis da empresa e de outras construtoras também é alimentado pelo arrefecimento da inflação em julho

TEMPORADA DE BALANÇOS

XP em foco: mercado desaprova despesas maiores e BDRs XPBR31 desabam mais de 8% após balanço do 2º trimestre

10 de agosto de 2022 - 12:25

O mercado ainda mantém recomendações positivas para XP (XPBR31), mas faz ressalvas a respeito de algumas tendências do balanço no 2T22

DEGRINGOLÂNDIA

Os EUA viraram uma república de bananas? O que se sabe até agora sobre a operação do FBI contra Donald Trump

10 de agosto de 2022 - 11:43

Aliados de Donald Trump saíram-se com reações exacerbadas; Casa Branca exaltou respeito ao estado de direito

Décimo Andar

O caminho da evolução: A indústria de fundos imobiliários ainda tem muito a avançar; saiba o que esperar

10 de agosto de 2022 - 11:04

Em termos de alinhamento com os cotistas, a indústria de FIIs tem características únicas e grandes vantagens. Ainda assim, são necessários novos ajustes no meio do caminho

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies