⚽️ Brasil e Portugal jogam para se evitar nas oitavas-de-final; veja os jogos de hoje na Copa do Mundo

Cotações por TradingView
2021-03-24T21:06:39-03:00
Estadão Conteúdo
prioridade

Nenhum tema é mais prioritário que pandemia, nem reformas ou privatizações, diz presidente da Câmara

Lira disse que esse “esforço concentrado” é o melhor remédio político que a Casa poderá aplicar em um momento de angústia do povo

24 de março de 2021
21:05 - atualizado às 21:06
Arthur Lira, presidente da Câmara dos Deputados
Arthur Lira, presidente da Câmara dos Deputados - Imagem: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados Fonte: Agência Câmara de Notícias

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), disse nesta quarta-feira, 24, que os deputados vão priorizar apenas projetos relacionados ao combate à pandemia do novo coronavírus e que removam obstáculos "políticos, legais e regulatórios" para a acelerar a compra de vacinas nas próximas duas semanas.

Lira disse que esse "esforço concentrado" é o melhor remédio político que a Casa poderá aplicar em um momento de angústia do povo. Hoje, o País atingiu a marca de 300 mil mortes relacionadas à covid-19. Ele descartou a abertura de Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs) ou "lockdowns parlamentares", e disse que "não é hora de tensionamentos".

"Alerto que, dentre todas as mazelas brasileiras, nenhuma é mais importante do que a pandemia. Esta não é a casa da privatização, não é a casa das reformas, não é nem mesmo a casa das leis. É a casa do povo brasileiro. E quando o povo brasileiro está sob risco nenhum outro tema ou pauta é mais prioritário", disse.

Lira disse que priorizar projetos de combate à pandemia é o melhor remédio político possível que a Casa poderá aplicar neste momento. Segundo ele, será um "freio de arrumação" até que todas as medidas necessárias sejam adotadas. Para ele, é hora de deixar de lado "diferenças ideológicas".

"Falo de adotarmos uma espécie de esforço concentrado para a pandemia, durante duas semanas, em que os demais temas da pauta legislativa sofreriam uma pausa para dar lugar ao único que importa: como salvar vidas, como obter vacinas, quais os obstáculos políticos, legais e regulatórios precisam ser retirados para que nosso povo possa obter a maior quantidade de vacinas, no menor prazo de tempo possível", acrescentou.

Lira fez as declarações depois de uma reunião, durante a manhã, com o presidente Jair Bolsonaro, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, o procurador-geral da República, Augusto Aras, e governadores aliados, numa tentativa de união em torno do combate à pandemia.

"Como presidente da Câmara dos Deputados, quero deixar claro que não ficaremos alienados aqui, votando matérias teóricas como se o mundo real fosse apenas algo que existisse no noticiário", disse.

Sem 'fulanizar'

Sem citar o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, Lira disse que o País precisa ter boas relações com a China, de quem depende de insumos para fabricar imunizantes. Também disse que os esforços do País na área ambiental precisam ser reconhecidos pelos Estados Unidos e pelo mundo. Ele tampouco citou o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Lira evitou fazer críticas ao presidente Jair Bolsonaro, que defende medicamentos sem eficácia comprovada contra a covid-19, e aos governadores, que têm adotado medidas de isolamento social e toque de recolher para conter a pandemia.

"Então, essa mudança de atitude em relação à pandemia, quero crer, é a semente de algo muito maior, muito mais necessário e, diria, urgente e inadiável: será preciso evoluir, dar um salto para a frente, libertamos as amarras que nos prendem a condicionamentos que não funcionam mais, que nos escravizam a condicionamentos que já se esgotaram", afirmou.

"Vivemos nestes dias o pior do pior, as horas mais dolorosas da maior desgraça humanitária que se abateu sobre nosso povo. E quero dizer a todos que estou sensível ao desespero dos brasileiros e à angústia de Vossas Excelências, que nada mais fazem do que traduzir o terror que testemunham em suas bases, em suas comunidades."

Lira disse que não queria "fulanizar" a crise. "Também não é justo descarregar toda a culpa de tudo no governo federal ou no presidente. Precisamos, primeiro, de forma bem intencionada e de alma leve, abrir nossos corações e buscar a união de todos, tentar que o coletivo se imponha sobre os indivíduos", afirmou.

"É nesse esforço solidário e genuíno que estarei engajado, junto com os demais poderes. Mas será preciso que essa capacidade de ouvir tenha como contrapartida a flexibilidade de ceder. Sem esse exercício, a ser praticado por todos, esse esforço não produzirá os resultados necessários."

Lira disse que o sistema de saúde é tripartite e depende de esforço da União, Estados e municípios, evitando criticar autoridades. "Como sabemos, o sistema de saúde é tripartite. Mas, também sabemos, a política é cruel e a busca por culpados - sobretudo em momentos de desolação coletiva - é um terreno fértil para a produção de linchamentos. Por isso mesmo, todos têm de estar mais alertas do que nunca, pois a dramaticidade do momento exige", afirmou.

"A razão não está de um lado só, com certeza. Os erros não estão de um lado só, sem dúvida. Mas, acima de tudo, os que têm mais responsabilidade tem maior obrigação de errar menos, de se corrigir mais rapidamente e de acertar cada vez mais. É isso ou o colapso."

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

DE OLHO NAS REDES

Elon Musk quer curar a cegueira e fazer tetraplégicos andarem com um chip cerebral: testes em humanos já têm prazo — e o próprio bilionário deve ser a cobaia

2 de dezembro de 2022 - 11:14

O bilionário deu prazo de seis meses para os testes em humanos de seu chip cerebral começarem

COISA DE CINEMA

O crime perfeito: ataque hacker em criptomoedas leva a roubo de US$ 5 milhões, faz token ‘desaparecer’ e Binance a suspender negociações

2 de dezembro de 2022 - 10:52

Uma falha no protocolo Ankr (ANKR) permitiu a “emissão infinita” de tokens e fez uma criptomoeda da rede Binance Smart Chain despencar a quase zero

JCP

Itaúsa (ITSA4) vai pagar juros sobre capital próprio — saiba datas dos pagamentos e valores

2 de dezembro de 2022 - 10:42

Em evento realizado na quinta-feira (1), executivo da Itaúsa (ITSA4) falou sobre a possibilidade de voltar a pagar dividendos históricos

É REPRISE?

Elon Musk bane conta de Kanye West no Twitter outra vez — e o rapper Ye também não terá mais uma rede social para chamar de sua

2 de dezembro de 2022 - 10:38

Segundo o chefe do Twitter, a mais nova publicação problemática do cantor quebrou as regras da plataforma de mídia social sobre “incitação à violência”

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Sextou com Copa: As ‘zebras’ da B3, um ano de Nubank na bolsa, dividendos da Vale e outras notícias que mexem com o seu bolso

2 de dezembro de 2022 - 8:26

As zebras estão à solta nos gramados do Catar — e o Ruy Hungria explica por que apostar no favorito raramente vale a pena, seja na Copa do Mundo ou na bolsa de valores

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies