Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-11-25T17:32:58-03:00
Larissa Vitória
Larissa Vitória
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pelo portal SpaceMoney e pelo departamento de imprensa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
NOVO PLANO ESTRATÉGICO

US$ 68 bilhões em investimentos e metas ESG: veja os planos da Petrobras (PETR4) para os próximos cinco anos

O montante previsto para os investimentos, especialmente na exploração e produção de petróleo e gás natural, cresceu 24% em relação ao plano anterior

24 de novembro de 2021
20:29 - atualizado às 17:32
Petrobras
Do montante total, 84% será destinado à exploração e produção de petróleo e gás natural. Imagem: Shutterstock

O conselho de administração da Petrobras (PETR4) aprovou nesta quarta-feira (24) o Plano Estratégico da estatal para os próximos cinco anos.

O documento, que contém as diretrizes e metas da petroleira entre 2022 e 2026, indica um aumento no volume de investimentos e na preocupação com as práticas ESG (Governança Ambiental, Social e Corporativa, da sigla em inglês).

“Ampliamos nossa previsão de investimentos para os próximos anos e fazemos isso com extrema responsabilidade e diligência na alocação dos recursos”, declara, em nota, Joaquim Silva e Luna, o presidente da companhia.

A estatal prevê US$ 68 bilhões em investimentos no período, valor 24% superior ao indicado no plano anterior. Do montante total, 84% serão destinados à exploração e produção de petróleo e gás natural.

Dentro da porcentagem, que equivale a US$ 57 bilhões, 67% serão voltados exclusivamente aos ativos do pré-sal. “Esta alocação está aderente ao foco estratégico da companhia, concentrando cada vez mais os seus recursos em ativos em águas profundas e ultraprofundas, onde tem demonstrado grande diferencial competitivo ao longo dos anos”, explica o documento.

A empresa espera que a produção do pré-sal represente 79% do total até 2026. A meta de produção global para 2022, incluindo petróleo e gás natural, é de 2,7 milhões de barris de óleo equivalente por dia.

Dívida bruta sob controle e desinvestimentos menores

A métrica de dívida bruta não está mais presente no plano estratégico. Isso porque a Petrobras já bateu antecipadamente a meta de US$ 60 bilhões durante o terceiro trimestre deste ano. 

Mas, mesmo sem a métrica, o controle da dívida bruta ainda é uma preocupação. Para seguir com “os incentivos para uma boa gestão da alavancagem”, a estatal espera manter o indicador abaixo dos US$ 65 bilhões no quinquênio.

A petroleira também indicou a manutenção da política de gestão ativa de portfólio, que inclui a venda de ativos. Segundo a empresa, a estratégia “contribuirá para melhorar a eficiência operacional, o retorno sobre o capital e a geração de caixa necessária para manter a dívida em patamar adequado”.

A expectativa de ganho com os desinvestimentos, no entanto, caiu e está agora entre US$ 15 bilhões e US$ 25 bilhões, contra os US$ 25 bilhões a US$ 35 bilhões estabelecidos no plano anterior.

Foco ESG

Além das metas tradicionais, a Petrobras também dedicou boa parte do documento para destacar suas iniciativas voltadas ao meio ambiente.

O CAPEX - sigla em inglês que indica o quanto do capital está comprometido com a aquisição de bens - do período reserva US$ 1,8 bilhão para projetos ligados à descarbonização das operações.

A petroleira quer reduzir as emissões absolutas operacionais totais em 25% até 2030, cortar em 50% a captação de água doce em suas operações até 2030 e manter um crescimento zero na geração de resíduos de processo até 2025.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Os investidores agora viraram virologistas: os impactos da Ômicron sobre os mercados

Ainda não sabemos o bastante para decidir se esta é uma oportunidade de compra, mas parecemos estar mais preparados como sociedade para enfrentar o problema

VAREJO DECEPCIONADO?

Black Friday supera prévias, mas vendas do fim de semana ainda ainda perdem para os números registrados em 2019

Segundo índice calculado pela Cielo, as vendas cresceram 6,9% em relação ao ano passado, mas foram 3,8% inferiores ao período pré-pandemia

Adeus ano velho

Ano novo, impostos novos! Reforma do IR fica para 2022, confirma presidente do Senado

O governo Bolsonaro pressionava pela aprovação da proposta para financiar o Auxílio Brasil, mas não conseguiu apoio na Casa

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Bitcoin e bolsa se recuperam após susto com nova variante, Azul e Latam sobem o tom e outros destaques do dia

Pouco se sabe ainda sobre a nova variante do coronavírus detectada na África do Sul, mas o que veio à público até agora é muito melhor do que o mercado financeiro precificou na última sexta-feira (26). Sem o pânico visto na semana passada, o Ibovespa encontrou forças para abrir a semana em alta.  Um estudo […]

Fechamento do dia

Mercado supera susto com ômicron, e bolsas globais engatam recuperação; Ibovespa sobe com menos força, de olho na PEC dos precatórios

Pesando os desafios fiscais brasileiros, o Ibovespa fechou longe das máximas, mas se recuperou parcialmente do tombo de sexta-feira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies