Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-10-28T06:50:55-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
NA DÚVIDA, ADIA

No restabelecimento da presença obrigatória em Brasília, governo fica sem quorum e retira PEC dos Precatórios

Nova tentativa de votação é esperada para hoje, mas o temor de que não haja deputados em quantidade suficiente para a aprovação persiste

28 de outubro de 2021
6:36 - atualizado às 6:50
Câmara dos Deputados PEC dos Precatórios
Imagem: Agência Brasil

Desde a chegada da pandemia ao Brasil, em março do ano passado, as votações remotas tornaram-se a norma no Congresso Nacional.

Regras regimentais extraordinárias foram estabelecidas para que a Câmara dos Deputados e o Senado continuassem legislando.

Ontem, à medida que o afrouxamento das medidas de restrição se espalha pelo Brasil, deveria ocorrer a primeira sessão relevante de votação com presença obrigatória dos deputados em Brasília.

Bola cantada

Logo de cara, um grande desafio: a votação da Proposta de Emenda à Constituição dos Precatórios, que deve viabilizar o Auxílio Brasil.

Muitos dirão que nem é preciso ser muito esperto para imaginar o resultado, mas pode ser só intriga da oposição.

Diante da insegurança do governo com relação ao quorum para a votação da PEC, o deputado General Peternelli (PSL-SP) presidia a sessão quando anunciou que somente os debates serão realizados ontem à noite.

Como a ficha caiu

Requerimentos apresentados pela oposição e que integram o chamado “kit-obstrução” deixaram claro que o governo não teria quorum para aprovar a PEC.

Por se tratar de uma emenda à Constituição, é preciso de, no mínimo, 308 votos. Um dos requerimentos foi derrotado por 256 a 163 e outro por 253 a 174. O governo pretende dispor de, no mínimo, 490 deputados presentes no plenário para evitar uma derrota.

Nova tentativa será realizada hoje

O ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira, disse que trabalha para que a PEC seja votada hoje, presencialmente, no plenário da Câmara.

Entretanto, líderes ouvidos pelo Broadcast, no entanto, consideram remota a possibilidade de quorum elevado hoje.

As quintas-feiras costumam ser dias esvaziados no Congresso, já que muitos parlamentares retornam para suas bases nesse dia.

Retorno presencial

Esta é a primeira semana em que os deputados são obrigados a comparecer a Brasília desde março de 2020, quando teve início a pandemia de covid-19 e a Câmara adotou as votações remotas. Eles poderão votar no plenário, diretamente de seus gabinetes e por totens espalhados na Casa, mas terão de estar fisicamente no Congresso.

Mesmo com ameaça de corte de salários, muitos congressistas não retornaram a Brasília e, sem poder marcar presença a distância, desfalcaram o quórum necessário para que o texto fosse à votação com maior segurança de um placar favorável.

Na semana passada, Lira levou ao plenário a votação de uma PEC para fazer mudanças no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) e acabou sofrendo uma derrota, por 297 a 182 - faltaram, portanto, 11 votos, mesmo numa votação remota em que cada parlamentar poderia votar de casa e até em outro Estado.

Caso a votação da PEC dos precatórios fique para a semana que vem, o cenário é mais delicado, pois há feriado e o próprio presidente da Câmara e seu vice, Marcelo Ramos (PL-AM), devem viajar para a COP-26.

Ministro preocupado

Depois do fiasco, o ministro da Cidadania, João Roma, disse estar "bastante preocupado" com a demora na votação da PEC dos precatórios.

A proposta vai abrir espaço no Orçamento de 2022 para o Auxílio Brasil, programa social que substituirá o Bolsa Família e deve pagar ao menos R$ 400 até dezembro do ano que vem.

Segundo Roma, seria "muito importante" que a PEC fosse aprovada "ainda no início de novembro" na Câmara e no Senado para viabilizar a operação do pagamento até o fim do ano, sem esbarrar na proibição de aumento de despesas sociais em ano eleitoral.

"Não há mais tempo hábil", alertou Roma antes de uma reunião com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

Em contrapartida, o ministro da Cidadania celebrou a sinalização do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), de que pode levar a PEC direto ao plenário após sua aprovação na Câmara. Roma disse que esteve em reunião na residência de Pacheco para tratar da tramitação da PEC.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Bitcoin (BTC) hoje

Bitcoin e ethereum despencam hoje, e principal criptomoeda do mundo se afunda ainda mais no ‘bear market’

Após uma semana que terminou com ganhos, as duas maiores moedas digitais do mercado sofreram na virada de sexta-feira para sábado

Trabalhadores em falta

Como a falta de bebês na China pode provocar uma crise financeira global

A população da China vem recuando desde 2010, e, com as taxas de natalidade nos menores níveis em 80 anos, o cenário ameaça todo o planeta

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

IPO do Nubank, como driblar os impostos e onde investir o 13º salário: confira os destaques da semana

Nada é pior para um ansioso do que a incerteza. E o mercado, ultimamente, vem sendo marcado por uma forte onda de incertezas, vindas de todos os lados. Os preços dos ativos respondem a isso com volatilidade, e não há muito o que fazer a não ser manter a calma, focar nos fundamentos e aguardar […]

Clube anti-cripto

China acertou ao banir o bitcoin? Braço direito de Warren Buffett diz que as criptomoedas nunca deveriam ter sido inventadas

A aversão de Charlie Munger pelo bitcoin cresceu ainda mais durante a pandemia; para o bilionário, o criptoativo é “repugnante”

COMEÇAR TUDO DE NOVO

‘Um dos textos mais horríveis que já tramitaram’: relator da reforma do Imposto de Renda defende arquivamento da proposta

Angelo Coronel (PSD-BA) defende a criação de um novo texto para votação no Senado após ampla discussão com os setores que mais pagam impostos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies