Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-03-26T18:48:25-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
timing ruim

Cogna adia balanço, e ações têm uma das maiores quedas do Ibovespa

Maior grupo de educação enfrentou grandes dificuldades em 2020 por conta da pandemia e os efeitos do fim do Fies

26 de março de 2021
15:29 - atualizado às 18:48
Painel colorido com o símbolo da Cogna
Imagem: Divulgação/Cogna

As ações do grupo de educação Cogna (COGN3) registraram a maior queda entre os nomes que compõem o Ibovespa nesta sexta-feira (26), depois que ela adiou a divulgações dos resultados do quarto trimestre, inicialmente previstos para hoje, para 31 de março – último dia da temporada de balanços. Os papéis fecharam em baixa de 4,01%, a R$ 3,83.

O adiamento da divulgação dos resultados ocorre num momento em que a Cogna está no radar dos investidores, e não por um bom motivo. Ela, junto com outras empresas do ramo de educação, foi duramente afetada pela pandemia, que motivou o fechamento de escolas e universidades, além de sentir os efeitos do fim do programa de financiamento estudantil do governo federal Fies.

A frente de ensino presencial representa cerca de 55% do lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) da Cogna. E o Fies ajudou a transformar a companhia na maior empresa de educação do país – no terceiro trimestre, a quantidade de alunos com cursos bancados pelo governo caiu 59% em relação ao mesmo período de 2019.

A combinação de crise econômica e perda de uma importante fonte de renda pegou em cheio a Cogna no ano passado, fazendo suas ações acumularem queda de 60% em 2020. Neste ano, o recuo chega a 15%.

Já havia pouca expectativa de que os resultados do quarto trimestre mostrassem uma melhora significativa da situação, e o adiamento da divulgação do balanço não ajudou a dar tranquilidade aos acionistas.

A empresa já informou que deve levar cinco anos para recuperar os níveis de Ebitda obtidos em 2019. Para 2020, ela espera registrar um Ebitda recorrente de R$ 1 bilhão, um tombo de 59% em relação ao montante de 2019.

A Cogna informou ainda que a geração de caixa operacional após os investimentos deve ficar em R$ 230 milhões em 2020 — queda de 43% em relação a 2019 — e em R$ 1 bilhão em 2024.

Hora da virada

Para cumprir a meta de recuperar o patamar do Ebitda, a Cogna embarcou num processo de reestruturação.

Com forte presença no ensino superior, a empresa realizou uma reestruturação nas operações presenciais, concluída no quarto trimestre, fechando 25% de seus campi.  

A ideia é investir em cursos com ticket maior, como é o caso de medicina, e investir mais em ensino a distância (EAD), além de criar um “marketplace” (shopping virtual) com uma série de cursos.

Ela também decidiu não ter mais colégios próprios, mercado em que entrou há três anos. Ela vendeu esses ativos para a Eleva Educação, empresa de ensino básico que tem como sócio o bilionário Jorge Paulo Lemann. Mas não saiu do segmento, tendo adquirido a Editora Eleva, produtora e fornecedora de materiais didáticos e sistemas de ensino.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

MANDOU BEM?

Mudanças no alto escalão da Ultrapar agradam — mas enquanto ações sobem 9%, analistas apontam que ainda é cedo para uma reclassificação

A Ultrapar parece realmente disposta a deixar os dias de dificuldade para trás e se fortalecer como uma empresa distribuidora de combustíveis e as recentes mudanças anunciadas na noite de ontem (22) indicam isso.  Em fato relevante, a companhia informou que Marcos Lutz irá substituir Frederico Curado como novo CEO do grupo a partir de […]

OCCUPY B3

MTST ocupa sede da B3 em protesto contra o governo e a desigualdade social

Militantes do movimento por moradia entraram no saguão da bolsa de valores em ato contra as altas no desemprego e na inflação

Balança, mas (ainda) não cai

Qual o destino da Evergrande? Veja quatro possíveis cenários para a crise da gigante chinesa

As ações da Evergrande subiram mais de 17% na bolsa de valores de Hong Kong após um acordo com credores. A situação, porém, está longe de ser resolvida. Saiba o que esperar

mercado cripto

Bitcoin e criptomoedas: XP e Rico lançam dois fundos, com investimento a partir de R$ 100

Com gestão passiva, produtos são voltados ao público geral, com taxa de administração de 0,5% ao ano, sem proteção cambial ou taxa de performance

Destaques da bolsa

Cyrela (CYRE3): ‘Sem razões para ânimo’ com o setor, Credit Suisse rebaixa recomendação para construtora e ações têm queda firme

Banco suíço, que rebaixou recomendação de “compra” para “neutra”, vê um cenário difícil para as construtoras nos próximos meses por causa da alta da inflação e da taxa básica de juros

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies