O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-04-01T17:04:37-03:00
Carolina Gama
FECHAMENTO DO DIA

S&P 500 sobe, mas acusa o golpe: veja como as bolsas nos EUA reagiram ao dado que não deve parar a alta agressiva de juros

O chamado payroll, como é conhecido o relatório de emprego nos Estados Unidos, trouxe uma criação de 431.000 postos de trabalho em fevereiro, abaixo do consenso de 490.000 novas vagas

1 de abril de 2022
17:03 - atualizado às 17:04
payroll

O S&P 500 acusou o golpe. Ainda que tenha terminado a sexta-feira (01) com ganho, o índice mais amplo de Wall Street — junto com Nasdaq e Dow Jones — sentiu a pressão de um dado de emprego mais morno que, dificilmente, impedirá um aumento mais agressivo da taxa de juros nos Estados Unidos.

O chamado payroll — como é conhecido o relatório de emprego nos Estados Unidos — trouxe uma criação de 431.000 postos de trabalho em fevereiro, abaixo do consenso de 490.000 novas vagas. Já a taxa de desemprego caiu mais do que o esperado, para 3,6%.

A questão é que mesmo com um dado de emprego mais morno, o Federal Reserve (Fed) não deve recuar em seu plano de aumentar a taxa de juros em um ritmo mais acelerado do que se esperava até então. 

E é aí que mora o problema: como as apostas de ação agressiva do banco central norte-americano continuam sendo precificadas nos mercados, crescem os temores de que o Fed possa desacelerar demais o crescimento e levar a economia dos Estados Unidos à recessão.

Um sinal nessa direção veio do mercado de dívida norte-americano. A curva de juros se inverteu novamente, acendendo a luz de alerta de que uma recessão poderia estar no horizonte. 

Os juros projetados pelos títulos de dívida de dois do Tesouro dos Estados Unidos saltaram (2,428%) acima dos juros do título do Tesouro de dez anos (2,360%) — considerados a referência desse mercado. 

  • Dow Jones: +0,40%, 34.818,14 pontos
  • S&P 500: +0,34%, 4.545,80 pontos
  • Nasdaq: +0,29%, 14.261,50 pontos

O petróleo segue um capítulo à parte

O petróleo começou o segundo trimestre como encerrou o primeiro: como um capítulo à parte no mercado de commodities. 

Os preços da energia dispararam quando a invasão da Ucrânia pela Rússia interrompeu a oferta global, no final de fevereiro, alimentando preocupações de que os altos preços possam prejudicar o crescimento econômico.

Para evitar um aumento ainda maior desses preços — e uma inflação ainda mais alta — o presidente norte-americano, Joe Biden, disse na quinta-feira (31) que irá liberar mais barris das reservas estratégicas dos Estados Unidos.

A medida teve efeito sobre as cotações ontem e hoje: o WTI — a referência para o mercado norte-americano — encerrou o dia abaixo dos US$ 100 o barril. 

Além dos Estados Unidos, a Agência Internacional de Energia (AIE) informou nesta sexta-feira que houve um acordo entre seus 31 membros para uma nova liberação de reservas de petróleo, "em resposta à turbulência no mercado causada pela invasão russa da Ucrânia". 

A AIE diz que detalhes sobre essa liberação serão tornados públicos apenas no início da próxima semana.

O Brent, usado como medida global, continua acima dos US$ 100 o barril, mas encerrou em queda novamente hoje, de 0,3%, cotado a US$104,39 o barril.

S&P 500 sobe, mas e as bolsas da Europa?

O S&P 500 seguiu o mesmo caminho das bolsas da Europa, que encerraram esta sexta-feira (01) em alta, saindo de seu primeiro trimestre de perdas em dois anos.

As negociações entre a Rússia e a Ucrânia continuaram a orientar a confiança dos investidores no velho continente.

  • Londres: +0,30%
  • Paris: +0,37%
  • Frankfurt: +0,22%

O pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,6%, com as mineradoras subindo 2,2% para liderar os ganhos.

As negociações entre a Rússia e a Ucrânia renderam poucos frutos até agora, com Kiev e seus aliados ocidentais permanecendo céticos em relação às intenções de Moscou e à legitimidade de seu compromisso com recuos militares parciais no norte da Ucrânia.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Balanço

Nubank (NUBR33) registra prejuízo menor do que o esperado no 1T22, mas inadimplência dispara. Veja os destaques do balanço

Índice de inadimplência acima de 90 dias do Nubank aumentou 0,7 ponto percentual na passagem do 4T21 para o 1T22

Lucro líquido da Itaúsa (ITSA4) salta para R$ 3,7 bilhões no primeiro trimestre; veja quando a holding pagará dividendos

Vale lembrar, que como é uma holding, a principal atividade (e fonte de receita) da Itaúsa é deter participações acionárias em outras companhias

Carreira

Alunos da USP têm prioridade no mercado de trabalho? Nem sempre os ‘selecionados’ da Fuvest vão ‘roubar’ seu emprego

A universidade faz tanta diferença na sua carreira? Nós respondemos essa pergunta sobre como a USP influencia sua empregabilidade

TRILHA DO UNICÓRNIO

Aplicativo de conta em dólar, Nomad recebe aporte de R$ 160 milhões e já é avaliado em mais R$ 1 bilhão

Nessa segundo rodada de captação, a Nomad, fintech de serviços financeiros em dólar, espera atingir 1 milhão de clientes até o fim do ano

FECHAMENTO DO CÂMBIO

Dólar recua 0,12% e vale R$ 5,05. Euro sobe e é negociado a R$ 5,27. Confira o que movimentou o câmbio nesta segunda-feira

A segunda-feira ficou marcada por dados que apontam para uma desaceleração na economia chinesa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies