Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-08-27T15:21:49-03:00
Letícia Flávia Pinheiro
Letícia Flávia Pinheiro
É repórter do Seu Dinheiro. Jornalista em formação pela Universidade de São Paulo, trabalhou com jornalismo cultural, assessoria de imprensa e marketing na Jornalismo Júnior (ECA - USP) e com produção de conteúdo na Agência Estufa.
Podcast MESA pra Quatro

“Não me arrependo de nada. Só não posso dar conselhos financeiros para ninguém”, diz Bob Wolfenson, o fotógrafo das celebridades entrevistado no 7º episódio do Mesa pra Quatro

Em em conversa para o podcast Mesa pra Quatro, Dan Stulbach, Teco Medina e Caio Mesquita, conversam sobre dinheiro e carreira com Bob Wolfenson, ícone da fotografia brasileira

31 de julho de 2021
12:00 - atualizado às 15:21
pasted image 0 (7)
Imagem: Paulo Freitas

No último episódio do podcast Mesa pra Quatro, o ator Dan Stulbach, o consultor financeiro Teco Medina e o CEO da Empiricus Caio Mesquita se reúnem para conversar sobre finanças, apertos e experiências com Bob Wolfenson, um dos fotógrafos mais aclamados do país.

Wolfenson é uma das referências nacionais como retratista, fotógrafo de nus e de moda, e completa 50 anos de carreira em 2021. Ele já trabalhou para veículos como Folha de S. Paulo, Elle, Vogue e até mesmo Playboy. 

Durante o podcast, o fotógrafo conta um pouco de sua história: como decidiu embarcar nessa profissão, quais foram os principais desafios da sua jornada, o que foi necessário para alcançar o sucesso e histórias engraçadas dos bastidores da fotografia. Dê o play abaixo para escutar na íntegra: 

Ser fotógrafo... Mas você vai viver de que? 

Bob Wolfenson, um dos maiores fotógrafos do Brasil, conta que não escolheu a profissão por amor, mas sim, por necessidade. A história é a seguinte: tudo começou quando o pai dele morreu. Na época, o menino tinha apenas 15 anos, e diante da situação, precisou trabalhar. 

O primeiro emprego que arrumou foi em um estúdio fotográfico, na Editora Abril. “A fotografia como vocação só surgiu para mim depois de uns dez anos já trabalhando com aquilo”, explica. 

Wolfenson até chegou a cursar ciências sociais na USP, mas largou depois de quatro anos para se dedicar exclusivamente à fotografia. 

“Ser fotógrafo é uma profissão muito alternativa. Consegui sobreviver muito bem até hoje, sempre com meu trabalho. Não tive herança, não tive nada. Apenas uma boa formação, que meus pais insistiram em me dar”, diz Bob Wolfenson

Hoje, o fotógrafo transita entre seus projetos artísticos e a publicidade, e confessa que não conseguiria se sustentar sem seus trabalhos comerciais. “Eu, pessoalmente, não sobreviveria sem a fotografia comercial. Mas Sebastião Salgado vive apenas da fotografia artística, por exemplo”. 

O que levou o fotógrafo a conquistar seu patrimônio? 

Célebre retrato de Caetano Veloso feito por Bob Wolfenson

O ponto de virada da carreira de Wolfenson foi quando ele arriscou ir para Nova York com o objetivo de ganhar experiência. Pouco tempo depois de chegar na Big Apple, Bob mandou cartas para os cinco maiores fotógrafos americanos, na cara e na coragem. Um deles - Bill King - o chamou para ser seu assistente em um dos mais famosos estúdios de fotografia da cidade, repleto de célebres artistas. 

Quando cheguei lá, eu não era ninguém. E fui humilde, porque tinha que aprender não só fotografia, mas também “how to run the business'' (como tocar o negócio, em tradução livre). Foi uma experiência muito rica que mudou minha vida”, conta Bob Wolfenson no episódio do Mesa pra Quatro

Ao voltar para o Brasil, Bob foi reconhecido pelo seu trabalho e, de certa forma, ganhou os holofotes para a fotografia de celebridades no Brasil. A partir daí, ele foi conquistando seu patrimônio, sem se planejar muito. 

Por exemplo, Bob começou a construir uma casa mesmo sem ter o dinheiro necessário para aquilo. A estratégia? Foi trabalhando para poder pagar. “Meu método era trabalhar para conseguir realizar as coisas que eu queria”, conta. 

Durante o podcast, ele conta que usou boa parte do seu dinheiro para comprar imóveis. E essa decisão não partiu de uma visão de investindo, mas sim por vontade e utilidade. Hoje, ele faria se planejaria melhor em suas decisões.

“Não me arrependo de nada. Só não posso dar conselhos financeiros para ninguém”, brinca Bob. 

Quer saber mais? No Mesa pra Quatro, Bob conta como era trabalhar na Playboy, histórias de leilões e onde está o dinheiro no mundo da arte. Recomendo escutar. Para ouvir o podcast na íntegra, basta clicar aqui ou apertar o play abaixo: 

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

seu dinheiro na sua noite

Costurando uma saída

Não faz muito tempo que usei este mesmo espaço para lembrá-lo de como o mercado não gosta de incertezas e a falta de uma leitura clara sobre o futuro acaba prejudicando os negócios na B3. O dia de hoje veio para provar que, mesmo em meio às incertezas, ter uma noção mais clara do caminho que […]

carreira e diversidade

Magazine Luiza abre inscrições para 2º programa de trainees exclusivo para pessoas negras

Programa aceita candidatos formados entre dezembro de 2018 e dezembro de 2021, em qualquer curso superior; fluência em língua inglesa e experiência profissional não fazem parte dos pré-requisitos

pós-brumadinho

Vale (VALE3) muda alto escalão e tenta reforçar discurso ESG

Luciano Siani Pires, que desde 2012 ocupa posição de vice-presidente finanças e RI, assumirá a vice-presidência de estratégia e transformação de negócios, cargo criado em março pela mineradora

Troca de comando

Gustavo Raposo renuncia ao cargo de presidente da Transpetro, subsidiária da Petrobras (PETR4); sucessor já foi escolhido

Com a saída de Raposo, o conselho da empresa deverá deliberar sobre a nomeação do atual diretor de Serviços para o comando

atenção, acionista

Dividendos: WEG (WEGE3) paga R$ 86,8 milhões em juros sobre capital próprio

Valor líquido é de R$ 0,017 por ação; terão direito aos proventos acionistas na base em 24 de setembro, segundo a companhia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies