Menu
2021-02-23T17:45:30-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
INVESTIMENTO EM EDUCAÇÃO

Cogna fecha acordo com empresa de educação apoiada por Lemann

Cogna adquire sistema de ensino da Eleva por R$ 580 milhões e vende grupo de colégios para empresa apoiada por bilionário por R$ 964 milhões

23 de fevereiro de 2021
7:54 - atualizado às 17:45
Jorge Paulo Lemann, do fundo 3G, dono da Ambev
Jorge Paulo Lemann, do fundo 3G, dono da Ambev - Imagem: Felipe Rau / Estadão Conteúdo

A Cogna Educação (COGN3) anunciou na segunda-feira (22) à noite que fechou um acordo com a Eleva Educação para realizar compras e vendas de ativos, em uma operação que atenderá o objetivo de expansão da divisão da parte de materiais didáticos da primeira e a necessidade de fortalecimento do portfólio de escolas da segunda.

Segundo comunicado, a operação envolverá duas etapas. Em uma delas, a Somos Educação, subsidiária da Cogna que atua na área de educação básica, pagará à Eleva R$ 580 milhões pela Editora Eleva, que detém os direitos e ativos relacionados aos sistemas de ensino de educação básica comercializados pelo grupo que tem o bilionário Jorge Paulo Lemann como um dos principais acionistas.

O valor corresponde a um múltiplo do lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) de 16,6 vezes da editora em relação a 2020, estando sujeito a ajustes de acordo com a receita a ser apurada em 2021 e 2022. Ele será pago ao longo de cinco anos.

A outra etapa consiste na venda, pela Cogna, de um portfólio de colégios para a Eleva por R$ 964 milhões, correspondente a um múltiplo de Ebitda de 16,3 vezes em relação ao ano de 2020. O montante também estará sujeito a ajustes de acordo com a receita apurada em 2021 e 2022.

Do preço de aquisição, o montante de R$ 625 milhões será pago ao longo de cinco anos e o restante será utilizado pela Cogna para a integralização de debêntures conversíveis a serem emitidas pela Eleva.

Caso a empresa do grupo de educação de Lemann realize uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), como pretende, de acordo com notícias na mídia, a Cogna passará a ser acionista, direta ou indiretamente.

Razões para o acordo

Segundo o jornal “Valor Econômico”, que adiantou as negociações, foi a Eleva que iniciou as conversas com a Cogna.

A empresa, que pretende realizar um IPO na metade deste ano, tinha interesse em fortalecer suas operações com as 52 escolas conceituadas que a Cogna possui.

Para a Cogna interessava o sistema de ensino da Eleva, para expandir sua divisão de materiais didáticos, além de atender à demanda de investidores por aquisições relevantes.

Na avaliação do BTG Pactual, o sistema de ensino da Eleva vale cerca de R$ 400 milhões, e as instituições de ensino da Cogna, cerca de R$ 2 bilhões.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Energia elétrica

IPCA pode ir a 6,5% na bandeira vermelha

A bandeira vermelha 2, que tem custo adicional de R$ 6,243, iria a R$ 7,571 caso adotada a proposta da consulta pública

Esquenta dos Mercados

Relatório da inflação, leitura do PIB dos EUA e queda de ministro devem guiar a bolsa hoje

Assim como uma noite no deserto, o investidor deve ficar atento aos sinais para atravessar um momento de dificuldade

Volta ao original

Câmara rejeita emendas do Senado e retoma texto original de MP que eleva imposto para bancos

Deputados retomaram a alíquota de 25% na CSLL também para as agências de fomento e bancos de desenvolvimento estaduais

Para dar e vender

Defensivas e com potencial de crescimento: como as ações do setor de saúde ainda podem dar muitas alegrias na bolsa

A combinação de baixo endividamento, bons níveis de caixa e espaço para consolidação tornam as ações do segmento muito atrativas, segundo analistas

Fernando Cirne

A importância das fusões e aquisições para a Locaweb

Já avaliamos mais de 1.900 empresas e, desde o IPO, concluímos 10 importantes aquisições, que se somaram às outras seis concretizadas antes da abertura de capital

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies