Insights de investimento, análises de mercado e muito mais! Siga o Seu Dinheiro no Instagram

2022-01-28T08:35:37-03:00
Camille Lima
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
DE OLHO NA BOLSA

Esquenta dos mercados: Bolsas no exterior operam sem direção definida de olho na inflação dos EUA e Ibovespa mira em coletiva de Paulo Guedes hoje

Depois de recuperar força e encerrar aos 112 mil pontos ontem (27), a bolsa brasileira deve acompanhar a divulgação do resultado primário do governo e a coletiva do ministro da Economia

28 de janeiro de 2022
8:19 - atualizado às 8:35
Paulo Guedes em frente ao gráfico do Ibovespa
Bolsa brasileira de olho na coletiva do ministro da Economia -

Depois de um dia de montanha-russa nos mercados causar uma séria dor de barriga para quem estava acompanhando de perto os movimentos, o último pregão da semana deve apresentar um tom mais positivo para o mercado local.

Na sessão de quinta-feira (27), os investidores estavam à mercê do sobe e desce do Ibovespa. O principal indicador da B3 subia forte pela manhã, mas foi contaminado pelas sombras do cenário externo durante o dia. 

Mesmo assim, o índice conseguiu recuperar a força na escalada e fechar em alta de 1,19%, aos 112.611 pontos.

Enquanto isso, o dólar à vista, que operou no vermelho durante todo o dia e bateu a mínima de R$ 5,35 em seu pior momento, desacelerou as quedas e encerrou em baixa de 0,32% ante o real, a R$ 5,4238, apesar das perspectivas de uma nova alta nos juros nos Estados Unidos.

Para dar ritmo ao desenrolar do cenário doméstico, a notícia de que o presidente Jair Bolsonaro vetou a PEC dos Combustíveis chega com força, acompanhada pela divulgação do resultado primário do governo em dezembro, caso essa confirme a expectativa de um superávit de R$ 9 bilhões na comparação mensal. 

Inflação nos EUA

A divulgação da inflação nos Estados Unidos (PCE, na sigla em inglês) deve movimentar os mercados hoje.

Isso porque, de acordo com o anúncio da inflação de novembro no mês passado, o núcleo da alta nos preços atingiu sua maior leitura desde 1982, aos 4,7%.

Uma inflação maior pode influenciar a decisão do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) de aumentar os juros

Nesta semana, o Fed já havia sinalizado que manteria as taxas de juros de curto prazo estáveis por enquanto, mas com um possível aumento a partir de março. Essa seria a primeira alta do BC americano nos juros em mais três anos.

PEC dos combustíveis

Na tarde da última quinta-feira (27), o governo federal desistiu de criar um fundo de estabilização do preço dos combustíveis.

Com isso, a proposta de emenda à constituição (PEC) dos combustíveis deve contar apenas com o mecanismo de renúncia fiscal para manter o preço do óleo diesel e gás de cozinha estáveis. A gasolina não entrou nas contas do governo. 

O que diz a PEC

A PEC propõe que o governo federal retire o PIS/Cofins dos combustíveis, energia elétrica e gás de cozinha. 

Por outro lado, a proposta ainda exige que governadores isentem o ICMS dos combustíveis, uma das principais fontes de renda dos estados.

Como resposta ao governo federal, na tarde da última quarta-feira (26), chefes dos poderes executivos estaduais decidiram congelar o imposto por mais 60 dias. 

Na ponta do lápis

A medida pode gerar um déficit de até R$ 57 bilhões nas contas públicas — mas um relatório da XP dá conta de uma perda de até R$ 240 bilhões, se os estados entrarem na conta.

O impacto no preço dos combustíveis seria limitado: entre R$ 0,18 e R$ 0,20. De acordo com os cálculos da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), a média de preços cairia de R$ 6,71 para R$ 6,51 por litro de combustível.

Por outro lado, a projeção para inflação sente um impacto maior: nos cálculos da XP, os preços sentiriam uma desaceleração de 5,2% para 1%, queda de 4,2 pontos.

De olho em outubro

A PEC desrespeita a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que exige uma compensação para cada renúncia de impostos aprovada. O texto vem na esteira das medidas de caráter eleitoreiro do presidente Bolsonaro, de olho nas eleições de outubro. 

O presidente vive um momento de baixa popularidade, de acordo com as últimas pesquisas eleitorais. Seu principal opositor, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, segue à frente nas intenções de voto.

Agenda local

O Tesouro Nacional deve divulgar o resultado primário do governo central no início da tarde de hoje, mas o foco vai para a coletiva de imprensa logo em seguida, que conta com a participação do ministro da Economia, Paulo Guedes. 

Mais cedo, o IGP-M e o Caged também devem permanecer no radar do investidor. 

Bolsas pelo mundo

A sessão extremamente volátil em Wall Street ontem, com a divulgação do PIB (Produto Interno Bruto) dos EUA acima do esperado e especulações sobre os juros no país, determinou o comportamento na Ásia. Em preparação para o feriado de ano novo chinês, as bolsas asiáticas encerraram o pregão desta sexta-feira sem direção definida.

Na Europa, o dia é negativo para os mercados, que operam em queda após fecharem três sessões consecutivas em alta, impactados por dados econômicos e balanços corporativos, tanto europeus quanto norte-americanos.

Em Nova York, os índices futuros seguem o rumo europeu. Depois de ensaiarem uma recuperação após o forte resultado trimestral da Apple, as bolsas mostraram uma certa piora na última hora e passaram a operar sem rumo definido, com o indicador de tecnologia Nasdaq no campo positivo, acompanhado pelo S&P 500, que se manteve estável.

Agenda do dia

  • FGV: IGP-M de janeiro (8h)
  • IBGE: PNAD Contínua (9h)
  • Banco Central: Concessões no Crédito Livre, estoque total, juro médio e inadimplência (9h30)
  • Estados Unidos: PCE e Núcleo do PCE (10h30)
  • Tesouro Nacional: Resultado Primário do governo (14h30)

Ministério da Economia: Coletiva do Tesouro sobre o resultado do governo com o secretário Paulo Valle e o ministro da economia Paulo Guedes (15h)

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

A PARTIR DE JUNHO

Quer um pedacinho da Eletrobras (ELET3)? O trabalhador poderá usar recursos do FGTS para comprar ações

O trabalhador deverá fazer reserva de aquisições entre 3 e 9 de junho. O governo liberou o uso de até 50% do FGTS para compra de ações da Eletrobras

DESINVESTIMENTO

Em meio à turbulências, Petrobras (PETR4) assina mais um contrato de venda de refinaria

A operação ainda deve passar pelo crivo do Cade. A venda da refinaria Lubnor por US$ 34 milhões faz parte do plano de desinvestimento

DIPLOMACIA RUSSA

Bandeira branca? Putin diz que vai viabilizar comércio de grãos ucranianos e fertilizantes

Em conversa com o presidente da França e o chanceler da Alemanha, Putin afirmou que vai aumentar a oferta de grãos e fertilizantes

NÃO VINGOU

Terra 2.0 derrete mais de 60% no dia do lançamento; saiba por quê

A Terra 2.0 já acumula perdas; o renascimento da criptomoeda sofre com a perda de credibilidade, após falhas no protocolo da antiga moeda

NOVA CRIPTO NA ÁREA

Lançamento da Terra 2.0: vale a pena investir em um projeto criado pelos mesmos desenvolvedores da extinta Terra (LUNA)? Especialistas falam sobre nova criptomoeda

A resposta foi quase unânime: os analistas deixaram de acompanhar a Terra (LUNA) e não acreditam mais no projeto

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies