Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-03-19T09:46:56-03:00
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo
Esquenta dos Mercados

Bolsa deve repercutir pressão do Congresso em Bolsonaro e saída do presidente do BB

O cenário externo opera de maneira mista e, com a agenda fraca, noticiário político deve tomar as atenções dos negócios de hoje

19 de março de 2021
8:00 - atualizado às 9:46
Brasília
Imagem: Shutterstock

O cerco começou a se fechar no Congresso. Após a pesquisa de popularidade apontar uma piora na imagem do presidente no combate à pandemia e sua má gerência no cargo, a morte do senador Major Olímpio (PSL) em decorrência da covid-19 fez a Câmara e o Senado abrirem os olhos para o que já vem sendo dito: a pandemia deve ser levada à sério. 

O ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República, Eduardo Ramos, confirmou que fará uma reunião com o presidente Jair Bolsonaro na próxima quarta-feira (24). Enquanto isso, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), se viu obrigado a instaurar uma CPI para coordenar a gestão da crise. 

Por fim, ontem à noite, o presidente do Banco do Brasil, André Brandão, entregou o cargo após meses de pressão de Bolsonaro, que desgostou do plano de reorganização da estatal, com demissões e fechamento de agências. Essa é a nona baixa na equipe econômica de Guedes, que está cada vez mais cedendo às vontades do presidente. 

Com a fraca agenda de indicadores do dia e sem maiores desdobramentos políticos, confira mais notícias que podem afetar a bolsa nesta sexta-feira (19):

Falando sozinho

O presidente do Federal Reserve, o Banco Central americano, Jerome Powell parece descolado da realidade. Enquanto seu discurso segue pelo caminho da manutenção de incentivos monetários, com juros baixos e estímulos fiscais, o mercado teme pela alta da inflação dos Estados Unidos. 

Os títulos do Tesouro americano, os Treasuries, seguem em sua trajetória de alta, com os juros futuros disparando nos EUA. Isso foi visto pelo mercado como uma incapacidade (ou falta de vontade) da instituição em controlar a disparada da inflação.

De acordo com o Fed, a inflação deve ancorar em 2,0%, mas os investidores não estão tão otimistas quanto o BC americano. 

Auxílio emergencial

O presidente da república Jair Bolsonaro assinou na quinta-feira (18) a Medida Provisória (MP) que traz de volta o auxílio emergencial. De acordo com a proposta, serão quatro parcelas de R$ 150, R$ 250 e R$ 350, dependendo de onde o beneficiário se encaixar. 

O objetivo é ajudar famílias que já recebem o Bolsa Família e trabalhadores informais, um total de 45,6 milhões de pessoas. Ao menos 22,6 milhões de pessoas ficaram fora da nova rodada do auxílio. 

Lockdown

Com a piora da pandemia no Brasil, diversas cidades e estados estão adotando medidas mais restritivas de circulação. Na maior cidade do país, São Paulo adiantou feriados e adotou rodízio de carros das 22h até 5h.

No Rio de Janeiro, há restrição de circulação nas orlas das praias e outros locais públicos. Com as secretarias de saúde alertando para falta de vagas, escassez de medicamentos e desgaste dos profissionais da saúde, especialistas no setor afirmam que será preciso uma coordenação nacional para frear o avanço da pandemia, que levou, só nas últimas 24h, 2.724 vidas brasileiras

Bolsas pelo mundo

As bolsas da Ásia fecharam em baixa, motivadas pelo pregão negativo de Nova York, que também sentiram uma alta nos juros dos Treasuries. Confira:

  • Nikkei (Japão), queda de 1,41% 
  • Hang Seng Index (Hong Kong), queda de 1,41% 
  • Kospi (Coreia do Sul), queda de 0,86% 
  • Shanghai SE (China), queda de 1,69% 

Os índices europeus também sentiram a alta dos Treasuries e diminuíram seu apetite de risco no pregão de hoje. Por volta das 9h40, as bolsas apresentavam baixa:

  • Dax (Alemanha), queda de 0,46%
  • FTSE 100 (Reino Unido), queda de 0,89%
  • CAC 40 (França), queda de 0,65%
  • FTSE MIB (Itália), queda de 0,20%

Revertendo as perdas do dia anterior, os índices futuros apontam para um pregão com leves ganhos. Por volta das 9h40:

  • Dow Jones futuro, alta de 0,10%
  • S&P 500 futuro, alta de 0,27%
  • Nasdaq futuro, alta de 0,69%

Agenda do dia

Com a agenda fraca para hoje, os principais indicadores do dia são:

  • FGV: Prévia do índice de confiança da indústria em março (8h)
  • BC: leilão de 16 mil contratos de swap em rolagem (11h30)
  • EUA: O presidente Joe Biden discursa da Geórgia (17h40)

Empresas

Divulgam seus balanços hoje:

  • Embraer (antes da abertura)
  • Eletrobras (após o fechamento)

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Podcast Mesa Pra Quatro

De corretor de investimentos a árbitro e comentarista de futebol: conheça a trajetória de Arnaldo Cézar Coelho

O ex-árbitro e ex-comentarista de futebol é o convidado do podcast Mesa Pra Quatro. Ele conta como sua mãe influenciou a investir em imóveis e fala sobre a sua trajetória no mercado financeiro, um lado que poucos conhecem – confira agora

nome limpo na praça

Boa Vista (BOAS3): Itaú BBA inicia cobertura com ‘compra’ e potencial de alta de 27%

Preço-alvo para 2022 foi estabelecido em R$ 15,50, apoiado na tese de crescimento da companhia e do mercado de serviço de informações de crédito

de olho na inovação

Bitcoin é ineficiente como moeda e bom apenas para especulação, diz ‘Papa’ do valuation

Damodaran disse que a importância que tem sido dada ao bitcoin é desproporcional em relação ao seu papel na economia e minimizou a adoção da criptomoeda por El Salvador

entrevista

Para economista-chefe do Santander Brasil, flexibilização do teto de gastos já é uma realidade

É preciso entender a dinâmica do momento para não entrar em escaladas “otimistas” ou “pessimistas”, diz Ana Paula Vescovi

pós-fusão

Ações da Hering (HGTX3) deixam de ser negociadas na B3 a partir desta segunda (20)

Transferência de papéis faz parte do acordo de fusão entre as companhias; Soma comprou a Hering em abril

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies