Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-08-16T14:51:33-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Títulos públicos

A renda fixa vive: Tesouro Direto volta a oferecer retornos acima de 10% ao ano

O investidor que comprar hoje o título do governo prefixado (remuneração fixa) com vencimento em 2031 leva para casa uma rentabilidade de 10,43% ao ano — bruta de impostos e taxas

16 de agosto de 2021
14:51
Aplicativo do Tesouro Direto
Aplicativo do Tesouro Direto. - Imagem: Shuttertstock

Saudades dos rendimentos da época das taxas de juros de dois dígitos? Pois seus problemas acabaram. Desde a semana passada já é possível aplicar com retorno acima de 10% ao ano, e ainda por cima no Tesouro Direto, o investimento mais seguro do mercado.

O investidor que comprar hoje o título do governo prefixado (remuneração fixa) com vencimento em 2031 leva para casa uma rentabilidade de 10,43% ao ano — bruta de impostos e taxas. No caso específico desse papel, os juros são pagos a cada semestre na conta do investidor.

O Tesouro Direto conta ainda com dois títulos prefixados que pagam tanto os juros como o valor investido apenas no vencimento, o que traz a vantagem de ampliar a rentabilidade ao longo do tempo. O papel com vencimento em 2024 rende hoje 9,36% e o que vence em 2026 traz juros de 9,75% ao ano.

Tesouro Direto (mas garantido só no vencimento)

Como eu disse logo no começo desta matéria, o investimento no Tesouro Direto é considerado o mais seguro do mercado. Ou seja, a chance de um calote é mínima, já que, no limite, o governo pode imprimir dinheiro para pagar os credores.

O problema é que a rentabilidade dos títulos do Tesouro Direto é garantida apenas no vencimento. Ou seja, se você precisar do dinheiro antes do prazo terá de vender na taxa negociada pelo mercado no momento. Esse fenômeno é conhecido como marcação a mercado.

Se no momento da venda os papéis estiverem com uma taxa mais alta do que a sua, você estará sujeito a uma perda de capital. É exatamente o que vem acontecendo neste momento. As taxas dos títulos do Tesouro vêm subindo diante do aumento dos riscos fiscais e da inflação, que têm levado o Banco Central a elevar os juros. Veja abaixo o comportamento recente do Tesouro prefixado 2031:

Mas se o BC conseguir conter a alta dos preços e a ameaça fiscal for contida, as taxas dos papéis do governo podem voltar a cair no mercado. Nesse caso, se as taxas dos títulos estiverem mais baixas do que no momento da compra, você tem um ganho de capital, mais ou menos como uma ação que se valoriza.

Leia também:

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

MERCADOS HOJE

Evergrande injeta temor no mercado global e bolsas têm dia de fortes perdas; Ibovespa fecha no menor nível desde novembro

Temor de que os problemas da incorporadora chinesa gerem uma reação em cadeia no mercado global afundou as bolsas nesta segunda-feira (20)

Ruído político

Congresso não participou de debate sobre aumento no IOF, revela presidente da Câmara

Arthur Lira também declarou que quer avançar com a reforma administrativa e uma solução para a questão dos precatórios ainda nesta semana

Na onda do minério

Mercado Livre (MELI34) ultrapassa Vale (VALE3) e se torna a empresa mais valiosa da América Latina

A gigante de comércio eletrônico argentina conquistou o posto após a mineradora brasileira perder R$ 43,6 bilhões em valor de mercado na última semana

Vídeos

Investir em IPOs vale a pena? Saiba as causas dessa febre do mercado

O ano de 2021 está mostrando a força do setor dos IPOs. São diversas empresas que abriram seu capital e fizeram sua oferta primária. Matheus Spiess, analista da Empiricus, explica neste vídeo sobre este cenário. Confira

desaceleração a caminho

Renda fixa: Por que a Evergrande derruba o Ibovespa, mas alivia o mercado de juros

Desempenho é oposto ao que se poderia esperar quando há pânico no mercado, diz especialista; contratos DIs para janeiro de 2022 caem de 7,09% para 7,08%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies