Menu
2021-02-24T19:10:44-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
olha a queridinha da bolsa

Weg não cansa de surpreender e registra alta de 48,3% do lucro no 4º tri

Continuidade na melhora da atividade econômica, em especial no Brasil, manteve elevada a demanda por produtos

24 de fevereiro de 2021
8:56 - atualizado às 19:10
Fábrica da Weg em Santa Catarina
Fábrica da Weg em Santa Catarina. - Imagem: Jonne Roriz/Estadão Conteúdo

A Weg (WEGE3) justificou novamente no quarto trimestre a alcunha de “empresa à prova de crise”, ao reportar resultados acima do consenso do mercado, puxados principalmente pela demanda do mercado interno e colhendo os frutos dos esforços de controle de custos e eficiência operacional.

A companhia de Jaraguá do Sul, no interior de Santa Catarina, especializada em motores e equipamentos para o setor elétrico, fechou os últimos três meses de 2020 com um lucro líquido de R$ 742,2 milhões, um aumento de 48,3% em relação ao mesmo período de 2019.

O resultado superou a média das estimativas dos analistas que acompanham a empresa coletadas pela Bloomberg, de R$ 539 milhões. No acumulado de 2020, a Weg registrou lucro líquido de R$ 2,3 bilhões, alta de 45%.

O resultado, junto com a notícia de que o conselho de administração aprovou uma proposta de desdobramento das ações, impulsionou os papéis no pregão desta quarta-feira (24), que fecharam em alta de 3,63%, a R$ 86,70.

Demanda aquecida

A Weg informou que a retomada da atividade econômica do país observada desde o terceiro trimestre manteve elevada a demanda pelos seus produtos, contribuindo para a melhora em áreas de negócios como motores comerciais e appliance e tintas e vernizes, divisões com predominância de equipamentos de ciclo curto.

O ciclo curto também se destacou no mercado externo. A recuperação deste segmento continua lenta, mas em ritmo constante desde o final do segundo trimestre.

No caso das áreas ligadas a ciclo longo, as divisões de equipamentos eletroeletrônicos industriais e geração, transmissão e distribuição de energia (GTD) também apresentaram boa evolução no Brasil em relação ao trimestre passado, especialmente com equipamentos para áreas como papel & celulose, mineração, óleo & gás e geração e transmissão de energia.  

Já no mercado externo, a Weg ainda enfrentou volatilidade, principalmente na área de equipamentos eletroeletrônicos industriais, o que acabou reduzindo o ritmo de crescimento, resultando na queda da receita consolidada em moedas locais.

Foi nestas circunstâncias que a Weg fechou o quarto trimestre com um aumento de 29,4% da receita operacional líquida, em base anual, a R$ 4,9 bilhões. O consenso dos analistas era de R$ 4,7 bilhões. A receita do mercado externo, medida em dólares, apresentou queda de 5,5%.

Ebitda e caixa

A Weg fechou o quarto trimestre com um lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) de R$ 981 milhões, alta de 47,2% em base anual, com a margem indo de 17,6% para 20,1%. A expectativa era de um Ebitda de R$ 771 milhões no quarto trimestre.

Segundo a companhia, o desempenho é “reflexo da racionalização de custos e de despesas”, junto com “a melhora da margem nas operações de ciclo longo e em algumas operações importantes no exterior”.

As despesas de vendas, gerais e administrativas totalizaram R$ 589,4 milhões, aumento de 19,1%, mas a empresa destacou que, em relação à receita, elas representaram 12,1%, 1,0 ponto percentual menor em relação ao quarto trimestre de 2019.

Já os custos subiram 25,1%, para R$ 3,3 bilhões, diante da retomada das operações. Mas a margem bruta melhorou, subindo de 30,3% para 32,6%.

Ela divulgou ainda que fechou 2020 com uma geração de caixa nas atividades operacionais de R$ 3,9 bilhões, avanço de 106%, diante do crescimento do resultado operacional e a menor necessidade de capital de giro.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

seu dinheiro na sua noite

No mundo corporativo, quem não diversifica, se trumbica

De uns tempos para cá, uma antiga fala de Warren Buffett tem pipocado nas minhas redes. Nela, o megainvestidor diz que “diversificação não faz sentido para quem sabe o que está fazendo” — e ele, naturalmente, se coloca como um sábio. Longe de mim querer contrariar o oráculo do mercado financeiro, mas é preciso tomar […]

nos ares

Boeing realiza 1º voo do maior avião da família 737 MAX e inicia fase de testes

Empresa vem trabalhando para superar acidentes aéreos envolvendo a família de aviões 737 MAX. No Brasil, a Gol tem um pedido firme do 737-10

pix questionado

Procon-SP notifica bancos por brechas exploradas por ladrões de celulares

São requisitados esclarecimentos sobre dispositivos de segurança, bloqueio, exclusão de dados de forma remota e rastreamento de operações financeiras disponibilizados aos clientes vítimas de furto ou roubo

FECHAMENTO DA SEMANA

Juros futuros são grandes protagonistas da semana e ainda prometem mais emoção; dólar recua 1% e bolsa fica no vermelho

Com Copom duro e a sinalização de uma possível elevação nas taxas de juros nos EUA, os principais contratos de DI dispararam. Na semana, o dólar recuou com o forte fluxo estrangeiro e a bolsa seguiu o ritmo das commodities (mais uma vez)

Calendário completo

Banco Central: veja as datas das reuniões do Copom em 2022

O Copom é o órgão do BC responsável por definir, a cada 45 dias, a taxa básica de juros da economia brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies