Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-07-02T15:45:03-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Boleia cheia

Carga Pesada: JSL faz oferta para comprar a Tegma — e ambas aceleram na bolsa

A oferta da JSL pela Tegma envolve R$ 989 milhões em dinheiro e troca de ações. A proposta é válida até o dia 16 deste mês

2 de julho de 2021
15:44 - atualizado às 15:45
JSL e Tegma

A JSL tem um objetivo bastante claro: quer consolidar o setor de transporte e logística rodoviários — e para tal, a empresa já fez cinco aquisições desde o ano passado. Nenhuma delas, no entanto, representou um passo tão ousado quanto o dado nesta manhã, com uma proposta hostil de aquisição da Tegma.

A junção entre as duas companhias sempre foi especulada pelo mercado: a JSL é a líder nas atividades de logística rodoviária no país; a Tegma, por sua vez, tem como carro-chefe (com o perdão do trocadilho) o transporte de veículos, com uma extensa frota de caminhões-cegonha.

Pois a especulação está cada vez mais próxima da realidade. A proposta envolve uma parcela em dinheiro, de R$ 989 milhões, e outra em ações, com a emissão e entrega de 49,4 milhões de novos papéis ON da JSL (JSLG3).

Na prática, os acionistas da Tegma receberão R$ 15,00 e 0,7495 ação da JSL por cada papel ON da companhia (TGMA3).

Portanto, vamos às contas: no fechamento de ontem, as ações da JSL valiam R$ 11,90 e as da Tegma, R$ 23,02. Usando esses valores como referência, a oferta giraria em torno de R$ 24,00 — um prêmio de 4% em relação à cotação de TGMA3.

Pode não parecer muito, mas o mercado reagiu com empolgação à proposta: as ações da Tegma disparam 13% nesta tarde, a R$ 26,00; os papéis da JSL sobem 7%, a R$ 12,70.

Afinal, a união das companhias viria acompanhada de ganhos de sinergia e uma maior oferta de serviços por parte da Tegma, que no momento é bastante dependente do transporte de veículos. Ou seja: há mais na mesa que o simples valor a ser recebido.

De qualquer maneira, a bola agora está com a Tegma: o conselho de administração já sinalizou que está analisando a proposta e que, se a achar pertinente, poderá convocar uma assembleia de acionistas para votar o tema. A oferta da JSL é válida até o dia 16.

JSL Tegma ações

JSL acelerando

Mas ora essas, de onde veio esse impulso comprador da JSL?

Voltemos a setembro do ano passado. Na ocasião, a empresa levantou quase R$ 700 milhões com uma oferta de ações. E, em paralelo, promoveu uma ampla reestruturação societária: constituiu uma nova holding, a Simpar, que controla todas as empresas do grupo — com destaque para a JSL em si, a Movida e a Vamos, todas com ações na bolsa.

Com a reorganização, o grupo conseguiu estruturar melhor as finanças de cada companhia e destravar valor — individualmente, as empresas possuem acesso facilitado ao crédito e sua análise fica facilitada por parte dos potenciais investidores.

Com o fortalecimento financeiro e as alterações societárias, a JSL ficou livre para ir ao mercado atrás de aquisições — e as oportunidades eram muitas. Veja as compras acertadas pela companhia desde o ano passado:

  • Fadel Holding, por R$ 159,4 milhões;
  • Transmoreno, por R$ 310 milhões;
  • Pronto Express Logística (TPC), por R$ 288,6 milhões;
  • Rodomeu Transportadora, por R$ 97 milhões; e
  • Transportes Marvel, por R$ 245 milhões.

E qual o impacto dessas transações? Somando as métricas financeiras de cada uma dessas empresas, a receita bruta da JSL chegará a R$ 4,9 bilhões nos últimos 12 meses, alta de quase 50%; o Ebitda irá a R$ 671 milhões (+66%).

E, tão importante quanto: as compras aumentaram o escopo da JSL. A Fadel é especialista em distribuição urbana; a Transmoreno atua no transporte de veículos; a TPC é relevante em operação de armazéns, logística dedicada e gestão de distribuição; a Rodomeu faz transporte de cargas de alta complexidade; e a Marvel é uma transportadora de alimentos.

E a Tegma, como fica?

Para a Tegma e seus acionistas, a venda para a JSL pode ser interessante do ponto de vista de continuidade dos negócios. A empresa até tem um braço de logística, mas com resultados bastante fracos — o transporte de veículos é, de longe, a principal fonte de receita.

A pandemia afetou as atividades da empresa, especialmente no primeiro semestre de 2020: a incerteza econômica e a paralisia vista no setor produtivo acabou por reduzir a demanda; os serviços, no entanto, voltaram gradualmente à normalidade.

Ainda assim, a Tegma encolheu: a receita líquida no primeiro trimestre deste ano recuou 16,4%, a R$ 233,9 milhões — desse total, R$ 201 milhões vieram da logística automotiva. A participação de mercado no segmento de transporte de veículos diminuiu 2,9 pontos, a 22,8%.

Do ponto de vista operacional, portanto, a união faz sentido. Além dos potenciais ganhos de sinergia, há também a expertise da JSL no ramo de logística automotiva — a Transmoreno, afinal, era concorrente da Tegma. Por fim, a diversificação no perfil de atuação também seria bem-vinda.

No lado financeiro, a Tegma teve receita bruta de R$ 1,2 bilhão nos últimos 12 meses e Ebitda de R$ 156 milhões — resultados relevantes a serem agregados à base da JSL.

JSL aquisições e Tegma

O mercado aprova

Em relatório, os analistas Victor Mizusaki, Andre Ferreira e Pedro Fontana, do Bradesco BBI, comentam que a oferta tem um múltiplo EV/Ebitda implícito de 9,1 vezes, o que representa um prêmio de 25% em relação às métricas da JSL. Pelas contas deles, a aquisição da Tegma tem o potencial de adicionar R$ 1,80 às ações da JSL e R$ 1,90 aos papéis da Simpar (SIMH3).

O Santander também vê a possibilidade de aquisição com bons olhos. Em comentário aos clientes, o banco diz que a transação pode trazer impactos relevantes de sinergia, como ganhos de escala, diluição de custos fixos, venda cruzada de serviços e diversificação dos negócios.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

SEXTOU COM O RUY

Big Bang, a teoria: As leis da Física e a tributação dos dividendos

As empresas são organismos vivos, que precisam se adaptar às mudanças para sobreviver, como na recente proposta de tributação de dividendos

dinheiro no caixa

Petrobras vende participação em companhias de energia por R$ 160 milhões

Estatal assinou contratos para a venda de suas participações de 20% na Termelétrica Potiguar (TEP) e de 40% na Companhia Energética Manauara (CEM) para a Global Participações Energia S.A. (GPE)

seu dinheiro na sua noite

Mais micro, menos macro: quando os balanços são o destaque na bolsa

Como investidores, sabemos que os mercados estão sujeitos às mudanças no cenário macroeconômico – e, no caso do Brasil e outros países emergentes, os pregões são particularmente suscetíveis também ao noticiário político. Mas, no fim do dia, a bolsa reflete o desempenho das companhias que ali são negociadas. Nas temporadas de balanços trimestrais, analistas e […]

cardápio do dia

Fleury, EcoRodovias e Localiza: os balanços que mexem com o mercado nesta sexta

Companhias registram forte aumento no lucro, confirmando tendência entre empresas do Ibovespa

Fechamento do dia

Bolsa, dólar e juros fecham o dia no vermelho, com balanços no radar e Wall Street em alta

Em movimento raro, bolsa, dólar e juros fecharam o dia no vermelho. É que enquanto o apetite por risco reinava no exterior, os balanços levaram o Ibovespa a um movimento de correção

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies