Menu
2021-06-11T18:55:14-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO DA SEMANA

Inflação e futuro da taxa de juros viram foco de tensão e Ibovespa recua 0,5% na semana; dólar sobe mais de 1%

Os olhos dos investidores começam a se voltar para as reuniões do Copom e do Fomc, mas gestores acreditam que o cenário segue positivo no curto prazo

11 de junho de 2021
18:54 - atualizado às 18:55
Man,Suffering,From,Back,Ache,On,Gray,Background.,Health,Care

Para aqueles que estão de passagem rápida, a percepção pode ser de que o Ibovespa teve uma semana amarga, mas a realidade pode ser um pouco diferente. 

É bem verdade que o principal índice da bolsa brasileira encerrou a sua sequência de recordes, voltou a fechar no vermelho depois de oito altas consecutivas e terminou a semana com um recuo 0,53%, abaixo dos 130 mil pontos, mas o movimento é visto como natural pela maior parte do mercado depois de uma escalada de quase 8 mil pontos em poucos dias. 

A inflação gringa e local pautou os últimos dias e agora o mercado já tem os seus olhos fixos na próxima pauta da vez: a decisão de política monetária do Banco Central e do Federal Reserve, que ocorrem na semana que vem. Em um misto de cautela pré-decisão e uma pausa para recuperar o fôlego da escalada, o Ibovespa recuou 0,49%, a 129.441 pontos na sessão de hoje, longe das mínimas do dia.

Para Rafael Passos, sócio da Ajax Capital, a bolsa brasileira conseguiu se afastar dos 128 mil pontos porque o cenário de curto prazo ainda continua bem favorável para o mercado local, com projeções cada vez melhores para a economia e uma tensão menor com relação ao futuro da política monetária dos países desenvolvidos. 

Depois de encostar nos R$ 5, o dólar à vista também passou por um movimento de acomodação. Além da realização após as quedas das últimas semanas, a moeda também acompanhou uma valorização do retorno dos títulos do Tesouro, o que leva a uma apreciação da divisa. No fim do dia, a alta foi de 1,12%, aos R$5,1227. Na semana, o avanço foi de 1,73%. 

Vamos aos números

Conforme já era esperado pelo mercado, o dragão da inflação segue buscando patamares cada vez mais elevados. Ao longo da semana, foi a expectativa por um cenário mais concreto que pautou os movimentos dos investidores. 

No Brasil, o IBGE divulgou que o índice nacional de preços ao consumidor amplo (IPCA) subiu 0,83% em abril, acima de todas as estimativas dos analistas consultados pela Broadcast. Em 12 meses, o índice acumula uma alta superior a 8%.  A alta das commodities, problemas na cadeia produtiva e a pressão da retomada da economia influenciam o índice. 

O mesmo ocorre nos Estados Unidos.  O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês), avançou 0,6%, acima dos 0,4% projetados pelo mercado. O Núcleo do CPI também avançou 0,7% contra os 0,5% esperados. Passos aponta que ainda que o número tenha vindo acima do consenso, o índice está próximo ao que o mercado já vinha esperando. 

Ponto de tensão 

Com a inflação pressionando, o foco se volta para o que farão os bancos centrais. No caso da inflação americana, a tensão gerada pelo número foi neutralizada por sinais de que o mercado de trabalho e alguns setores específicos da economia americana ainda se mostram fragilizados. Isso renova a aposta de que o Federal Reserve deverá manter a sua política monetária extremamente acomodatícia, acompanhando o discurso reforçado pelo Banco Central Europeu nos últimos dias e mostrando ao mercado que a retirada dos estímulos não será feita de forma brusca. 

Mas, aqui no Brasil, a questão fica mais complicada. Com as pressões transitórias se juntando a uma recuperação ainda incipiente, o mercado começa a se questionar até onde irá o Banco Central para contornar a alta dos preços. 

Para Marcos Mollica, gestor do Opportunity Total Master, a inflação salgada  indica que a meta do ano que vem também pode estar comprometida, o que faz com que o mercado trabalhe com uma possibilidade explosiva de juros e alguns investidores apostem em uma alta superior a de 0,75 ponto-percentual já contratada na última reunião.

Na visão do gestor, o próximo comunicado do Copom deve vir mais duro para resolver essas questões, abandonando o caráter “parcial” da normalização da taxa de juros, sinalizando uma nova alta de 0,75 p.p e indicando se o BC busca ou não atingir uma taxa neutra.  “Nesse ambiente, mesmo tendo prêmio na curva, o mercado fica tenso e não vai realizar tão cedo. Só quando a gente começar a ter uma ideia de onde vai parar a alta de juros”. 

Hoje os principais contratos de DI acabaram fechando próximos da estabilidade na ponta mais curta, mas os vencimentos de médio e longo prazo seguiram apresentando a mesma tendência de alta vista ao longo da semana, repercutindo o temor da inflação local. Confira as taxas de fechamento:

  • Janeiro/2022: de 5,30% para 5,29%
  • Janeiro/2023: de 6,92% para 6,96%
  • Janeiro/2025: de 7,94% para 8,05%
  • Janeiro/2027: de 8,42% para 8,53%

Sustentando o cenário

Se de um lado a inflação pesa, do outro os números da atividade mostram que, embora com atraso, o país finalmente parece ter engatilhado uma recuperação mais robusta, amenizando o cenário macro e fazendo com que as projeções dos principais bancos e casas de análise sejam revisados para cima. 

Na terça-feira (08), os números do varejo mostraram que a segunda onda da pandemia não atingiu o setor de forma tão expressiva quanto era esperado. O IBGE divulgou que as vendas subiram 1,8% em abril, acima das projeções. 

Hoje foi a vez do setor de serviços mostrar recuperação. O setor mostrou um crescimento de 0,7% em abril, ainda abaixo do patamar pré-pandemia, mas acima das expectativas de mercado. 

Sobe e desce

A Embraer ficou com o melhor desempenho da semana, na esteira do noticiário corporativo. A companhia anunciou na quinta-feira (10) que sua subsidiária Eve, que cuida da área de mobilidade urbana, está em negociação com a Zanite Acquisitions. Confira as maiores altas da semana:

CÓDIGONOMEVALORVARSEM
EMBR3Embraer ONR$ 21,0221,78%
HGTX3Cia Hering ONR$ 34,506,28%
LAME4Lojas Americanas PNR$ 22,365,72%
AZUL4Azul PNR$ 46,824,72%
BTOW3B2W ONR$ 67,324,62%

Confira também as maiores quedas da semana:

CÓDIGONOMEVALORVARSEM
CIEL3Cielo ONR$ 3,96-7,69%
PCAR3GPA ONR$ 38,66-7,40%
IGTA3Iguatemi ONR$ 42,48-6,80%
B3SA3B3 ONR$ 16,13-6,44%
MULT3Multiplan ONR$ 25,75-6,40%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Insights Assimétricos

Preparado para a Super Quarta? O que você precisa saber antes das decisões do Fed e do Copom sobre juros

Um ajuste dos juros, mantendo-os ainda abaixo do neutro (entre 5,5% e 6,5%), seria salutar. Uma alta para além disso, contudo, poderá comprometer a retomada brasileira

Caçadores de tendências

Itaú Asset lança mais 3 ETFs com foco em inovação nas áreas de saúde, tecnologia e consumo dos millennials

Gestora do Itaú agora aposta em índices de empresas globais ligadas a tendências de consumo que estão mudando a sociedade

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

As ações das novas petroleiras valem a pena?

Nos recentes movimentos de rotação de carteiras nos mercados, temos nos deparado com a dicotomia Velha Economia (empresas de segmentos tradicionais) e Nova Economia (empresas ligadas à tecnologia e novas formas de consumo). Dentro do que se convencionou chamar de Velha Economia, temos visto o destaque das empresas de commodities, justamente o forte do Brasil. […]

Problemas no paraíso

Cesp, Engie, AES Brasil e mais: seca reduz brilho de ações do setor de geração hídrica

Com menos água, as empresas geram menos em hidrelétricas, mas não ficam livres de cumprir os contratos de fornecimento de energia

Jabuti do bem?

MP da Eletrobras: contratação de térmicas a gás pode diminuir conta de luz, diz estudo da Abegás

A medida vem sendo criticada pela maioria das elétricas, que alegam que ela vai na contramão da modernização e competitividade do setor

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies