Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-12-16T10:12:09-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Operação bilionária

Martelo batido: a Petrobras (PETR3 e PETR4) vai vender sua fatia na Braskem (BRKM5) — mas com algumas condições

A Petrobras (PETR3 e PETR4) é dona de 38,3% da Braskem (BRKM5); com a recuperação das ações da petroquímica, a venda se tornou atrativa

16 de dezembro de 2021
9:33 - atualizado às 10:12
Vista da então nova unidade da Braskem Petroquímica, em Paulínia, São Paulo. Petrobras (PETR3 e PETR4) e Novonor são as principais acionistas da Braskem (BRKM5)
Imagem: Estadão Conteúdo/Alex Silva

Depois de muitas idas e vindas — e um sem-número de especulações no mercado —, a Petrobras (PETR3 e PETR4) finalmente definiu o modelo de venda de sua participação na Braskem (BRKM5): a estatal planeja uma oferta secundária de ações (o chamado 'follow-on') da petroquímica, de modo a se desfazer de até 100% de sua fatia. A operação, no entanto, depende de algumas condições.

Antes de mais nada, é importante ressaltar a importância dessa venda para a Petrobras. Atualmente, a empresa é dona de 36,15% do capital da Braskem, uma empresa cujo valor de mercado gira em torno de R$ 42,9 bilhões. Ou seja: teoricamente, essa fatia custa R$ 15,5 bilhões.

É claro que essa cifra ainda vai mudar, uma vez que a Petrobras pretende se desfazer de sua participação na Braskem via oferta de ações ao mercado — e, sendo assim, o preço dos papéis da petroquímica no momento da venda é o que irá definir o volume de dinheiro que entrará no cofre da estatal.

Mas, ora essas, é possível fazer algumas contas. Ao fim do terceiro trimestre, a Petrobras tinha uma dívida bruta de US$ 59,6 bilhões, e a fatia detida na Braskem, pela taxa de câmbio atual, valeria cerca de US$ 2,7 bilhões. Portanto, falamos de um alívio nada desprezível na dinâmica de endividamento da empresa — que, diga-se, já cumpriu as suas metas para a dívida bruta.

Feitas todas essas ponderações, vamos aos planos da Petrobras em si.

Petrobras (PETR3 e PETR4): as condições

Já faz tempo que a venda da participação na Braskem era ventilada pela Petrobras (PETR3 e PETR4), mas a queda brusca nas ações da petroquímica nos últimos anos, somada às dificuldades financeiras da outra grande acionista da empresa, a Novonor (a antiga Odebrecht), dificultava o processo.

Mas as duas sócias chegaram a um plano estratégico para destravar valor na Braskem e, com isso, viabilizar a venda. E o primeiro passo é a migração da Braskem para o Novo Mercado da B3, o nível mais elevado de governança da bolsa brasileira — cabe à petroquímica fazer os estudos necessários e tomar as medidas cabíveis para tal.

A partir daí, será necessária a assinatura de um novo acordo de acionistas entre Petrobras e Novonor, e esse documento atualizado já trará a informação de que as duas empresas pretendem se desfazer de suas posições na Braskem — a antiga Odebrecht é dona de 38,3% da petroquímica.

Como contrapartida à movimentação, a Petrobras promete uma colher de chá à Braskem: a companhia terá preferência no desenvolvimento de novos negócios do setor petroquímico que as atuais acionistas controladoras possam se envolver no futuro.

A fatia 'outros' diz respeito ao free float e aos acionistas cuja participação é inferior a 5%

Braskem (BRKM5): ações se recuperam

Após um período de forte turbulência em 2019 e 2020, as ações PNA da Braskem (BRKM5) passaram por uma recuperação bastante firme em 2021, retornando a patamares de preço próximos às máximas históricas — o que, naturalmente, representa um momento oportuno para que a Petrobras (PETR3 e PETR4) manifeste interesse em vender sua participação.

No fechamento da última quarta-feira (15), os papéis BRKM5 valiam R$ 55,78, acumulando ganhos de 167% desde o começo do ano — vale lembrar que o Ibovespa recua mais de 10% no mesmo período. O reaquecimento na demanda por produtos petroquímicos e uma série de desinvestimentos em ativos não-centrais ajudaram a dar força à empresa, tanto no lado operacional quanto no financeiro.

Essa reviravolta ocorre justamente após um período prolongado de baixa nos preços dos derivados do petróleo; além disso, a Braskem teve de lidar com problemas ambientais relacionados às operações de extração de sal-gema em Maceió, fechando acordos milionários com o governo de Alagoas para ressarcir os danos causados à infraestrutura de diversos bairros da capital do estado.

VEJA TAMBÉM: Ações da Vale (VALE3) têm potencial para subir forte; vale a pena investir?

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

MÚSICA NO FANTÁSTICO

Unilever recebe mais um não da Glaxo para oferta de US$ 68 bilhões por divisão que produz Advil; entenda o caso

Se fosse concretizado, o acordo seria o maior em termos globais desde o início da pandemia de covid-19

EFEITOS COLATERAIS

Ômicron e seus investimentos: variante do coronavírus terá efeitos distintos sobre empresas de saúde na bolsa; saiba quais são eles

Planos de saúde devem enfrentar um cenário menos favorável dado o aumento dos índices de sinistralidade e pressão sobre os custos

FOI DADA A LARGADA

Petrobras (PETR4) e Novonor iniciam oficialmente processo para vender participações na Braskem; veja quanto a operação bilionária pode levantar

O pedido de registro para a oferta pública secundária, que será realizada no Brasil e no exterior, foi publicado na madrugada deste sábado (15) na CVM

INCENTIVO À MUDANÇA

Meca das criptomoedas? Estado americano tenta atrair trabalhadores com pagamento em bitcoin (BTC)

Iniciativa acontece em meio a explosão de crescimento no setor de tecnologia, especificamente naquelas habilitadas para blockchain

HEY, BROTHERS!

BBB é ‘fábrica de milionários’: prêmio de R$ 1,5 milhão é fichinha perto da fortuna que ex-participantes constroem; veja como Juliette, Gil do Vigor e outros ficaram ricos após reality

A edição de 2022 do BBB começa na próxima segunda e pode conceder o título de milionário a mais pessoas; veja quem já conseguiu se consagrar com a participação na casa mais vigiada do Brasil

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies