Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-01-21T09:08:01-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
ESG

Vale começa a dar primeiros passos para sair do negócio de carvão

Mineradora assina acordo para adquirir participação da Mitsui em projeto em Moçambique, para depois vender ativos a outro interessado

21 de janeiro de 2021
7:21 - atualizado às 9:08
Estagiários da Vale
Estagiários da Vale - Imagem: Divulgação/Vale

A Vale (VALE3) anunciou na noite de quarta-feira (20) o primeiro passo de sua estratégia para sair do segmento de mineração de carvão – o fechamento de um acordo para comprar a participação da companhia japonesa Mitsui em ativos de carvão em Moçambique.

Por mais contrassenso que possa parecer, o acordo prevê que a Vale adquira a participação de 15% da Mitsui na mina de Moatize, em Moçambique, e os 50% que ela tem no Corredor Logístico de Nacala (CLN), uma estrada de ferro de 912 quilômetros que liga o complexo ao mar, passando pelo Malauí.

A expectativa é que a saída da Mitsui possa ser concluída durante este ano. Para isso, a Vale vai pagar US$ 1,00 pela participação da companhia japonesa nos ativos de mina e logística.

Gastos com a operação

Após o fechamento da transação, a Vale vai consolidar as diversas entidades que compõem a CLN, incluindo o chamado Project Finance do corredor, que tem cerca de US$ 2,5 bilhões de saldo remanescente. O Project Finance é uma modalidade de estruturação financeira para a realização de projetos em que a fonte de receita para o pagamento da dívida de financiamento vem do fluxo de caixa gerado pela sua própria operação.

Esta consolidação implicará aproximadamente US$ 300 milhões por ano em despesas operacionais na mina de Moatize, associadas à tarifa do CLN, que atualmente impactam o resultado antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) de seu negócio de carvão.

Mas a companhia informou que o futuro refinanciamento do Project Finance e a simplificação da estrutura levarão a uma economia anual estimada de aproximadamente US$ 25 milhões.

Além disso, a Vale vai colocar em prática iniciativas para melhorar as operações de carvão em Moçambique. Uma delas é a revitalização de duas plantas de processamento, visando alcançar um ritmo de produção de 15 milhões de toneladas por ano no segundo semestre deste ano e 18 milhões de toneladas anuais em 2022.

E tudo isso será feito para vender estes dois projetos, no qual dedicou esforços ao longo dos últimos 15 anos.

“Com o acordo para a aquisição das participações da Mitsui e, consequentemente, a simplificação da governança e da gestão dos ativos, a Vale iniciará o processo de desinvestimento da sua participação no negócio de carvão, que será pautado na preservação da continuidade operacional de Moatize e do CLN, com a busca de um terceiro interessado nestes ativos”, diz trecho do comunicado.

Novo Pacto

Segundo a Vale, a saída do segmento de carvão está em linha com o pilar do plano estratégico chamado Novo Pacto com a Sociedade. Ele prevê impactar positivamente a sociedade para além do pagamento de impostos e projetos sociais.

A ideia é que a companhia seja uma facilitadora do desenvolvimento nas áreas em que atua, “promovendo uma indústria de mineração brasileira mais segura e sustentável”. Além disso, a empresa também pretende se tornar carbono neutra até 2050.

A assinatura do acordo com a Mitsui, ainda de acordo com a Vale, também está em linha com a estratégia de “disciplina na alocação de capital e a simplificação do portfólio”.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Clube do livro

Das tulipas ao bitcoin: conheça a história das crises financeiras de uma forma irreverente

O maior trunfo de “Crash”, de Alexandre Versignassi, é nos guiar pela história da economia mundial e brasileira traçando paralelos entre o passado e o presente

Ele está de volta?

Setores fazem pressão por volta do horário de verão

Criado com a finalidade de aproveitar o maior período de luz solar durante a época mais quente do ano, o horário de verão foi instituído no Brasil em 1931 pelo então presidente Getúlio Vargas e adotado em caráter permanente a partir de 2008.

MANOBRAS

Juiz põe no banco dos réus ex-gestores do banco Máxima por gestão fraudulenta

O Banco Máxima S.A. informa que seus atuais acionistas assumiram a administração do banco em 2018, após aprovação pelo Banco Central, e que os integrantes da antiga gestão não têm mais qualquer relação com a instituição financeira

Foguete? Tô fora!

Warren Buffet: o bilionário que não quer conhecer as estrelas

Enquanto Bezos, Musk e Branson protagonizam a nova corrida especial, o Oráculo de Omaha prefere apenas observar

O melhor do Seu Dinheiro

O seu momento Sherlock Holmes

Na adolescência, ouvia que quem buscasse por romance policial brasileiro deveria ler algo do Rubem Fonseca. Era uma vontade minha achar uma história desse gênero que fosse mais próxima da minha realidade — e o filtro nacionalidade me pareceu o mais adequado.  A ideia surgiu depois de ter conhecido parte das histórias criadas por Agatha […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies