IPCA + 8% e outros títulos ‘premium’: receba as melhores ofertas de renda fixa no seu WhatsApp

Cotações por TradingView
2021-03-22T18:43:49-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo pela Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO

Ibovespa se recupera parcialmente, mas crise na Turquia e pandemia fazem bolsa abrir a semana em queda

Na parte da tarde, o mercado local conseguiu aliviar o cenário negativo, mas ficou longe de surfar a onda positiva vista em Nova York

22 de março de 2021
18:25 - atualizado às 18:43
Ibovespa mercados queda
Imagem: Shutterstock

O fantasma que assombra os mercados nas últimas semanas decidiu tirar o dia de folga, o que abriu espaço para outra assombração (inesperada) brilhar. 

Enquanto o rendimento dos títulos públicos americanos recuaram - tirando parte da pressão vendedora da bolsa e deixando espaço para que o Nasdaq puxasse uma alta em Nova York -, a troca inesperada do presidente do Banco Central turco fez com os mercados emergentes patinarem nesta segunda-feira (22). 

A bolsa brasileira fechou longe das mínimas, bem próximo dos 115 mil pontos, mas ainda assim pesando a situação preocupante da pandemia do coronavírus no país e as incertezas políticas na Turquia. O Ibovespa fechou o dia em queda de 1,07%, aos 114.978. Em dia de derretimento da Lira turca, o que por tabela mexeu com as principais divisas dos países emergentes, o dólar à vista teve um avanço de 0,59%, a R$ 5,5179 - longe das máximas do dia.

O que ajudou o mercado local a aliviar parte do noticiário negativo foi o forte desempenha da arrecadação de fevereiro, que somou R$ 127,747 bilhões, acima da mediana de projeções do mercado. Além disso, o ministro da Economia, Paulo Guedes, reforçou a importância da vacinação para a recuperação econômica. A declaração vem em um momento extremamente delicado da pandemia no País.

Mesmo com a recente elevação na taxa de juros brasileira, o mercado segue precificando uma alta ainda maior da inflação. O relatório Focus desta segunda-feira trouxe também uma elevação da projeção para a Selic - que passou de 4,5% ao ano para 5%. Essa leitura se reflete no mercado de juros futuro, que desacelerou na reta final, mas ainda fechou o dia em alta. Confira as taxas de fechamento do dia. 

  • Janeiro/2022: de 4,62% para 4,60%
  • Janeiro/2023: de 6,21% para 6,37%
  • Janeiro/2025: de 7,59% para 7,73%
  • Janeiro/2027: de 8,08% para 8,22%

Descontrole

A escalada de mortes em decorrência da covid-19 tem levado a uma cobrança pública de diversos setores da sociedade para o controle da situação, incluindo economistas e membros do Congresso. No domingo (21), renomados economistas assinaram uma carta aberta em que pedem medidas mais efetivas no combate à pandemia.

A falta de perspectiva para o andamento da vacinação no país e a necessidade de medidas mais enérgicas para conter o vírus por parte dos Estados respingam em Brasília, com a pressão aumentando cada vez mais sobre o Executivo. 

O presidente Jair Bolsonaro segue condenando as novas restrições impostas pelos governadores, ao mesmo tempo que busca destacar que tem negociado a compra de novas doses de vacinas contra a covid-19 com diversos laboratórios. 

Essa queda de braço acaba refletindo nos ativos brasileiros, mostrando um cenário um tanto errático, segundo o analista da Apollo Investimentos Victor Benndorf, já que ao mesmo tempo que o mercado comemora as negociações também fica cauteloso com a falta de horizonte para que essas doses realmente estejam disponíveis para a população. 

A situação da pandemia na Europa também pesa sobre os mercados, com uma terceira onda de contágio ganhando contornos mais firmes, em meio a uma crise com relação à vacinação no continente. O Velho Continente voltou a aplicar a vacina da AstraZeneca após a confirmação que o imunizante não causava trombose nos pacientes, mas ainda assim as bolsas do continente operaram sem uma direção definida. 

Com o prolongamento dos lockdowns no Brasil, sem uma data para que as novas quarentenas sejam de fato aliviadas, e novas medidas restritivas no exterior, as projeções de crescimento começam a ser mais uma vez revisadas para baixo, o que não colabora para aliviar o cenário.

Ah, a inflação...

A tensão com relação ao ritmo de vacinação na Europa não é a única preocupação no mercado internacional e o Brasil não é o único país que sofre com decisões do presidente indo contra o esperado pelo mercado. Uma crise com origem na Turquia minou o desempenho positivo dos mercados nesta segunda-feira, principalmente nos países emergentes. 

A preocupação com a inflação em escala global tem sido um assunto persistente nos últimos meses. Nos Estados Unidos, essa pressão tem levado a uma elevação dos rendimentos dos juros futuros. Em países emergentes, com menos espaço para atuação, os BCs começam a tirar os seus estímulos, elevando as taxas de juros.

A decisão do presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, de trocar o presidente do BC do país pela terceira vez desde 2019, após uma alta na taxa básica de juros para 19% ao ano que visava conter o avanço da inflação, não pegou bem no mercado.

O movimento levou a Lira turca a derreter, recuando mais de 15%. O mercado acredita que a crise desencadeada por lá pode afetar os outros países emergentes. Para Marcio Lórega, analista técnico da Ativa Investimentos, a atuação do presidente turco gera uma forte instabilidade política e econômica que acaba sendo gerada e causa preocupação com relação a uma mudança de postura na condução da taxa de juros. 

José Luiz Rossi, economista da Investmind, ressalta que esse movimento também reflete parte da preocupação com o crescimento da inflação em diversos países do mundo. Entre os emergentes, Brasil, Rússia e Turquia, são os países que os BCs estão reagindo, mesmo ainda em cenário de pandemia, e que esse tema deve persistir nos próximos meses.

Benndorf, da Apollo Investimentos, reforça que a situação lembra os investidores que os emergentes “nunca estão bem posicionados para uma situação de crise” e a substituição do chefe do BC turco foi um lembrete dessa realidade cheia de riscos extras. No entanto, há menos que existam outros desdobramentos, o analista não acredita que esse deva continuar sendo um driver limitante nos próximos dias. Os olhos dos investidores de fato devem se voltar para a situação da pandemia. 

De olho no Fed

Nos Estados Unidos, os investidores passam mais um dia atentos aos juros e aos sinais de que a política monetária do país deve se manter inalterada.

Pela manhã, o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, voltou a declarar que o banco central americano irá apoiar a recuperação da economia do país pelo tempo que for necessário. Assim, os juros futuros - principalmente os de vencimento mais longo -, que seguem uma tendência de alta expressiva nas últimas semanas, deram uma trégua.

Aproveitando o momento, as bolsas americanas operaram com alta, puxadas principalmente pelo desempenho das ações do setor de tecnologia. Ao fim do dia, o Nasdaq avançou 1,23%, o S&P 500 teve alta de 0,70% e o Dow Jones, que vem performando melhor do que o restante dos índices, subiu 0,32% hoje. 

Sobe e desce

As incógnitas na mesa abarcam diversas frentes - política, sanitária, reformas, etc - o que acaba deixando o mercado um tanto “em cima do muro” e dá espaço para uma rotação setorial maior, com alguns investidores indo atrás de barganhas - como as administradoras de shopping, que avançaram mesmo diante das expectativas ruins com o cenário da pandemia. 

“Ficamos com aquela briga de especulação versus crise. É muito importante focar nas empresas, não ficar olhando o fluxo e  sim muita convicção para o longo prazo”, afirma Benndorf. 

Com o câmbio jogando a favor, os frigoríficos tiveram um dia de avanço, também pesando os números positivos sobre a importação de proteínas da China. 

Na ponta da tabela, o destaque ficou mais uma vez com a ação do GPA. Depois de recuar forte com a estreia do seu braço de atacarejo na bolsa, o Assaí, a companhia tem se recuperado nos últimos dias. Pesam a favor rumores sobre desinvestimentos que podem ser favoráveis para a companhia. Confira as principais altas do dia:

CÓDIGONOME R$VARIAÇÃO
PCAR3GPA ON         29,735,02%
BEEF3Minerva ON         10,123,16%
MRFG3Marfrig ON         16,382,63%
TOTS3Totvs ON         29,411,73%
CPLE6Copel PN            7,081,29%

Na ponta contrária, temos empresas do setor aéreo e commodities recuando de forma expressiva. Com sinais de que a economia chinesa pode colocar o pé no freio, já que foi a primeira a sair da crise gerada pelo coronavírus, o minério de ferro - que subiu expressivamente nos últimos meses - passa por uma correção. Confira as principais quedas:

CÓDIGONOME R$VARIAÇÃO
EMBR3Embraer ON         13,44-7,37%
AZUL4Azul PN         39,50-5,93%
PRIO3PetroRio ON         90,25-3,92%
GOLL4Gol PN         20,80-3,21%
USIM5Usiminas PNA         17,21-3,21%

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

BOLSOS CHEIOS

Dividendos e JCP: Itaú (ITUB4) anuncia pagamento de proventos; confira valores e prazos

28 de novembro de 2022 - 20:34

A distribuição será realizada até 28 de abril de 2023; provento considera a incidência de 15% de imposto de renda retido na fonte

EXILE ON WALL STREET

O raio não cai duas vezes no mesmo lugar: das big techs à PEC da Transição

28 de novembro de 2022 - 19:50

Do lado das big techs, é difícil reconhecer o próximo bull market. Do lado da PEC da Transição, estamos emperrados no valor a ser considerado fora do teto e o prazo.

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

PEC da Transição é protocolada no Senado, os protestos na China e projeções para 2023; confira os destaques do dia

28 de novembro de 2022 - 19:25

Sem grandes divulgações econômicas marcadas para esta segunda-feira (28) e com um jogo da seleção brasileira no início da tarde, o dia foi morno para a B3.  Assim como no jogo de estreia do time do técnico Tite, as negociações não foram interrompidas enquanto a bola rolava, mas a falta de novidades no cenário político […]

FECHAMENTO DO DIA

Petrobras (PETR4) evita queda maior, mas Ibovespa recua antes de apresentação da PEC da Transição; dólar e juros também caem

28 de novembro de 2022 - 19:09

Com o volume de negociações menor no Ibovespa, o índice ficou próximo do zero a zero, aguardando detalhes sobre a PEC protocolada apenas no fim da tarde

TEMORES CONFIRMADOS?

Lula vai barrar venda de ativos da Petrobras (PETR4)? Primeira reunião da estatal com equipe de transição indica que sim, mas apenas em casos especiais; veja quais

28 de novembro de 2022 - 19:05

A equipe enviará um ofício ao Ministério de Minas e Energia para adiar os desinvestimentos até que o presidente eleito tome posse

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies