Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-05-12T12:27:19-03:00
Estadão Conteúdo
Ata do Pre-Copom

Entidades ouvidas pelo BC avisaram sobre risco de alta no IPCA antes do Copom

Os dados fazem parte dos resultados quantitativos agregados do questionário pré-Copom, que foram divulgados pela primeira vez pelo BC na manhã desta quarta-feira

12 de maio de 2021
12:26 - atualizado às 12:27
Banco Central do Brasil
Banco Central do Brasil - Imagem: Shutterstock

Antes da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) que definiu a elevação de 0,75 ponto porcentual da Selic (a taxa básica de juros) na semana passada, 67% das instituições financeiras consultadas pelo Banco Central atribuíam um risco de alta no cenário central para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2021. Para o IPCA de 2022, 53% citavam risco de alta.

Os dados fazem parte dos resultados quantitativos agregados do questionário pré-Copom, que foram divulgados pela primeira vez pelo BC na manhã desta quarta-feira, 12.

Na outra ponta, apenas 4% atribuíram risco de baixa para o IPCA tanto em 2021 quanto em 2022. A mediana das projeções das instituições para o IPCA este ano é de 5,00% e para o próximo ano de 3,60%.

Os dados indicam um desequilíbrio no cenário de riscos para a inflação - algo que já vem sendo apontado pelo próprio BC em seu cenário base, com predominância para o risco inflacionário.

Os porcentuais que fazem parte dos resultados quantitativos agregados do questionário pré-Copom serviram de base para que a instituição elevasse, na semana passada, a Selic de 2,75% para 3,50% ao ano.

A agregação do questionário mostra ainda que, antes da decisão sobre a Selic, 90% das instituições consultadas esperavam por uma bandeira tarifária de energia amarela em dezembro de 2021.

Volta ao pré-covid

A maioria das instituições financeiras espera que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil retorne ao patamar pré-covid-19 no quarto trimestre de 2021 ou no primeiro trimestre de 2022. Em um universo de 85 instituições, 29 delas acreditam que o PIB voltará ao nível anterior à pandemia no quarto trimestre deste ano. Outras 23 citam o primeiro trimestre de 2022.

Os números serviram de base para que o Comitê de Política Monetária (Copom) elevasse, na semana passada, a Selic de 2,75% para 3,50% ao ano.

Conforme os dados agregados, porém, há instituições mais pessimistas quanto à recuperação do PIB. Duas delas esperam o retorno ao patamar anterior à pandemia apenas no primeiro trimestre de 2023. Três delas citam o segundo trimestre de 2023.

Os números agregados revelam ainda que, considerando 89 instituições, 31% citam "risco de baixa" para seu cenário central do PIB em 2021; 39% veem "risco equilibrado"; 29% indicam "risco de alta".

Para 2022, 28% das instituições citaram "risco de baixa" para o cenário do PIB; 61% indicaram "risco equilibrado"; 11% citaram "risco de alta".

Projeções do PIB

A mediana das projeções das instituições para o PIB do Brasil no primeiro trimestre de 2021, na margem, estava em alta de 0,1% antes do encontro do Copom do BC. No caso de 2021, a mediana é de elevação de 3,2% e, para 2022, de alta de 2,5%.

Os dados agregados mostraram ainda que a mediana das projeções para o PIB no primeiro trimestre de 2021 ante o primeiro trimestre de 2020 está em queda de 0,3%. Para o segundo trimestre deste ano, está em alta de 9,6%.

Hiato do produto

A mediana das projeções das instituições financeiras para o hiato do produto brasileiro no primeiro trimestre de 2021 é de queda de 3,7%, conforme os dados agregados do questionário pré-Copom. Para o quarto trimestre de 2021, a mediana é de baixa de 2,7%.

O hiato do produto representa a diferença entre o PIB verificado e a estimativa do produto potencial de um país. Números negativos indicam que o PIB é inferior a seu potencial.

Os dados mostram ainda certa dispersão nas projeções sobre quando ocorrerá o fechamento do hiato do produto no Brasil.

Entre 75 instituições, 11 delas citaram o quarto trimestre de 2022; 16 indicaram o segundo trimestre de 2023; 13 citaram o ano de 2024. Há ainda instituições que citaram o fechamento do hiato em outros períodos, que vão do quarto trimestre de 2020 ao ano de 2027.

PIB no mundo

O documento divulgado nesta quarta-feira pelo BC também trouxe uma compilação das estimativas das instituições financeiras para o PIB nas principais economias globais. A projeção mediana para o PIB da China em 2021 é de alta de 8,5%. Já o PIB projetado para os EUA é de avanço de 6,5% e para a zona do euro de elevação de 4,2%.

Conforme o BC, 44% das instituições consideraram o ambiente externo "mais favorável" desde o encontro de março do Copom.

Outros 16% consideraram "menos favorável" e 40% classificaram o ambiente como "sem mudanças relevantes".

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

CARNE FORTE

Marfrig sobe mais de 5% hoje, mas ainda deve saltar 60% nos próximos meses, projeta Bank of America

O Bank of America recalculou as projeções financeiras para o próximo ano e vê a empresa lucrando muito mais do que o previsto no cálculo anterior

DESTAQUES DO DIA

Varejo abaixo do esperado derruba Magazine Luiza (MGLU3), mas companhias aéreas sobem forte com vacinas eficazes contra a ômicron

Enquanto o Magalu recua mais de 8%, as empresas do setor aéreo aproveitam para engatar uma recuperação

bitcoin (BTC) hoje

O rali de fim de ano do bitcoin (BTC) derrapou. E você, novato em criptomoeda, pode ser o culpado

O movimento de queda do bitcoin das últimas semanas veio dos novos investidores em cripto, chamados de short-term holders, segundo a Glassnode

DE OLHOS BEM FECHADOS

O IPO do cheque em branco chega ao Brasil: Alvarez & Marsal quer fazer oferta pública para lançar Spac na B3

Modalidade existe há mais de 20 anos nos EUA, mas ainda é inédita no Brasil; entenda como funciona

EXILE ON WALL STREET

Ele ainda vai te trazer boas lembranças: o Tesouro Direto em seu ano de ouro para a rentabilidade

Conheça o Super Renda Fixa, que apresenta as melhores oportunidades para investir na modalidade, seja nos títulos do Tesouro ou nos de emissores privados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies