A AÇÃO QUE ESTÁ REVOLUCIONANDO A INFRAESTRUTURA DO BRASIL E PODE SUBIR 50%. BAIXE UM MATERIAL GRATUITO

2022-07-14T07:49:19-03:00
Ricardo Gozzi
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas internacionais caem com medo de um Fed mais agressivo após inflação; Ibovespa reage à aprovação da PEC dos Benefícios

Alguns dos maiores bancos dos Estados Unidos iniciam hoje a temporada de resultados corporativos, mas a aversão ao risco predomina

14 de julho de 2022
7:32 - atualizado às 7:49
falcão abelha paypal copart
Confira o que movimenta as bolsas, o dólar e o Ibovespa hoje. Imagem: Pixabay

O risco de que a economia global entre em recessão mais uma vez pesa sobre os mercados financeiros e bolsas mundiais. O temor ganhou ontem um novo componente diante da aceleração da inflação nos Estados Unidos, que encontra-se no nível mais alto em mais de 40 anos. Hoje, a abertura da temporada de balanços não anima e as bolsas de valores estrangeiras mantêm-se em queda generalizada.

Os índices futuros de Wall Street sinalizam abertura no vermelho, enquanto na Europa, os mercados de ações abriram em baixa enquanto o euro se segura ligeiramente acima da paridade com o dólar. Por aqui, o Ibovespa dará a largada depois de ontem ter fechado no nível mais baixo desde 4 de novembro de 2020, aos 97.881 pontos.

Ainda na sessão de ontem, o dólar à vista também recuou 0,61% frente ao real após o forte dado de inflação dos EUA. A moeda norte-americana encerrou o pregão cotada a R$ 5,4058.

Ontem, antes da divulgação dos números da inflação nos Estados Unidos em junho, analistas advertiam para o impacto de eventuais surpresas. E o resultado surpreendeu — para cima.

A aceleração da alta dos preços nos Estados Unidos alimenta entre os investidores o temor de que o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) seja ainda mais agressivo no aperto monetário em andamento.

O objetivo do Fed é impedir que a desaceleração econômica se transforme em recessão no país. Como o efeito das ações de política monetária demora a ser sentido e os vetores de risco se multiplicam, os investidores optam por se afastar dos ativos de risco.

A publicação do Livro Bege do Banco Central norte-americano não trouxe maiores novidades sobre o futuro da política monetária — apenas corroborou com a tese de que a alta de juros é mais do que necessária no momento. 

Confira o que movimenta as bolsas, o dólar e o Ibovespa nesta quinta-feira (14):

Bancos dão a largada à temporada de balanços 

Em meio a todos os acontecimentos, a abertura da temporada de balanços nos EUA não anima. Como de costume, os primeiros a divulgarem os resultados serão os grandes bancos norte-americanos.

JP Morgan, Morgan Stanley e Wells Fargo darão a largada antes da abertura do pregão de hoje.

Os investidores buscam mais informações sobre o desempenho dessas empresas e quais são suas perspectivas diante do risco de recessão.

O que dizem os especialistas

“Com os mercados de títulos precificando cada vez mais a desaceleração econômica, os mercados de ações estão lutando para entender o que vem a seguir quando se trata de valuations”, disse Michael Hewson, analista da corretora CMC Markets.

"Minha sensação é de que este será um trimestre que fará com que os analistas reduzam suas estimativas de ganhos futuros", disse Neil Wilson, da corretora Markets.com.

E a bolsa por aqui vai chacoalhar

Como se tudo isso já não fosse demais, o mercado brasileiro de ações ganhou um fator adicional de risco na noite de ontem. A Câmara dos Deputados aprovou em segundo turno a chamada PEC Kamikaze.

Entre os destaques extra-teto de gastos, estão: 

  • Auxílio Brasil: Ampliação de R$ 400 para R$ 600 mensais e cadastro de 1,6 milhão de novas famílias no programa (custo estimado: R$ 26 bilhões);
  • Bolsa-caminhoneiro: criação de um benefício de R$ 1 mil (custo estimado: R$ 5,4 bilhões);
  • Auxílio-Gás: Ampliação de R$ 53 para o valor de um botijão a cada dois meses (o preço médio atual do botijão de 13kg, segundo a ANP, é de R$ 112,60; custo estimado: R$ 1,05 bilhão);
  • Transporte gratuito de idosos: compensação aos Estados para atender a gratuidade, já prevista em lei, do transporte público de idosos (custo estimado: R$ 2,5 bilhões);
  • Etanol: Repasse de até R$ 3,8 bilhões a Estados para manutenção do ICMS em 12% para manter a competitividade do biocombustível em relação à gasolina; Taxistas:
  • Auxílio-gasolina de R$ 200 para os taxistas ao custo de R$ 2 bilhões;
  • Alimenta Brasil: R$ 500 milhões seriam direcionados ao programa para a compra de alimentos de agricultores familiares.

E a agenda local cheia!

Além disso, na agenda local, permanece no radar a participação do ministro da Economia, Paulo Guedes, em eventos ao longo do dia. O primeiro, às 9h30 da manhã, será uma coletiva sobre o Boletim Macrofiscal, com atualizações sobre as projeções para indicadores macroeconômicos.

Naturalmente, há uma expectativa de que o ministro comente a aprovação da PEC dos Benefícios. Apesar das despesas dora do teto de gastos e a elevação do chamado "risco Brasil" até o final da vigência da proposta, Guedes vem defendendo a medida como forma de contornar a crise dos combustíveis.

Por fim, no campo dos indicadores, o IBC-Br de maio deve ficar em segundo plano. De acordo com as projeções de especialistas ouvidos pelo Broadcast, a prévia da atividade econômica deve avançar 0,10% na mediana das projeções e acumular alta de 4% na base interanual.

Agenda do dia

  • Banco Central: IBC-Br de maio (9h)
  • Ministério da Economia: Boletim Macrofiscal e atualização de projeções para indicadores macroeconômicos (9h30)
  • Estados Unidos: Pedidos de auxílio-desemprego (9h30)
  • Estados Unidos: Índice de preços ao produtor (PPI) de junho (9h30)
  • Ministério da Economia: Ministro da Economia, Paulo Guedes, participa de coletiva sobre o boletim Macrofiscal (10h)
  • Ministério da Economia: Ministro da Economia, Paulo Guedes, concede entrevista à Bloomberg TV (19h)
  • China: PIB do 2º trimestre, vendas no varejo e produção industrial em junho (23h)

Balanços

Antes da abertura:

  • JP Morgan (EUA)
  • Morgan Stanley (EUA)
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

BALANÇO

Inter (INBR31) reverte prejuízo em lucro de R$ 15,5 milhões no segundo trimestre; confira os números

15 de agosto de 2022 - 21:01

No semestre encerrado em 30 de junho de 2022, o Inter superou a marca de 20 milhões de clientes, que equivale a 22% de crescimento no período

BALANÇO DA HOLDING

Lucro líquido da Itaúsa (ITSA4) recua 12,5% no segundo trimestre, mas holding anuncia JCP adicional; confira os destaques do balanço

15 de agosto de 2022 - 19:52

A Itaúsa (ITSA4) esperou até o último dia da temporada de balanços para revelar os números do segundo trimestre. E a paciência dos investidores não foi recompensanda: a companhia lucrou R$ 3 bilhões, uma queda de 12,5% na comparação com o mesmo período do ano passado. O retorno sobre o patrimônio líquido (ROE) sobre o […]

BALANÇO

Resultado da Méliuz (CASH3) piora e empresa de cashback registra prejuízo líquido de R$ 28,2 milhões no segundo trimestre

15 de agosto de 2022 - 19:07

Os papéis da Méliuz amargam perdas de 87% no ano, mas entraram no mês de agosto em tom mais positivo, com ganho mensal de 7%

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Magazine Luiza (MGLU3) dá a volta por cima, XP vai às compras e futuro do ethereum; confira os destaques do dia

15 de agosto de 2022 - 18:52

Há pouco mais de dois meses, quando conversei com diversos analistas e gestores de mercado sobre as expectativas para o segundo semestre, poucos foram aqueles que apostaram nos setores de grande exposição à economia doméstica como boas alternativas para a segunda metade do ano.  Não que empresas ex-queridinhas como Magazine Luiza (MGLU3), Via (VIIA3) e […]

ACIONISTAS FELIZES

Dividendos: Itaúsa (ITSA4) pagará JCP adicional e data de corte é nesta semana; veja como receber

15 de agosto de 2022 - 18:47

Vale lembrar que, após a data de corte, as ações serão negociadas “ex-direitos” e passarão por um ajuste na cotação referente aos proventos já alocados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies