Menu
Richard Camargo
Estrada do Futuro
Richard Camargo
Formado em Economia pela Universidade de São Paulo, Richard trabalhou por 5 anos na área tecnológica até chegar na Empiricus.
2021-05-02T11:44:47-03:00
ESTRADA DO FUTURO

A qual dessas 5 tribos de investidores você pertence?

Descubra que tipo de investidor você é — coelho, caçador, assassino, conhecedor ou corsário — e como uma boa execução é a chave para se obter bons retornos no mercado

2 de maio de 2021
7:12 - atualizado às 11:44
Tipos Investidor Silhuetas Coelho Caçador Assassino Conhecedor Corsário
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Olá, seja muito bem vindo ao nosso papo de domingo que às vezes é sobre tecnologia, às vezes sobre investimentos, mas raramente sobre algo interessante. 

Se você já investiu em renda variável em algum momento da sua vida, deve ter se perguntado o que fazer com uma posição perdedora. 

Vender? Não fazer nada? Comprar mais? 

Bom, recentemente eu li um livro inteiro basicamente sobre isso, e ele é incrível. 

Falo do Art of Execution, do investidor Lee Freeman-Shor. Infelizmente, disponível apenas em inglês. 

Meu objetivo, hoje, é fazer um resumo para você sobre o que Lee pensa a respeito do assunto.

O desafio de Shor

O livro começa com uma historinha, um desafio que Lee propôs a 45 dos melhores investidores do mundo. 

Ao longo de sete anos, os amigos de Lee receberam alguns milhões de dólares para investir, sob uma condição: eles poderiam investir apenas em suas 10 melhores ideias. 

Na teoria, é o que todos deveríamos fazer, não é mesmo? Investirmos por muito tempo, apenas em nossas melhores ideias. 

Na prática, porém, as coisas não costumam sair como o planejado. 

Entre os 45 amigos de Lee, a maioria fez escolhas péssimas, apesar de serem grandes gestores. Ideias que simplesmente tiveram performances ruins. 

Ainda sim, a maioria deles acabou fazendo muito dinheiro ao final do período. 

Como? 

Em resumo, com uma boa execução. Navegar bem nos humores do mercado se mostrou muito mais importante do que a capacidade de selecionar de antemão as próximas grandes valorizações. 

Mas ok, execução é genérico demais. 

Para o tornar o negócio objetivo, Lee classificou o comportamento de seus gestores em cinco tribos. 

São elas (perdoe as traduções): coelhos (rabbits), caçadores (hunters), assassinos (assassins), conhecedores (connaisseurs) e corsários (raiders).

As três primeiras categorias explicam a maneira como os investidores lidam com suas perdas, enquanto as duas últimas, como eles gerem seus ganhos. 

Coelhos são os investidores mais passivos, aqueles que não fazem absolutamente nada com seus trades perdedores. 

Por se tratarem de investidores profissionais, o "não fazer nada" está longe de ser a postura tranquila de um investidor que mira um longo horizonte de tempo. 

Na verdade, os coelhos estavam mais preocupados em estarem certos do que em ganhar dinheiro. 

Para todas as suas posições perdedoras, eles possuíam uma série de bons argumentos para explicar como o mercado ainda não havia percebido o tamanho da oportunidade que eles tinham visto. 

Naturalmente, os coelhos cultivavam uma tendência a terceirizar a culpa por suas decisões ruins de investimento. 

Em resumo, eram investidores com dificuldades em se adaptar, em se questionar se não existia nenhum furo em suas teses de investimento. 

Os assassinos, na definição de Lee, eram os investidores que rapidamente vendiam suas posições perdedoras. 

Raramente acumulavam prejuízos maiores do que 20%, liquidando rápido a fatura. 

Faz sentido, não? 

Mais ou menos. Lee descobriu que os assassinos tinham o costume de cortar para os dois lados. Eles vendiam rápido não só os seus prejuízos, mas também os seus lucros. 

No geral, os assassinos jogaram um jogo de upsides e downsides limitados, perdendo 20% e ganhando 20%; como os erros naturalmente incidem com maior frequência que os ganhos, foram outro grupo a performar mal na amostra. 

Os caçadores

Confesso que, lendo o livro, torci por eles. 

Os caçadores eram os espécimes mais raros entre os investidores selecionados por Lee. Eram aqueles com o sangue frio de frequentemente aumentarem posições quando o mercado caía. 

É o clássico conceito de Warren Buffett. Se você gosta de hambúrgueres e eles estão ficando mais baratos, você deveria ficar feliz e comprar mais deles. 

Infelizmente, na vida real, Lee descobriu o quanto é difícil imitar o mago de Omaha. A maioria dos poucos caçadores performou mal. 

Na maioria das vezes em que eles acreditaram estar comprando um excelente negócio a preços cada vez menores, estavam na verdade fazendo o famoso "preço mérdio".

Assim como Lee, ainda nutro carinho pelos caçadores, podendo sintetizar em três lições a maneira de evitar a maldição do preço mérdio. 

(i) Tenha um limite de perdas cumulativas. É um absurdo pensar que você pode perder mais do que 100% do capital investido ao aumentar posições conforme uma ação cai. Se imponha limites.

(ii) Se a empresa em questão estiver muito alavancada, evite a tentação de aumentar sua posição. Ela pode sim sair dessa situação, mas no geral, esse é um tipo de caso que tende a acabar mal. 

(iii) Se houver um risco latente de disrupção, não aumente sua posição num drawdown. O mercado demora, mas quando ele decide apostar na obsolescência de algo, a inteligência coletiva costuma superar a individual.

E os ganhos, como lidar?

Na classificação de Lee, nos restam ainda duas tribos, os connaisseurs ("conhecedores" é uma tradução horrível, perdão) e os corsários (raiders). 

Raiders eram a versão vencedora dos coelhos. Foram investidores que selecionaram bem seus 10 cavalos, mas realizaram rapidamente seus lucros. 

Estavam tão preocupados em estarem corretos, que embolsavam lucros de 20-30% como um "certificado de competência" e deixavam na mesa os grandes upsides. 

Enquanto os connaisseurs eram simplesmente aqueles que deixavam suas posições vencedoras rolando por muito tempo. 

Mesmo quando o mercado dizia estarem caras, prestes a serem impactadas por "X, Y, Z...", os connaisseurs mantinham a serenidade e a humildade de reconhecer que existem muitas coisas que sequer não sabemos que não sabemos. 

Os connaisseurs, basicamente, assumem que nunca poderão prever o próximo iPhone.

Conclusão

A esta altura, eu estava me perguntando como juntar todas as peças do quebra cabeças de tribos de Lee. 

Imagino que você também. 

O livro é excelente, e recomendo muito a leitura se você estiver confortável com o idioma. 

A única conclusão geral que tirei é sobre a importância da execução. Não à toa, o livro se chama Arte da Execução… mas geralmente dedicamos mesmo um tempo muito maior à ideia do que à execução. 

Concluo também que os coelhos são a pior das tribos, e precisamos lutar contra isso enquanto investidores. Nossas paixões podem nos acompanhar no almoço de domingo, não podem se impor quando estivermos em frente ao home broker.

Precisamos fazer alguma coisa, mesmo que a escolha seja não fazer nada, como os caçadores o fazem nos três cenários que mencionei. 

Não fazer nada é válido enquanto escolha consciente, depois de nos perguntarmos se não estamos influenciados por nossas paixões. 

Além disso, é importante nos educarmos a respeitarmos nossos trades vencedores. Alguns poucos acertos podem pagar a conta de uma dezena de pequenos erros.  

Até a próxima,

Contato

Se você gostou dessa coluna, pode entrar em contato comigo através do e-mail [email protected], com ideias, críticas e sugestões. 

Também pode conhecer o fundo de investimentos que implementa as ideias que eu, o Rodolfo Amstalden e Maria Clara Sandrini nos dedicamos semanalmente a produzir. 

E claro, siga acompanhando meu trabalho através do Podcast Tela Azul, em que, todas as segundas-feiras, eu e meus amigos André Franco e Vinicius Bazan falamos sobre tecnologia e investimentos.

Aproveite para se inscrever no nosso Telegram; todos os dias, postamos comentários sobre o impacto da tecnologia no mercado financeiro (e no seu bolso).

Um abraço!

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

BANCÕES EM ALTA

Lucro do Banco do Brasil sobe 44,7% no 1º trimestre e atinge R$ 4,9 bilhões

O Banco do Brasil (BB) registrou lucro líquido ajustado de R$ 4,9 bilhões no primeiro trimestre deste ano, 44,7% maior que os R$ 3,4 bilhões reportados em igual período de 2020 e 32,9% superior ao resultado obtido nos últimos três meses do ano passado. “O lucro recorde para um trimestre é resultado de uma estratégia […]

Vol é vida?

Lucro líquido da B3 cresce 22,5% e atinge R$ 1,25 bi no 1º trimestre

O lucro líquido recorrente atingiu R$ 1,4 bilhão, alta de 15,5% frente ao mesmo período do ano passado e de 15,2% na comparação com o trimestre anterior

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

O Carnaval fora de época da Ambev e mais…

O varejo tem várias datas importantes: dia das mães, dia dos pais, dia das crianças, dia dos namorados, Black Friday, Natal… Há uma data comemorativa em quase todos os meses, e todas são aguardadas com ansiedade pelo setor — afinal, qualquer impulso nas vendas é bem vindo. Pois para a Ambev, a coisa funciona um […]

FECHAMENTO DO DIA

Balanços e commodities metálicas ditam o ritmo e Ibovespa fecha em alta; dólar volta à casa dos R$ 5,20

Com a agenda de indicadores fracas e um Copom sem grandes surpresas, os investidores se debruçaram nos números do trimestre e no novo recorde do minério de ferro.

Queda no apetite

Fed sinaliza risco de tombo nos preços de ativos em relatório de estabilidade

O banco central dos EUA demonstrou preocupação com um possível declínio no apetito ao risco dos investidores norte-americanos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies