🔴 AS BIG TECHS ESTÃO ‘SUGANDO’ DINHEIRO DA BOLSA BRASILEIRA? – VEJA COMO SE PROTEGER

Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Balanço acima do esperado

Na Petrobras (PETR3 e PETR4), nem o lucro de R$ 31,1 bilhões no 3º trimestre afasta a cautela dos investidores

A Petrobras (PETR4 e PETR3) superou a expectativa dos analistas e atingiu uma das metas de endividamento, mas a tensão política segue no ar

Victor Aguiar
Victor Aguiar
28 de outubro de 2021
20:10
Fachada de prédio da Petrobras (PETR3 e PETR4) | Dividendos
Fachada de prédio da Petrobras - Imagem: Shutterstock

Uma série de turbulências ronda a Petrobras (PETR3 e PETR4): das críticas em relação à política de preços às falas do governo quanto a uma eventual privatização no futuro, o contexto externo para a estatal é, no mínimo, conturbado. Mas, da porta para dentro, a empresa mostra que está tudo nos trinques — e o balanço do terceiro trimestre comprova o bom momento operacional e financeiro.

Veja a receita líquida da Petrobras: R$ 121,6 bilhões entre julho e setembro deste ano, alta de 72% em relação ao mesmo período do ano passado; a média das projeções de casas de análise consultadas pelo Seu Dinheiro apontava para uma receita menor, de R$ 116,8 bilhões.

O destaque, no entanto, fica com o lucro líquido de R$ 31,1 bilhões, quase 90% maior que o esperado pelo mercado — no terceiro trimestre de 2020, a Petrobras teve prejuízo de R$ 1,5 bilhão. O Ebitda de R$ 60,7 bilhões (+82% em um ano) ficou em linha com as estimativas.

É verdade que esse lucro reportado pela Petrobras teve alguns empurrõezinhos: houve uma reversão de provisões da ordem de R$ 16,4 bilhões, ligadas à revisão da curva de preços do petróleo em alguns campos — com a commodity mais cara, os ativos da estatal se valorizam. Ganhos tributários também turbinaram o resultado.

Mas, mesmo que esses efeitos não-recorrentes sejam excluídos do balanço, o lucro líquido da Petrobras ainda ficaria em R$ 17,4 bilhões, acima das expectativas dos analistas, de R$ 16,4 bilhões. Um sinal de que, de fato, a estatal trabalhou bem no trimestre.

Tanto é que a Petrobras conseguiu atingir uma de suas metas com mais de um ano de antecedência: com a receita líquida em alta e o fluxo de caixa de quase R$ 50 bilhões, ela fechou o trimestre com uma dívida bruta de US$ 59,6 bilhões; o objetivo era ficar abaixo de US$ 60 bilhões até o fim de 2022.

Considerando os resultados fortes e o anúncio de pagamento de mais R$ 31,8 bilhões em dividendos — ou R$ 2,44 por ação —, é de se imaginar que o mercado teria uma reação positiva ao balanço. No entanto, em meio às ameaças do presidente Jair Bolsonaro, que constantemente dá a entender que deseja interferir na política de preços da estatal, os investidores seguem com um pé atrás.

Tanto é que, no after market de Nova York, os ADRs da Petrobras (PBR) apenas exibiam uma ligeira alta de 0,19% às 19h40 (horário de Brasília), a US$ 10,58. O balanço, assim, apenas neutraliza o dano causado mais cedo pelas declarações de Bolsonaro.

Petrobras (PETR3/PETR4) e o preço do petróleo

Mas analisemos os resultados da Petrobras (PETR3 e PETR4). A dinâmica do balanço foi influenciada, em grande parte, por dois fatores: o preço do petróleo e a cotação do dólar.

Como todos sabem, a commodity tem passado por um movimento de valorização no exterior — em relação ao segundo trimestre, por exemplo, o Brent subiu 5% —, o que puxa para cima o preço dos produtos vendidos pela empresa. E é nesse contexto que a receita líquida saltou 72% em um ano, chegando a R$ 121,6 bilhões.

"A receita com derivados no mercado interno foi 18,1% superior ao segundo trimestre, com destaque para as vendas de diesel, gasolina e combustível de aviação", destaca a Petrobras. Vale ressaltar que essa alta no mercado doméstico foi capaz de ofuscar a queda nas exportações da estatal.

Por outro lado, a forte alta do dólar impactou fortemente o resultado financeiro da empresa. Ao longo do terceiro trimestre, as variações cambiais e monetárias trouxeram uma perda de R$ 20,4 bilhões à Petrobras — a valorização da moeda americana faz com que a parcela dolarizada da dívida fique maior ao ser convertida para reais.

Petrobras (PETR3/PETR4): eficiência nos custos

Mas, independente das dinâmicas externas, a Petrobras (PETR3 e PETR4) mostrou que segue perseguindo métricas operacionais eficientes. Os custos de exploração de petróleo na região do pré-sal — a especialidade da empresa — ficaram praticamente estáveis na comparação com o segundo trimestre e permaneceram abaixo da linha de US$ 3 por barril equivalente (boe).

Levando em conta a receita mais elevada e os custos operacionais sob controle, a Petrobras reportou um fluxo de caixa livre de R$ 47,2 bilhões — um dinheiro que foi usado pela estatal para antecipar o pagamento de dívidas e amortizar juros.

E, aqui, vem um detalhe importante do balanço: a Petrobras fechou o trimestre com uma dívida bruta de US$ 59,6 bilhões. Assim, a empresa cumpre uma de suas metas — a de atingir um endividamento bruto inferior a US$ 60 bilhões até o fim de 2022 — com mais de um ano de antecedência.

Em termos de dívida líquida, a Petrobras terminou o mês de setembro com US$ 48,1 bilhões, baixa de 9,6% em relação aos níveis vistos em junho; a alavancagem, medida pela relação entre endividamento líquido e Ebitda nos últimos 12 meses, recuou a 1,17 vez.

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar