Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-10-28T20:10:47-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Balanço acima do esperado

Na Petrobras (PETR3 e PETR4), nem o lucro de R$ 31,1 bilhões no 3º trimestre afasta a cautela dos investidores

A Petrobras (PETR4 e PETR3) superou a expectativa dos analistas e atingiu uma das metas de endividamento, mas a tensão política segue no ar

28 de outubro de 2021
20:10
Fachada de prédio da Petrobras (PETR3 e PETR4)
Imagem: Shutterstock

Uma série de turbulências ronda a Petrobras (PETR3 e PETR4): das críticas em relação à política de preços às falas do governo quanto a uma eventual privatização no futuro, o contexto externo para a estatal é, no mínimo, conturbado. Mas, da porta para dentro, a empresa mostra que está tudo nos trinques — e o balanço do terceiro trimestre comprova o bom momento operacional e financeiro.

Veja a receita líquida da Petrobras: R$ 121,6 bilhões entre julho e setembro deste ano, alta de 72% em relação ao mesmo período do ano passado; a média das projeções de casas de análise consultadas pelo Seu Dinheiro apontava para uma receita menor, de R$ 116,8 bilhões.

O destaque, no entanto, fica com o lucro líquido de R$ 31,1 bilhões, quase 90% maior que o esperado pelo mercado — no terceiro trimestre de 2020, a Petrobras teve prejuízo de R$ 1,5 bilhão. O Ebitda de R$ 60,7 bilhões (+82% em um ano) ficou em linha com as estimativas.

É verdade que esse lucro reportado pela Petrobras teve alguns empurrõezinhos: houve uma reversão de provisões da ordem de R$ 16,4 bilhões, ligadas à revisão da curva de preços do petróleo em alguns campos — com a commodity mais cara, os ativos da estatal se valorizam. Ganhos tributários também turbinaram o resultado.

Mas, mesmo que esses efeitos não-recorrentes sejam excluídos do balanço, o lucro líquido da Petrobras ainda ficaria em R$ 17,4 bilhões, acima das expectativas dos analistas, de R$ 16,4 bilhões. Um sinal de que, de fato, a estatal trabalhou bem no trimestre.

Tanto é que a Petrobras conseguiu atingir uma de suas metas com mais de um ano de antecedência: com a receita líquida em alta e o fluxo de caixa de quase R$ 50 bilhões, ela fechou o trimestre com uma dívida bruta de US$ 59,6 bilhões; o objetivo era ficar abaixo de US$ 60 bilhões até o fim de 2022.

Considerando os resultados fortes e o anúncio de pagamento de mais R$ 31,8 bilhões em dividendos — ou R$ 2,44 por ação —, é de se imaginar que o mercado teria uma reação positiva ao balanço. No entanto, em meio às ameaças do presidente Jair Bolsonaro, que constantemente dá a entender que deseja interferir na política de preços da estatal, os investidores seguem com um pé atrás.

Tanto é que, no after market de Nova York, os ADRs da Petrobras (PBR) apenas exibiam uma ligeira alta de 0,19% às 19h40 (horário de Brasília), a US$ 10,58. O balanço, assim, apenas neutraliza o dano causado mais cedo pelas declarações de Bolsonaro.

Petrobras (PETR3/PETR4) e o preço do petróleo

Mas analisemos os resultados da Petrobras (PETR3 e PETR4). A dinâmica do balanço foi influenciada, em grande parte, por dois fatores: o preço do petróleo e a cotação do dólar.

Como todos sabem, a commodity tem passado por um movimento de valorização no exterior — em relação ao segundo trimestre, por exemplo, o Brent subiu 5% —, o que puxa para cima o preço dos produtos vendidos pela empresa. E é nesse contexto que a receita líquida saltou 72% em um ano, chegando a R$ 121,6 bilhões.

"A receita com derivados no mercado interno foi 18,1% superior ao segundo trimestre, com destaque para as vendas de diesel, gasolina e combustível de aviação", destaca a Petrobras. Vale ressaltar que essa alta no mercado doméstico foi capaz de ofuscar a queda nas exportações da estatal.

Por outro lado, a forte alta do dólar impactou fortemente o resultado financeiro da empresa. Ao longo do terceiro trimestre, as variações cambiais e monetárias trouxeram uma perda de R$ 20,4 bilhões à Petrobras — a valorização da moeda americana faz com que a parcela dolarizada da dívida fique maior ao ser convertida para reais.

Petrobras (PETR3/PETR4): eficiência nos custos

Mas, independente das dinâmicas externas, a Petrobras (PETR3 e PETR4) mostrou que segue perseguindo métricas operacionais eficientes. Os custos de exploração de petróleo na região do pré-sal — a especialidade da empresa — ficaram praticamente estáveis na comparação com o segundo trimestre e permaneceram abaixo da linha de US$ 3 por barril equivalente (boe).

Levando em conta a receita mais elevada e os custos operacionais sob controle, a Petrobras reportou um fluxo de caixa livre de R$ 47,2 bilhões — um dinheiro que foi usado pela estatal para antecipar o pagamento de dívidas e amortizar juros.

E, aqui, vem um detalhe importante do balanço: a Petrobras fechou o trimestre com uma dívida bruta de US$ 59,6 bilhões. Assim, a empresa cumpre uma de suas metas — a de atingir um endividamento bruto inferior a US$ 60 bilhões até o fim de 2022 — com mais de um ano de antecedência.

Em termos de dívida líquida, a Petrobras terminou o mês de setembro com US$ 48,1 bilhões, baixa de 9,6% em relação aos níveis vistos em junho; a alavancagem, medida pela relação entre endividamento líquido e Ebitda nos últimos 12 meses, recuou a 1,17 vez.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

NOVATA NA FINAL

Não estranhe: patrocinadora da final entre Palmeiras e Flamengo é a nova corretora de criptomoedas do Brasil; conheça Crypto.bom

A exchange resolveu investir no segmento de esportes e patrocina Fórmula 1, NBA e até o campeonato europeu

Raio-X

Análise: Por que a alta da inflação pode ameaçar o pacote de infraestrutura de Joe Biden?

O presidente americano tem ambiciosos planos pela frente, mas a alta da inflação e gargalos estruturais da economia podem alterar o rumo

A SEMANA EM GRÁFICOS

Covid-19 pressiona aéreas, turismo, Ibovespa e bitcoin, mas inflação avança no mundo: entenda a última semana com estes gráficos

As companhias aéreas sofreram perdas significativas na bolsa esta semana e nem o bitcoin (BTC) conseguiu se salvar

O MELHOR DA SEMANA

Piora da covid no mundo e criptomoedas além do bitcoin (BTC): 5 assuntos mais lidos no Seu Dinheiro esta semana

O mercado já trabalhava amplamente com a visão do verdadeiro normal. Mas os mercados globais voltaram a entrar em pânico com a covid-19

PAPO CRIPTO #007

Tecnologia que criou o bitcoin (BTC) pode reduzir custo de captação de recursos em quase 70%, diz chefe de ativos digitais do BTG

“Empresas pequenas e médias têm menor possibilidade de acesso ao mercado de capitais, muito por causa dos custos envolvidos”, comenta

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies