Menu
2021-04-22T09:12:54-03:00
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo
Esquenta dos Mercados

Sem exterior para dar apoio, bolsa deve ser influenciada pela aprovação do Orçamento e Cúpula do Clima

Apesar da ausência de maiores indicadores econômicos, os eventos desta quinta-feira (22) serão suficientes para prender a atenção do investidor

22 de abril de 2021
8:06 - atualizado às 9:12
Women,Stretching,For,Warming,Up,Before,Running,Or,Working,Out.
Imagem: Shutterstock

Na volta de um feriado positivo no exterior, a bolsa brasileira deve esticar as pernas e fazer um alongamento para encarar o dia. Apesar da ausência de maiores indicadores econômicos, os eventos desta quinta-feira (22) serão suficientes para prender a atenção do investidor.

Para começar, expira hoje o prazo para o presidente da República, Jair Bolsonaro, sancionar o projeto de Lei Orçamentária para 2021. O texto já conta com cinco meses de atraso e, após uma forte tensão entre o Congresso e o Ministério da Economia, o Orçamento finalmente se tornou “exequível”, segundo Paulo Guedes. 

Também tem início hoje a Cúpula do Clima (9h), convocada pelo presidente americano Joe Biden. Ele já tem se mostrado favorável a medidas e apoio a iniciativas de sustentabilidade, e deve reforçar seu ponto na reunião. Os Estados Unidos querem voltar a encabeçar o grupo de países preocupados com o meio ambiente, a começar pelo pacote de estímulos de US$ 2,3 trilhões para infraestrutura, que terá como prioridade iniciativas “verdes”, segundo Biden.

O Brasil deve ficar com cara de mau aluno na reunião, após dados indicarem que o desmatamento da Amazônia no mês de março bateu um recorde. Além disso, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, também deve ser citado na reunião como um mau exemplo. Ele é conhecidamente favorável às madeireiras da região amazônica e está sofrendo pressão para ser retirado do cargo. 

Enquanto Bolsonaro pretende fazer um apelo para receber recursos voltados à manutenção do meio ambiente, artistas e entidades pedem que Biden não dê dinheiro para Bolsonaro a menos que tome medidas concretas para frear o desmatamento. 

Neste cenário, à espera de maiores desdobramentos sobre a Cúpula, o Ibovespa futuro opera em alta de 0,53%, aos 120,920 pontos. Enquanto isso, o dólar a vista recua 0,81%, cotado a R$ 5,524.

Confira esses e outros destaques para o dia de hoje:

Brasil no exterior

O EWZ, principal ETF (fundo de índice) do Brasil negociado em Nova York subiu levemente, com alta de 0,23%, mesmo durante o rali das bolsas americanas. Apesar do otimismo do exterior, é pouco provável que o Ibovespa se deixe levar para cima, em meio a um noticiário doméstico mais caótico.

Cúpula do Clima

Começa hoje a Cúpula do Clima convocada pelo presidente americano Joe Biden. A Expectativa é de que o Brasil, representado pelo presidente Jair Bolsonaro, esteja no “banco dos réus” do desmatamento global. 

Diversos artistas e ativistas pelo meio ambiente assinaram uma carta pedindo para o presidente americano não enviar dinheiro para o combate ao desmatamento da Amazônia. Na visão deles, o presidente Bolsonaro não está cumprindo seu papel de protetor das florestas nacionais, ponto que deve ser levantado durante a reunião. 

O Brasil bateu recorde de desmatamento para o mês de março, de acordo com dados do Imazon (Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia). O ministro do meio ambiente, Ricardo Salles, também deve ser citado nas conversas sobre corte ilegal de madeira. 

Temos Orçamento

O Ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o Orçamento para 2021 é “exequível” (que pode ser executado), após discussões acaloradas com o Congresso. O acordo político destravou os gastos para os programas da covid sem a necessidade de acionamento do estado de calamidade.

Esses gastos, que incluem uma nova rodada do benefício para trabalhadores que tiverem os salários cortados (BEm) ou contratos suspensos e uma nova linha de crédito para micro e pequenas empresas (Pronampe), ficarão fora do cálculo da meta fiscal. Essas despesas serão pagas com crédito extraordinário, de acordo com a lei sancionada pelo presidente, Jair Bolsonaro.

IPO da PicPay

Enquanto o mercado brasileiro estava fechado durante o feriado de Tiradentes, o Picpay resolveu protocolar sua oferta primária de ações (IPO, na sigla em inglês) na bolsa americana. O aplicativo atingiu recentemente a marca de 50 milhões de usuários e deve se lançar no mercado com o código PICS. O valor da oferta, que deve acontecer ao longo do mês que vem, ainda não foi definido.

Lojas Americanas vai às compras

A Lojas Americanas anunciou a compra do Grupo Uni.co, dono das marcas Imaginarium, MinD, Lovebrands e Puket. A concretização do negócio, que ainda depende de aprovação do Cade, entre outros, fará com que a Americanas amplie o sortimento em "verticais estratégicas" e de alta frequência, como moda, acessórios, presentes e design. O anúncio foi feito após o fechamento do mercado na terça-feira (20) e deve refletir na bolsa hoje. 

Bolsas pelo mundo

As bolsas da Ásia fecharam majoritariamente em alta na manhã desta quinta-feira, puxadas por um dia positivo em Nova York. Apesar dos sinais de que a economia norte-americana está voltando a se aquecer, a covid-19 está no radar. A Índia é o principal país onde a doença se alastra na região, batendo recordes globais de contaminação. O Brasil também está na mira dos investidores como um péssimo exemplo de luta contra o coronavírus. 

Os índices europeus também operam em alta nesta manhã, à espera da decisão do Banco Central Europeu (BCE) sobre a política econômica. Mesmo com os balanços regionais das empresas do Velho Continente desanimando, os investidores focam nos pedidos de auxílio-desemprego dos EUA. 

Por fim, os futuros de Nova York operam com leve queda, próximos da estabilidade. A forte alta dos índices de Wall Street no pregão de ontem deve fortalecer o movimento de correção de hoje, enquanto os investidores esperam a divulgação de dados do emprego. 

Agenda do dia

Confira os principais eventos e indicadores para esta quinta-feira (22):

  • Ministério da Economia: Data limite para sanção do Orçamento 2021
  • Estados Unidos: Início da Cúpula do Clima (9h)
  • FGV: Prévia da confiança da indústria em abril (8h)
  • Banco Central Europeu: BCE divulga decisão de política monetária (8h45)
  • Estados Unidos: Pedidos de auxílio desemprego (9h30)
  • Banco Central: Fluxo cambial semanal (14h30)

Empresas

  • American Airlines divulga seu balanço antes da abertura do mercado
  • Intel divulga seu balanço após o fechamento do mercado
  • A Natura iniciou um roadshow junto a investidores no exterior para uma possível captação de títulos de dívida (bonds) com compromissos de sustentabilidade no valor de US$ 1,5 bilhão
  • A Gol informou que o Bank of America (BofA) reduziu sua participação na companhia
  • A Hapvida estabeleceu seu preço por ação para o follow on de R$ 15 por ação, operação movimentou R$ 2,7 bilhões
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Novo competidor

Grupo catarinense que fatura R$ 8,8 bi vai abrir 1º atacarejo no estado de SP

O Grupo Pereira vai abrir uma unidade da Fort Atacadista, sua bandeira de atacarejo, na cidade de Jundiaí; forte competição em SP é desafio

Tensão em Brasília

Racha no Congresso põe reformas em xeque

A decisão do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), de fatiar a reforma tributária foi vista como a pá de cal nas chances de avanço das reformas no Congresso até o fim do atual governo. Embora Lira tenha prometido abrir o diálogo com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), para definir os próximos passos, […]

Rapidinhas da semana

BLINK: Itaúsa, B2W, Eletrobras e mais recomendações rápidas

Felipe Miranda, sócio-fundador e CIO da Empiricus, fala sobre Alpargatas, Eletrobras, Itaúsa, Lojas Americanas e muito mais no Blink

Reserva de emergência

Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo, vende ações da Amazon e põe US$ 5 bi na conta

O bilionário Jeff Bezos vendeu cerca de 1,5 milhão de ações da Amazon nos últimos dias e pode vender outros 500 mil papéis em breve

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies