🔴 DÓLAR A R$5,38 E PODE SUBIR MAIS – VEJA COMO PROTEGER O SEU PATRIMÔNIO

Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Boleia cheia

Carga Pesada: JSL faz oferta para comprar a Tegma — e ambas aceleram na bolsa

A oferta da JSL pela Tegma envolve R$ 989 milhões em dinheiro e troca de ações. A proposta é válida até o dia 16 deste mês

Victor Aguiar
Victor Aguiar
2 de julho de 2021
15:44 - atualizado às 15:45
JSL e Tegma

A JSL tem um objetivo bastante claro: quer consolidar o setor de transporte e logística rodoviários — e para tal, a empresa já fez cinco aquisições desde o ano passado. Nenhuma delas, no entanto, representou um passo tão ousado quanto o dado nesta manhã, com uma proposta hostil de aquisição da Tegma.

A junção entre as duas companhias sempre foi especulada pelo mercado: a JSL é a líder nas atividades de logística rodoviária no país; a Tegma, por sua vez, tem como carro-chefe (com o perdão do trocadilho) o transporte de veículos, com uma extensa frota de caminhões-cegonha.

Pois a especulação está cada vez mais próxima da realidade. A proposta envolve uma parcela em dinheiro, de R$ 989 milhões, e outra em ações, com a emissão e entrega de 49,4 milhões de novos papéis ON da JSL (JSLG3).

Na prática, os acionistas da Tegma receberão R$ 15,00 e 0,7495 ação da JSL por cada papel ON da companhia (TGMA3).

Portanto, vamos às contas: no fechamento de ontem, as ações da JSL valiam R$ 11,90 e as da Tegma, R$ 23,02. Usando esses valores como referência, a oferta giraria em torno de R$ 24,00 — um prêmio de 4% em relação à cotação de TGMA3.

Pode não parecer muito, mas o mercado reagiu com empolgação à proposta: as ações da Tegma disparam 13% nesta tarde, a R$ 26,00; os papéis da JSL sobem 7%, a R$ 12,70.

Afinal, a união das companhias viria acompanhada de ganhos de sinergia e uma maior oferta de serviços por parte da Tegma, que no momento é bastante dependente do transporte de veículos. Ou seja: há mais na mesa que o simples valor a ser recebido.

De qualquer maneira, a bola agora está com a Tegma: o conselho de administração já sinalizou que está analisando a proposta e que, se a achar pertinente, poderá convocar uma assembleia de acionistas para votar o tema. A oferta da JSL é válida até o dia 16.

JSL Tegma ações

JSL acelerando

Mas ora essas, de onde veio esse impulso comprador da JSL?

Voltemos a setembro do ano passado. Na ocasião, a empresa levantou quase R$ 700 milhões com uma oferta de ações. E, em paralelo, promoveu uma ampla reestruturação societária: constituiu uma nova holding, a Simpar, que controla todas as empresas do grupo — com destaque para a JSL em si, a Movida e a Vamos, todas com ações na bolsa.

Com a reorganização, o grupo conseguiu estruturar melhor as finanças de cada companhia e destravar valor — individualmente, as empresas possuem acesso facilitado ao crédito e sua análise fica facilitada por parte dos potenciais investidores.

Com o fortalecimento financeiro e as alterações societárias, a JSL ficou livre para ir ao mercado atrás de aquisições — e as oportunidades eram muitas. Veja as compras acertadas pela companhia desde o ano passado:

  • Fadel Holding, por R$ 159,4 milhões;
  • Transmoreno, por R$ 310 milhões;
  • Pronto Express Logística (TPC), por R$ 288,6 milhões;
  • Rodomeu Transportadora, por R$ 97 milhões; e
  • Transportes Marvel, por R$ 245 milhões.

E qual o impacto dessas transações? Somando as métricas financeiras de cada uma dessas empresas, a receita bruta da JSL chegará a R$ 4,9 bilhões nos últimos 12 meses, alta de quase 50%; o Ebitda irá a R$ 671 milhões (+66%).

E, tão importante quanto: as compras aumentaram o escopo da JSL. A Fadel é especialista em distribuição urbana; a Transmoreno atua no transporte de veículos; a TPC é relevante em operação de armazéns, logística dedicada e gestão de distribuição; a Rodomeu faz transporte de cargas de alta complexidade; e a Marvel é uma transportadora de alimentos.

E a Tegma, como fica?

Para a Tegma e seus acionistas, a venda para a JSL pode ser interessante do ponto de vista de continuidade dos negócios. A empresa até tem um braço de logística, mas com resultados bastante fracos — o transporte de veículos é, de longe, a principal fonte de receita.

A pandemia afetou as atividades da empresa, especialmente no primeiro semestre de 2020: a incerteza econômica e a paralisia vista no setor produtivo acabou por reduzir a demanda; os serviços, no entanto, voltaram gradualmente à normalidade.

Ainda assim, a Tegma encolheu: a receita líquida no primeiro trimestre deste ano recuou 16,4%, a R$ 233,9 milhões — desse total, R$ 201 milhões vieram da logística automotiva. A participação de mercado no segmento de transporte de veículos diminuiu 2,9 pontos, a 22,8%.

Do ponto de vista operacional, portanto, a união faz sentido. Além dos potenciais ganhos de sinergia, há também a expertise da JSL no ramo de logística automotiva — a Transmoreno, afinal, era concorrente da Tegma. Por fim, a diversificação no perfil de atuação também seria bem-vinda.

No lado financeiro, a Tegma teve receita bruta de R$ 1,2 bilhão nos últimos 12 meses e Ebitda de R$ 156 milhões — resultados relevantes a serem agregados à base da JSL.

JSL aquisições e Tegma

O mercado aprova

Em relatório, os analistas Victor Mizusaki, Andre Ferreira e Pedro Fontana, do Bradesco BBI, comentam que a oferta tem um múltiplo EV/Ebitda implícito de 9,1 vezes, o que representa um prêmio de 25% em relação às métricas da JSL. Pelas contas deles, a aquisição da Tegma tem o potencial de adicionar R$ 1,80 às ações da JSL e R$ 1,90 aos papéis da Simpar (SIMH3).

O Santander também vê a possibilidade de aquisição com bons olhos. Em comentário aos clientes, o banco diz que a transação pode trazer impactos relevantes de sinergia, como ganhos de escala, diluição de custos fixos, venda cruzada de serviços e diversificação dos negócios.

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar