⚽️ Brasil e Portugal jogam para se evitar nas oitavas-de-final; veja os jogos de hoje na Copa do Mundo

Cotações por TradingView
2021-02-25T19:07:49-03:00
Estadão Conteúdo
Cartas e cartões

PL dos Correios prevê sistema de parcerias com iniciativa privada para atender a população

Segundo a proposta, os Correios terão exclusividade por, no máximo, cinco anos sobre as atividades de atendimento e distribuição de carta e cartão postal

25 de fevereiro de 2021
11:32 - atualizado às 19:07
Caminhões dos Correios
Imagem: Correios

O projeto de lei que abre caminho para a desestatização dos Correios permite que a iniciativa privada se alie na prestação dos serviços postais por meio de contratos de concessão comum ou patrocinada, fechados com o poder público.

No modelo patrocinado, existe uma contraprestação financeira do governo ao parceiro privado. Ou seja, os recursos que entram no negócio não dependem só da cobrança de tarifa. A proposta entregue nesta quarta-feira, 24, pelo Executivo ao Congresso quebra o monopólio dos Correios ao permitir que suas atividades sejam prestadas por empresas privadas.

O texto, divulgado pelo Planalto, estabelece que a União é obrigada a manter o serviço postal em todo o território, de modo contínuo e com modicidade de preço. Para isso, os serviços poderão ser prestados por empresa estatal - no caso, os Correios -, e por meio dos contratos de concessão - patrocinada ou não.

Correios exclusivo por 5 anos

"A União deverá garantir a prestação do serviço postal universal por meio de empresa estatal, desde que já existente na data de publicação desta Lei; ou celebração de contratos de concessão comum ou patrocinada. As modalidades previstas no caput poderão ser utilizadas de forma cumulativa", prevê o projeto.

O desenho criado pelo governo busca garantir que a cobertura realizada hoje pelos Correios não seja reduzida com as mudanças. Para isso, o operador que assumir atividades postais deverá cumprir com uma série de obrigações. Entre elas estão atender metas de universalização e qualidade, disponibilizar informação aos usuários sobre prazos de entrega, indenizações e preços, e prestar os serviços de forma ininterrupta, sem paralisações injustificadas, entre outros pontos.

As empresas vão responder a um órgão regulador, missão que será assumida pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Ela deverá ser alimentada com relatórios financeiros e indicadores de qualidade e eficiência pelos operadores, que devem divulgar com transparência os valores cobrados e descontos praticados em suas atividades. A exploração dos serviços pela iniciativa privada deve garantir, segundo o projeto, a diversidade de serviços, o incremento de sua oferta e qualidade, a competição livre e respeito ao direito dos usuários, por exemplo.

Segundo a proposta, os Correios terão exclusividade por no máximo cinco anos sobre as atividades de atendimento e distribuição de carta e cartão postal, de correspondência agrupada, além do serviço público de telegrama. Essa condição ainda pode ser restringida por ato do Executivo. Além disso, o governo fica autorizado a repassar esses serviços à iniciativa privada por concessão em caráter de exclusividade, inclusive segregada por região, com o fim de garantir a prestação do serviço universal.

Estadão/Broadcast antecipou em entrevista publicada em outubro com a secretária do Programa de Parcerias de Investimento (PPI), Martha Seillier, as premissas do projeto. Na ocasião, a secretária citou a possibilidade de a abertura dos Correios contar com divisões de concessão por região.

Ao fim, a proposta pretende abrir um cardápio de opções para o futuro dos serviços postais, sem cravar desde já o que será escolhido pelo governo. O martelo só será batido após a conclusão dos estudos econômicos e setoriais, como o que é tocado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Futuro da estatal

O projeto de lei autoriza o governo a promover a transformação dos Correios em uma sociedade de economia mista. Hoje a estatal é uma empresa pública, 100% nas mãos da União. Com essa alteração, o Executivo poderá desenhar qual será a estrutura futura dos Correios. Segundo o Ministério das Comunicações, entre as possibilidades estão a venda direta, a venda do controle majoritário ou de apenas parte da empresa, por exemplo.

Para avançar nisso, a proposta precisa ser aprovada pelo Congresso. Assim, o governo poderá incluir os Correios no Programa Nacional de Desestatização (PND), já com a proposta de modelagem para a desestatização.

Objetivos

Na visão do governo, a aprovação do projeto vai reverter em aumento da qualidade dos serviços postais, garantia de um atendimento universalizado, ampliação dos investimentos privados no setor, além de facultar a privatização da empresa.

Para o Executivo, a necessidade de a iniciativa privada entrar na área se justifica pela rápida transformação digital do setor, que demanda elevados investimentos para que a empresa permaneça competitiva e melhore a qualidade dos serviços. Para o governo, no entanto, por ser uma empresa pública, a estatal não conta com o dinamismo que o setor precisa atualmente, muito menos tem a União capacidade fiscal para suportar os investimentos por meio de aportes.

Essas dificuldades, aliadas ao alto nível de comprometimento das receitas dos Correios com despesas correntes, podem levar a empresa a uma situação de dependência de recursos do Tesouro Nacional, afirmam técnicos, algo que a equipe econômica busca evitar com o projeto.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

E AGORA, FED?

Vai se criando um clima terrível! Alegria dura pouco e Wall Street desaba após dado de emprego forte; entenda o que está em jogo

2 de dezembro de 2022 - 13:34

O presidente do Fed, Jerome Powell, animou os mercados na quarta-feira (30) ao reafirmar o compromisso com um ritmo mais brando de elevação da taxa básica, mas o payroll de hoje colocou de volta em campo a chance de outro aperto mais agressivo

SEMANA EM CRIPTO

Após vaivém, bitcoin (BTC) termina semana em leve alta e volatilidade domina os últimos dias; criptomoedas devem oscilar ainda mais na próxima semana

2 de dezembro de 2022 - 13:26

Entre os destaques da semana estão a aprovação da lei de criptomoedas no Brasil e o pedido de falência da BlockFi

NA TERRA DO TIO SAM

Só o filé: JBS (JBSS3) compra empresa norte-americana TriOak Foods e amplia presença nos EUA; ações disparam na B3

2 de dezembro de 2022 - 12:38

Compradora exclusiva dos suínos da produtora desde 2017, a aquisição fortalece a capacidade da JBS de fornecer produtos suínos de alta qualidade aos consumidores dos EUA

DE OLHO NAS REDES

Elon Musk quer curar a cegueira e fazer tetraplégicos andarem com um chip cerebral: testes em humanos já têm prazo — e o próprio bilionário deve ser a cobaia

2 de dezembro de 2022 - 11:14

O bilionário deu prazo de seis meses para os testes em humanos de seu chip cerebral começarem

COISA DE CINEMA

O crime perfeito: ataque hacker em criptomoedas leva a roubo de US$ 5 milhões, faz token ‘desaparecer’ e Binance a suspender negociações

2 de dezembro de 2022 - 10:52

Uma falha no protocolo Ankr (ANKR) permitiu a “emissão infinita” de tokens e fez uma criptomoeda da rede Binance Smart Chain despencar a quase zero

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies