Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-09-09T18:14:32-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Volatilidade em alta

Tesouro Direto: negociação de títulos públicos é paralisada devido à disparada dos juros

Suspensão da negociação de alguns títulos ocorre quando a volatilidade nos mercados secundário e de juros futuros se eleva

9 de setembro de 2021
16:39 - atualizado às 18:14
Aplicativo do Tesouro Direto
Aplicativo do Tesouro Direto. - Imagem: Shuttertstock

O Tesouro Direto teve as suas negociações paralisadas na tarde desta quinta-feira (09) devido à disparada dos juros futuros, após a divulgação de uma inflação em agosto mais alta do que o esperado.

Foram suspensas a compra e a venda dos títulos públicos prefixados (Tesouro Prefixado com e sem juros semestrais, também chamados de NTN-F e LTN) e dos títulos públicos indexados à inflação (Tesouro IPCA+ com e sem juros semestrais, também chamados de NTN-B e NTN-B Principal).

Assim, durante uma parte da tarde, só era possível negociar os títulos Tesouro Selic (LFT), indexados à taxa básica de juros.

Perto das 17h, as negociações de todos os títulos voltaram ao normal, apenas para serem suspensas de novo instantes depois, após o presidente Jair Bolsonaro ter emitido uma nota moderando o seu discurso e apoiando as instituições democráticas, o que deixou os mercados mais otimistas. Afinal, o tom belicoso que o presidente vinha adotando contra os demais Poderes da República também vinha pesando sobre os juros futuros.

Perto do horário do fechamento do mercado, às 18h, a plataforma novamente retomou a negociação de todos os títulos.

Medida de segurança

O Tesouro Nacional paralisa a negociação dos títulos prefixados e atrelados à inflação sempre que o mercado secundário de títulos públicos, onde operam os grandes investidores institucionais, é acometido por forte volatilidade de preços e taxas.

Em geral, isso acontece quando os juros no mercado futuro disparam, o que acaba resultando numa derrubada dos preços dos títulos que têm parte ou toda a sua remuneração prefixada, isto é, definida no ato do investimento. Conforme as regras de precificação desses títulos, quando os juros sobem, sua remuneração também sobe, mas seus preços de mercado recuam, e vice-versa.

Como o Tesouro Direto só atualiza seus preços e taxas três vezes ao dia, a paralisação desta plataforma, voltada para as pessoas físicas, visa a proteger o pequeno investidor de acabar negociando títulos a preços e taxas muito diferentes daqueles que estão sendo praticados no mercado secundário, quando o sobe e desce está muito intenso.

Durante a crise do coronavírus nos mercados em março de 2020, foram vários os casos de suspensão do Tesouro Direto devido à forte volatilidade dos juros.

A rentabilidade dos títulos públicos é garantida para quem os carrega até o vencimento; mas quem os vende antes do fim do prazo deve negociá-los pelo preço de mercado praticado no dia, o que pode acarretar em ganhos ou perdas, pois o título pode ter se valorizado ou não.

A remuneração dos títulos prefixados e atrelados à inflação tem avançado nos últimos tempos, com o aumento do risco fiscal e da expectativa para a taxa Selic. Em prazos mais longos, os prefixados já voltaram a pagar juros de dois dígitos.

Hoje, o título prefixado mais longo chegou a oferecer remuneração de 11,13% ao ano, enquanto o Tesouro IPCA+ mais longo chegou a pagar quase 5% ao ano acima da inflação.

Após o mercado reagir positivamente à fala de Bolsonaro, o juro do prefixado mais longo, com vencimento em 2031, recuou para 10,92%, e o do Tesouro IPCA+ mais longo, com vencimento em 2055, caiu para 4,84% + IPCA.

Surpresa no IPCA

Nesta quinta, os juros futuros dispararam com a divulgação do IPCA de agosto, que foi de 0,87%, bem acima da mediana das expectativas do mercado, que era de 0,71%. Nos últimos 12 meses, o índice já acumula alta de 9,68%, muito acima da meta de 3,75% para este ano.

Com o aumento da inflação acima do esperado, o mercado agora recalibra suas perspectivas para inflação e taxa Selic, a qual já está em um ciclo de alta, jogando os juros futuros lá para cima. Veja como fecharam os principais vencimentos dos contratos futuros de DIs hoje:

  • Janeiro de 2022: de 6,983% para 7,40%
  • Janeiro de 2023: de 8,796% para 9,245%
  • Janeiro de 2025: de 10,066% para 10,27%
  • Janeiro de 2027: de 10,544% para 10,72%

Após a nota conciliadora do presidente Bolsonaro, porém, os juros futuros passaram por um movimento de alívio na sessão de negociação estendida.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Crise dos chips

Sem carro zero no mercado, preço de usados sobe até 20% e vendas disparam – carro usado chega a custar mais que um novo

Mercado enfrenta escassez de semicondutores, demanda alta por veículos e prazos longos para a entrega

sem escassez

Fábrica da Tesla em Xangai deve terminar setembro com 300 mil carros produzidos em 2021

Marca será atingida mesmo em meio a uma escassez global de semicondutores, disseram duas fontes da montadora à Reuters

Fim da pandemia

CEO da Pfizer prevê que voltaremos à vida normal dentro de um ano, mesmo com novas variantes do coronavírus

Albert Bourla acredita que vacinação contra a covid-19 se tornarão anuais, para cobrir novas variantes, e que vacinas durarão um ano

ainda não acabou

Controladores da Alliar (AALR3) contratam XP para vender o negócio, diz jornal

Empresa de diagnósticos foi alvo, recentemente, de disputa pelo controle pela Rede D’Or e fundos ligados ao empresário Nelson Tanure

Mais recursos

Democratas aprovam pacote de US$ 3,5 tri no Comitê de Orçamento da Câmara dos EUA

Recursos serão destinados à rede de segurança social e programas relacionados a mudanças climáticas. Obtenção de quase unanimidade para aprovação no Congresso é desafio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies