Menu
2021-05-19T18:54:23-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
fechamento do dia

Detalhes da ata do Fed estressam os mercados e Ibovespa fecha em queda; dólar e juros disparam

Com a inflação pressionando e a possibilidade de revisão dos estímulos, os mercados tiveram um dia de cautela, ainda que a bolsa tenha fechado longe das mínimas

19 de maio de 2021
18:47 - atualizado às 18:54
Tired,Or,Stressed,Businessman,Sitting,On,The,Walkway,In,Panic
Imagem: Shutterstock

Às vezes o que comanda o mercado financeiro, tão cheio de números, são algumas palavras. 

Depois de alguns dias de marasmo, basicamente acompanhando o movimento das commodities, o mercado teve novos elementos para digerir nesta quarta-feira (19). O principal deles foi a ata da última reunião de política monetária do Federal Reserve, divulgada nesta tarde. 

À primeira vista, o documento não trouxe novidades. Os dirigentes voltaram a afirmar que o impacto nos preços é oriundo de pressões temporárias e que o cenário ainda demanda uma política monetária acomodatícia, ainda que os estímulos monetários e fiscais venham fazendo a economia crescer. 

Mas o mercado estava preparado para analisar com lupa cada pedacinho do comunicado e acabou notando algumas pequenas mudanças que, no final, acabam fazendo toda a diferença. 

A primeira delas é que alguns dirigentes da instituição parecem achar que é hora de começar a rever a política de compras de ativos - um movimento que, assim como um possível aumento na taxa de juros antes de 2023, já vem sendo adiantado e especulado pelo mercado diante dos índices de atividade melhores do que o esperado. 

Esse trecho deu uma azedada nos mercados. A bolsa americana aprofundou a queda, o dólar se fortaleceu frente às outras moedas e o juros futuros disparou. Mas a economista-chefe da Veedha Investimentos, Camila Abdelmalack, aponta que não é só isso.

A indicação para a rediscussão do ritmo de compra de ativos ainda é muito abstrata e, além disso, a manutenção de estímulos monetários e fiscais devem seguir pressionando a inflação. Ainda que o Fed tenha indicado mais uma vez que irá aceitar um aumento de preços acima de 2% “por algum tempo”, a economista acredita que os preços devem seguir subindo e pressionando a decisão de não aumentar os juros americanos antes de 2023. 

O saldo foi negativo, mas as perdas moderaram no fim da tarde. O Nasdaq - que recuou forte pela manhã - fechou em leve queda de 0,03%, o S&P 500 caiu 0,29% e o Dow Jones recuou 0,48%. 

Na bolsa brasileira, o analista de investimentos do Pagbank Marcio Lórega, aponta também para o desempenho negativo do setor de commodities - o minério de ferro voltou a cair na China e o petróleo recuou 4% nesta tarde, puxando junto Vale, Bradespar (com grande participação na mineradora), as siderúrgicas e as petroleiras, empresas de grande peso no índice. 

O Ibovespa chegou a cair mais de 1%, mas também aparou a queda e fechou com um recuo modesto de 0,28%, aos 122.636 pontos. Estressado como reação à ata do Federal Reserve, o dólar à vista voltou para a casa dos R$ 5,30 ao subir 1,17%, a R$ 5,3158. 

Nos Estados Unidos, o retorno dos títulos do Tesouro Americano renovaram seguidas vezes suas máximas, um movimento que também afetou o mercado de juros brasileiro. A taxa do Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2022 atingiu o maior patamar desde março de 2020, auge da crise do coronavírus. 

Se as taxas de juros subirem nos países desenvolvidos, os emergentes - como o Brasil - precisam acompanhar o movimento de forma a manter suas economias atrativas para o investidor. Eu conto mais sobre o impacto da alta da inflação e dos juros nos EUA nesta matéria. 

Confira as taxas de fechamento do dia:

  • Janeiro/2022: de 4,98% para 5,00%
  • Janeiro/2023: de 6,82% para 6,83%
  • Janeiro/2025: de 8,30% para 8,34%
  • Janeiro/2027: de 8,87% para 8,92%

Bitcoin em queda livre

O que acontece com o bitcoin? Os repórteres Victor Aguiar e Renan Sousa conversaram com André Franco, analista de criptomoedas da Empiricus, sobre as perspectivas para as moedas digitais após o tombo do principal ativo digital - um movimento sentido até pelo Nasdaq na manhã de hoje. Confira:

Briga de cachorro grande

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), prometeu e de fato entregou. A Casa discute hoje a Medida Provisória que abre caminho para a privatização da Eletrobras. Confira aqui o que está em jogo com essa Medida provisória e quanto a estatal pode vir a valer.

As ações da Eletrobras (ELET3 e ELET6) acompanham os movimentos da MP, com o mercado apostando cada vez mais fichas na aprovação da medida. Só em 2021, a valorização dos papéis gira em torno dos 20%, subindo dos R$ 32 para o patamar dos R$ 40 só com a reação aos acenos do governo.

A oposição já anunciou que irá tentar barrar a MP e recorreu ao STF. Para alguns dos deputados, a medida é inconstitucional e irá pesar no bolso dos contribuintes. 

Mas o mercado está otimista e, com isso, todo o setor de energia elétrica tirou uma casquinha desse sucesso todo. 

Outro setor que teve razões para comemorar hoje foram os frigoríficos. A Argentina bloqueou as exportações de carne bovina do País por 30 dias. A analista Paloma Brum, da Toro Investimentos, destaca que as empresas podem acabar se beneficiando deste cenário já que a demanda internacional deve ser redirecionada para o Brasil, competidor direto da carne argentina. Confira as maiores altas do dia:

CÓDIGONOMEULT VAR
BRFS3BRF ON    22,436,51%
CMIG4Cemig PN      13,244,83%
ELET3Eletrobras ON       42,504,17%
MRFG3Marfrig ON       19,034,16%
SANB11Santander Brasil units        41,083,48%

Na ponta contrária, as empresas com exposição ao minério de ferro recuaram forte, depois de praticamente carregar nas costas o Ibovespa nos últimos meses. A cotação da commodity e do aço caíram forte na China. 

Segundo a analista da Toro o movimento é um reflexo de um alívio do receio com relação à possíveis restrições adicionais a siderúrgicas no país, o que poderia levar a um corte na produção. Também existe uma expectativa de desaceleração das atividades de construção no gigante asiático, com a proximidade da estação de chuvas, o que afeta a demanda. 

CÓDIGONOMEULT VAR
CSNA3CSN ON     47,27-3,94%
CYRE3Cyrela ON       23,19-3,66%
HGTX3Cia Hering ON       28,57-3,22%
EMBR3Embraer ON       15,91-3,11%
LAME4Lojas Americanas PN        18,97-2,82%

Pazuello na CPI

O ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, começou a dar o seu depoimento à CPI da Covid nesta quarta-feira. Sua fala era uma das mais esperadas desde a criação da Comissão, porque, durante sua gestão, a crise do coronavírus se agravou em Manaus, com problemas na distribuição de oxigênio e superlotação dos hospitais. 

Como tem sido comum ao longo da CPI, o depoimento seguiu no radar, mas acaba não refletindo no saldo final das negociações.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Insights Assimétricos

Preparado para a Super Quarta? O que você precisa saber antes das decisões do Fed e do Copom sobre juros

Um ajuste dos juros, mantendo-os ainda abaixo do neutro (entre 5,5% e 6,5%), seria salutar. Uma alta para além disso, contudo, poderá comprometer a retomada brasileira

Caçadores de tendências

Itaú Asset lança mais 3 ETFs com foco em inovação nas áreas de saúde, tecnologia e consumo dos millennials

Gestora do Itaú agora aposta em índices de empresas globais ligadas a tendências de consumo que estão mudando a sociedade

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

As ações das novas petroleiras valem a pena?

Nos recentes movimentos de rotação de carteiras nos mercados, temos nos deparado com a dicotomia Velha Economia (empresas de segmentos tradicionais) e Nova Economia (empresas ligadas à tecnologia e novas formas de consumo). Dentro do que se convencionou chamar de Velha Economia, temos visto o destaque das empresas de commodities, justamente o forte do Brasil. […]

Problemas no paraíso

Cesp, Engie, AES Brasil e mais: seca reduz brilho de ações do setor de geração hídrica

Com menos água, as empresas geram menos em hidrelétricas, mas não ficam livres de cumprir os contratos de fornecimento de energia

Jabuti do bem?

MP da Eletrobras: contratação de térmicas a gás pode diminuir conta de luz, diz estudo da Abegás

A medida vem sendo criticada pela maioria das elétricas, que alegam que ela vai na contramão da modernização e competitividade do setor

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies