O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-02-03T17:55:10-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
DEIXA PRA LÁ

Depois do Madero é a vez da Bluefit; entenda o que levou 13 empresas a desistirem de seus IPOs em janeiro

De acordo com especialistas, três grandes fatores explicam o fenômeno: a inflação em alta, o aperto na taxa básica de juros brasileira, e a proximidade das eleições

31 de janeiro de 2022
16:49 - atualizado às 17:55
BlueFit academia IPO
Só em janeiro, foram 13 desistências de ofertas inicias de ações — Imagem: Shutterstock

A rede de academias Bluefit desistiu de fazer uma oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) na B3.

A empresa planejava captar cerca de R$ 600 milhões, segundo fontes, e já havia suspendido a operação em setembro do ano passado, quando o mercado interno azedou.

A ideia era tentar emplacar a oferta neste começo de 2022, mas com o cenário ainda bastante complicado para entrantes na Bolsa, sem apetite dos investidores por novas ações, por causa da alta de juros aqui e lá fora, a Bluefit desistiu do IPO.

Só em janeiro, foram 13 desistências de ofertas inicias de ações, de nomes como Madero, a rede de supermercados chilena Cencosud e a empresa de cosméticos e perfumes Coty. Essas operações, segundo as fontes, tinham potencial de movimentar R$ 15 bilhões.

Há ainda uma série de ofertas suspensas, como a da Captalys, plataforma digital de infraestrutura de crédito, que engavetou a oferta até março, na expectativa de melhora do mercado. A empresa, que é comandada por mulheres, pretende usar os recursos captados no IPO para bancar aquisições e ainda investir na expansão orgânica.

Caso Madero

Antes da Bluefit, o Madero tinha sido a última a desistir de uma oferta pública de ações.

A rede de restaurantes protocolou o pedido de IPO em agosto de 2021 e, com quase R$ 1 bilhão em dívidas, buscava atrair investidores para colocar dinheiro no caixa e tirar a corda do pescoço.   

Porém, ainda no ano passado, a abertura de capital foi adiada. A rede de restaurantes justificou, na época, esperar por uma melhoria nas condições de mercado.

Após receber um aporte de R$ 300 milhões do fundo americano Carlyle - um de seus maiores sócios - em novembro, a empresa recuperou o fôlego financeiro e pode seguir aguardando um ambiente de mercado mais favorável aos IPOs.

Onda de desistências

De acordo com especialistas, três grandes fatores explicam o fenômeno: a inflação em alta, o aperto na Selic, a taxa básica de juros brasileira, e a proximidade das eleições.

Os dois primeiros elementos desse caldo indigesto afetam principalmente as novatas do mercado e estão intimamente ligados.

Com a inflação estourando a meta no ano passado, o Banco Central promove um novo ciclo de alta da Selic para tentar evitar que o cenário se repita em 2022.

Já o terceiro gera incertezas entre os investidores e tende a aumentar a volatilidade dos ativos de risco.

Sem uma terceira via definida para as eleições e em meio à polarização reforçada pelos dois candidatos mais populares ao páreo, a situação não deve melhorar tão cedo.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Balanço

Nubank (NUBR33) registra prejuízo menor do que o esperado no 1T22, mas inadimplência dispara. Veja os destaques do balanço

Índice de inadimplência acima de 90 dias do Nubank aumentou 0,7 ponto percentual na passagem do 4T21 para o 1T22

Lucro líquido da Itaúsa (ITSA4) salta para R$ 3,7 bilhões no primeiro trimestre; veja quando a holding pagará dividendos

Segundo a empresa, esse é o melhor primeiro trimestre de sua história e reflete a solidez do portfólio, que inclui a participação no Itaú e na XP

Carreira

Alunos da USP têm prioridade no mercado de trabalho? Nem sempre os ‘selecionados’ da Fuvest vão ‘roubar’ seu emprego

A universidade faz tanta diferença na sua carreira? Nós respondemos essa pergunta sobre como a USP influencia sua empregabilidade

TRILHA DO UNICÓRNIO

Aplicativo de conta em dólar, Nomad recebe aporte de R$ 160 milhões e já é avaliado em mais R$ 1 bilhão

Nessa segundo rodada de captação, a Nomad, fintech de serviços financeiros em dólar, espera atingir 1 milhão de clientes até o fim do ano

FECHAMENTO DO CÂMBIO

Dólar recua 0,12% e vale R$ 5,05. Euro sobe e é negociado a R$ 5,27. Confira o que movimentou o câmbio nesta segunda-feira

A segunda-feira ficou marcada por dados que apontam para uma desaceleração na economia chinesa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies