Menu
2021-03-19T09:46:56-03:00
Renan Sousa
Esquenta dos Mercados

Bolsa deve repercutir pressão do Congresso em Bolsonaro e saída do presidente do BB

O cenário externo opera de maneira mista e, com a agenda fraca, noticiário político deve tomar as atenções dos negócios de hoje

19 de março de 2021
8:00 - atualizado às 9:46
Brasília
Imagem: Shutterstock

O cerco começou a se fechar no Congresso. Após a pesquisa de popularidade apontar uma piora na imagem do presidente no combate à pandemia e sua má gerência no cargo, a morte do senador Major Olímpio (PSL) em decorrência da covid-19 fez a Câmara e o Senado abrirem os olhos para o que já vem sendo dito: a pandemia deve ser levada à sério. 

O ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República, Eduardo Ramos, confirmou que fará uma reunião com o presidente Jair Bolsonaro na próxima quarta-feira (24). Enquanto isso, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), se viu obrigado a instaurar uma CPI para coordenar a gestão da crise. 

Por fim, ontem à noite, o presidente do Banco do Brasil, André Brandão, entregou o cargo após meses de pressão de Bolsonaro, que desgostou do plano de reorganização da estatal, com demissões e fechamento de agências. Essa é a nona baixa na equipe econômica de Guedes, que está cada vez mais cedendo às vontades do presidente. 

Com a fraca agenda de indicadores do dia e sem maiores desdobramentos políticos, confira mais notícias que podem afetar a bolsa nesta sexta-feira (19):

Falando sozinho

O presidente do Federal Reserve, o Banco Central americano, Jerome Powell parece descolado da realidade. Enquanto seu discurso segue pelo caminho da manutenção de incentivos monetários, com juros baixos e estímulos fiscais, o mercado teme pela alta da inflação dos Estados Unidos. 

Os títulos do Tesouro americano, os Treasuries, seguem em sua trajetória de alta, com os juros futuros disparando nos EUA. Isso foi visto pelo mercado como uma incapacidade (ou falta de vontade) da instituição em controlar a disparada da inflação.

De acordo com o Fed, a inflação deve ancorar em 2,0%, mas os investidores não estão tão otimistas quanto o BC americano. 

Auxílio emergencial

O presidente da república Jair Bolsonaro assinou na quinta-feira (18) a Medida Provisória (MP) que traz de volta o auxílio emergencial. De acordo com a proposta, serão quatro parcelas de R$ 150, R$ 250 e R$ 350, dependendo de onde o beneficiário se encaixar. 

O objetivo é ajudar famílias que já recebem o Bolsa Família e trabalhadores informais, um total de 45,6 milhões de pessoas. Ao menos 22,6 milhões de pessoas ficaram fora da nova rodada do auxílio. 

Lockdown

Com a piora da pandemia no Brasil, diversas cidades e estados estão adotando medidas mais restritivas de circulação. Na maior cidade do país, São Paulo adiantou feriados e adotou rodízio de carros das 22h até 5h.

No Rio de Janeiro, há restrição de circulação nas orlas das praias e outros locais públicos. Com as secretarias de saúde alertando para falta de vagas, escassez de medicamentos e desgaste dos profissionais da saúde, especialistas no setor afirmam que será preciso uma coordenação nacional para frear o avanço da pandemia, que levou, só nas últimas 24h, 2.724 vidas brasileiras

Bolsas pelo mundo

As bolsas da Ásia fecharam em baixa, motivadas pelo pregão negativo de Nova York, que também sentiram uma alta nos juros dos Treasuries. Confira:

  • Nikkei (Japão), queda de 1,41% 
  • Hang Seng Index (Hong Kong), queda de 1,41% 
  • Kospi (Coreia do Sul), queda de 0,86% 
  • Shanghai SE (China), queda de 1,69% 

Os índices europeus também sentiram a alta dos Treasuries e diminuíram seu apetite de risco no pregão de hoje. Por volta das 9h40, as bolsas apresentavam baixa:

  • Dax (Alemanha), queda de 0,46%
  • FTSE 100 (Reino Unido), queda de 0,89%
  • CAC 40 (França), queda de 0,65%
  • FTSE MIB (Itália), queda de 0,20%

Revertendo as perdas do dia anterior, os índices futuros apontam para um pregão com leves ganhos. Por volta das 9h40:

  • Dow Jones futuro, alta de 0,10%
  • S&P 500 futuro, alta de 0,27%
  • Nasdaq futuro, alta de 0,69%

Agenda do dia

Com a agenda fraca para hoje, os principais indicadores do dia são:

  • FGV: Prévia do índice de confiança da indústria em março (8h)
  • BC: leilão de 16 mil contratos de swap em rolagem (11h30)
  • EUA: O presidente Joe Biden discursa da Geórgia (17h40)

Empresas

Divulgam seus balanços hoje:

  • Embraer (antes da abertura)
  • Eletrobras (após o fechamento)

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

pandemia

Covid-19: número de mortes sobe para 361,8 mil no Brasil

Nas últimas 24 horas, foram registradas mais 3.459 mortes no país

seu dinheiro na sua noite

Petróleo, minério e tudo que há de bom

Entre o fantasma do Orçamento com pedaladas, a besta da PEC “fura-teto”, o gigante da CPI da Covid e o monstro da pandemia, o Ibovespa conseguiu hoje engatar a terceira alta seguida e fechar acima dos simbólicos 120 mil pontos, marca que o índice não via desde fevereiro. Mas como pode? Bem, mais uma vez […]

hoje não

Hering rejeita proposta da Arezzo para potencial fusão

Segundo a Cia. Hering, a proposta “não atende ao melhor interesse dos acionistas e da própria companhia”

Polêmica na privatização

CVM vai investigar CEEE por suposta omissão na divulgação de informações

A autarquia começará a apuração de uma denúncia de omissão de fatos relevantes sobre a privatização da estatal gaúcha

FECHAMENTO

Commodities em alta levam o Ibovespa acima dos 120 mil pontos pela primeira vez desde fevereiro; dólar recua

O clima incerto em Brasília segue assombrando os investidores, mas ainda assim a bolsa brasileira consegue fôlego com as commodities para se manter no azul

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies