Menu
2021-03-24T11:35:32-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Planos adiados

Primeira funerária que pretende abrir capital na B3 suspende IPO

Dono de dez cemitérios, Grupo Cortel havia entrado com pedido de abertura de capital na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) em novembro

24 de março de 2021
11:35
Cemitério
Imagem: Shutterstock

Os planos da primeira empresa de serviços funerários que pretende ter suas ações listadas na bolsa brasileira foram adiados. O Grupo Cortel pediu a interrupção da análise da oferta pública de ações (IPO, na sigla em inglês) até o dia 18 de junho.

A empresa, que se define como uma das líderes na cadeia de atendimento do setor de luto, havia entrado com pedido de abertura de capital na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) em novembro.

Fundado no Rio Grande do Sul em 1963, o Grupo Cortel trabalha com cremação (incluindo a de animais de estimação), funerais e serviços auxiliares e faturou quase R$ 84 milhões no ano passado.

Leia também:

O Cortel possui dez cemitérios, todos próximos a centros urbanos, cinco crematórios, um crematório de animais, uma casa funerária, mais de 40 salas de velórios, oito capelas cerimoniais e duas capelas históricas. Realiza, por ano, cerca de 4,9 mil sepultamentos e 5,5 mil cremações.

A empresa pretende usar parte dos recursos captados na bolsa para aquisições. A oferta também prevê a venda de parte das ações dos atuais sócios, incluindo a família do fundador, José Elias Flores, e fundos de investimentos. A XP Investimentos é a coordenadora do IPO do Grupo Cortel.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Carteira digital

PicPay entra com pedido de IPO na Nasdaq

Aplicativo atingiu recentemente a marca de 50 milhões de usuários, mas crescimento veio acompanhado de um prejuízo de mais de R$ 800 milhões só no ano passado

Mercados hoje

Bolsas sobem em Nova York após dois dias de queda; índice de empresas brasileiras avança apesar do petróleo

Otimismo com retomada da economia norte-americana impulsiona bolsas. A maior surpresa do dia é o Nasdaq, que sobe mesmo com o peso das ações da Netflix

O varejo ferve

Renner mira compra da Dafiti com recursos da oferta de ações

Varejista anunciou captação de até R$ 6,5 bilhões na bolsa e pode usar os recursos para fazer uma proposta pelo e-commerce de moda

Pouso forçado

Demanda por voos deve encerrar o ano em menos da metade do nível pré-pandemia

O prejuízo total das companhias aéreas em 2021 deve ficar entre US$ 47 bilhões e US$ 48 bilhões, de acordo com a ação Internacional de Transporte Aéreo (Iata)

Agora vai?

Governo vai reduzir valor de arrecadação por áreas “micadas” do pré-sal em novo leilão

A arrecadação que o governo pretende receber pela exploração de dois campos do pré-sal foi reduzida em R$ 25,5 bilhões; novo leilão deve acontecer em dezembro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies