Menu
2021-01-20T08:40:55-03:00
Rafael Lara
Rafael Lara
Estudante de jornalismo na Faculdade Cásper Líbero de São Paulo. Trabalhou em empresas como: TV Gazeta, Suno Research e Portal iG.
Esquenta dos mercados

Mercado amanhece agitado com posse de Biden, Copom e pandemia

Para você querido investidor que ama um “econoflix”, hoje é dia de pegar a pipoca e acompanhar estes eventos.

20 de janeiro de 2021
8:40
shutterstock_1855705486
O presidente eleito dos EUA, Joe Biden. - Imagem: Shutterstock

Depois de um dia em que os investidores seguraram a emoção com a aprovação da vacina contra covid-19 no País e se atentaram à logística duvidosa brasileira, os holofotes apontam agora para Joe Biden, que após choro, sofrimento e revolta (de Trump), tomará posse como presidente dos Estados Unidos.

Leia também:

No radar dos investidores também está a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que anunciará sua decisão para a taxa básica de juros, a Selic (o mercado espera manutenção da Selic em 2% ao ano), e a pandemia, que expõe aos investidores a crise de insumos e logística para a distribuição da vacina aprovada pela Anvisa (e que havia enchido, mesmo que por poucos minutos, os corações de esperança).

Brasília também deve estar no radar dos investidores, com as possíveis movimentações de Jair Bolsonaro para aumentar sua popularidade e a eleição na Câmara dos Deputados, que se aproxima.

Por volta das 8h17, os índices futuros norte-americanos operavam em alta, juntamente com as principais praças europeias, que registram alta de 0,10% a 0,64%.

Tocou o alarme

No último domingo (17), a Coronavac, vacina desenvolvida pelo Instituto Butantã em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, foi aprovada e, com isso, um grande cerimonial foi feito em torno disso.

Era praticamente impossível você não ver uma única postagem nas redes que não fosse sobre a vacina e como a esperança estaria de volta ao futuro brasileiro. Contudo, o alarme tocou e os investidores acordaram.

Na última terça-feira (19), menos de 48 horas após a aprovação, o mercado reagiu negativamente a uma série de incertezas logísticas e de falta de insumos para a fabricação da vacina.

A bolsa fechou em baixa de 0,50%, aos 120.636,39 pontos, puxada pelas empresas de commodities. Já o dólar subiu, na contramão do otimismo externo, com uma alta de 0,77%, aos R$ 5,3456.

Posse de Biden e Copom agitam o dia

Após meses de brigas, o presidente eleito dos EUA, Joe Biden, tomará posse. O esquema de segurança é sem precedentes, por conta do ataque ao Capitólio no dia 6 de janeiro pelos apoiadores de Donald Trump.

Além de toda a força policial de Washington DC e dos municípios que enviaram reforços, a cerimônia terá a presença de 21 mil membros da Guarda Nacional. Para se ter uma noção, os EUA mantem hoje mais militares em sua capital do que todos aqueles que estão no Iraque e no Afeganistão, somados.

O Copom também terá destaque no dia, com a decisão para a Selic – o mercado aposta na manutenção em 2% ao ano. O encontro pode trazer novidades, com uma grande expectativa para a retirada do forward guidance da comunicação do Banco Central (BC), acabando com o compromisso de não elevar os juros básicos do Brasil.

Agenda do dia

Para você, querido investidor, que ama um "econoflix", hoje é dia de pegar a pipoca e acompanhar estes eventos:

  • Antes da abertura do mercado, Morgan Stanley, Procer & Gamble e a UnitedHealth divulgarão seus balanços trimestrais. A United Airlines, por sua vez, divulgará após o fechamento do mercado;
  • Às 9h, a Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, participará de uma conferência de imprensa no Parlamento Europeu;
  • Às 14h acontecerá a cerimônia de posse do presidente eleito dos EUA, Joe Biden;
  • E às 18h30, o Banco Central anunciará sua decisão para a Selic.
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Proventos

Banco do Brasil anuncia pagamento de R$ 416 milhões em Juros sobre Capital Próprio (JCP)

Terão direito ao provento os investidores com posição acionária na empresa no dia 11 de março

o melhor do seu dinheiro

Brandão balança mais não cai?

Chegamos ao fim de mais uma semana tensa nos mercados, que começou com a derrocada das ações da Petrobras, em razão da interferência do governo na presidência da estatal, e termina com pressões na bolsa e no dólar motivadas pelas preocupações dos investidores com a inflação nos Estados Unidos e alta nas taxas dos títulos […]

URGENTE

Hapvida e NotreDame chegam a um acordo sobre fusão, afirma site

A maior combinação entre duas empresas brasileiras criará uma gigante do setor de saúde, com um valor de R$ 110 bilhões.

fechamento da semana

Tensão em Brasília leva Ibovespa de volta aos 110 mil pontos e afunda estatais; dólar vai a R$ 5,60

Em semana marcada pela tensão entre governo e mercado, o Ibovespa recuou 7,09%, de volta aos 110 mil pontos. O dólar disparou acima dos R$ 5,60

Abandonando o barco?

Ações do Banco do Brasil recuam quase 5% com possibilidade de saída de André Brandão

Brandão tem mostrado insatisfação com o cargo e quer deixar o comando da estatal, segundo jornal; BB nega que presidente tenha renunciado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies