Menu
2021-03-29T16:24:18-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
MERCADOS HOJE

Ibovespa segue instável com exterior negativo e queda de dois ministros no mesmo dia

Cautela no exterior e no cenário doméstico dificultam um movimento de recuperação

29 de março de 2021
10:27 - atualizado às 16:24
Selo Mercados Touro e Urso Baixa
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A semana nem bem começou e os investidores brasileiros já encontram um dia cheio pela frente. No cardápio, temos crises para todos os gostos - política, econômica e fiscal -, o que gera um sentimento elevado de aversão ao risco. O exterior também não ajuda. A pressão negativa do setor financeiro lá fora deteriora ainda mais o cenário. 

Para que a bolsa local tenha fôlego para uma recuperação, serão precisos notícias positivas, mas elas são escassas ou inexistentes no momento. Desde o começo do dia a bolsa brasileira tem operado com grande instabilidade e a segunda-feira está sendo marcada pela saída de dois ministros do governo: Ernesto Araújo, das Relações Exteriores, e o general Fernando Azevedo, da pasta da Defesa.

O bom desempenho das empresas do setor de commodities ajuda o Ibovespa a tentar se firmar em alta. Por volta das 16h, o principal índice da bolsa brasileira operava em alta de 0,19%, aos 114.994 pontos.

A saída do ministro Ernesto Araújo, anunciada no começo da tarde, tira um pouco da pressão do dólar. Mais cedo, a moeda americana chegou a ultrapassar a casa dos R$ 5,80, de olho na crise no Congresso e na repercussão do Orçamento 2021. No mesmo horário, a divisa tinha alta de 0,67%, a R$ 5,7799.

A preocupação com o cenário fiscal brasileiro e o pessimismo no exterior pesaram sobre o mercado de juros pela manhã, mas agora os principais contratos reduziram o ritmo de alta. Confira as taxas de hoje:

  • Janeiro/2022: de 4,68% para 4,75%
  • Janeiro/2023: de 6,51% para 6,65%
  • Janeiro/2025: de 8,12% para 8,25%
  • Janeiro/2027: de 8,71% para 8,81%

Pedaladas desagradáveis

A aprovação do Orçamento de 2021 é um dos principais elementos de cautela. A leitura é de que o texto abre margens para "pedaladas fiscais" e não impõe nenhum compromisso com o teto de gastos. Além disso, a quantidade e valor destinado às emendas parlamentares tem deixado o mercado e os próprios políticos desconfortáveis.

Mas esse está longe de ser o único motivo de cautela em Brasília. Além da tensão com relação à pandemia - que segue fora de controle -, o mercado doméstico também monitora uma nova crise institucional, dessa vez envolvendo o ministro das relações exteriores, Ernesto Araújo, e o Senado.

Há pouco, foi anunciado que Araújo pediu demissão do cargo, após muitas polêmicas e pressões de diversas camadas da sociedade. A saída do chanceler, no entanto, está longe de ser o suficiente para acalmar os ânimos na capital federal. 

A nova crise teve origem após o ministro acusar a senadora Katia Abreu de fazer lobby para os chineses com relação ao leilão de 5G. Abreu disse que apenas defendeu que não exista uma discriminação à China e tem sido apoiada pelo Congresso.

Não é de hoje que Ernesto Araújo tem um comportamento considerado inadequado com relação à China. A postura do ministro foi razão até para o represamento de insumos para a produção de vacinas contra a covid-19 no início do ano e sua postura era vista como prejudicial nas negociações do Brasil com outros países para adquirir imunizantes e insumos. 

Para Regis Chinchila, analista da Terra Investimento, a saída do ministro pode trazer alguma melhora ao cenário, já que sua permanência era a certeza de uma relação mais complicada entre governo federal e Congresso, o que poderia travar pautas importantes.

Chacoalhando o sistema

Lá fora, o principal destaque negativo fica com as instituições financeiras. A Archegos Capital Management vendeu US$ 30 bilhões em ativos, em um movimento que deixou o mercado desconfiado. Mas essa não é a única notícia negativa que abala o mercado.

Tanto o Credit Suisse quanto o Nomura Holdings afirmaram que um cliente americano pode levar as instituições a terem um impacto significativo nos seus resultados do primeiro semestre depois que um hedge fund não honrou pagamentos de margem.

Além disso, ainda temos a crise no comércio global, ocasionada pelo navio preso no Canal de Suez. o Ever Given foi liberado agora pela manhã, mas após quase uma semana interrompendo um dos principais canais de abastecimento do planeta, devemos ter impactos negativos por mais algum tempo. 

Nos Estados Unidos, o fantasma da pressão inflacionária também volta a assombrar, o que leva os rendimentos dos títulos públicos americanos, os Treasuries, a mais um dia de alta. As bolsas americanas operam em queda desde o início do dia. A exceção fica com o Dow Jones, que ensaia uma recuperação. Na Europa, as principais praças fecharam em leve alta, repercutindo a reabertura da economia do Reino Unido.

Sobe e desce

A alta do minério de ferro puxa as empresas com exposição à commodity nesta segunda-feira. Além disso, temos também uma boa performance dos frigoríficos, que são favorecidos pela alta do dólar e pela liberação do Canal de Suez. Já as ações da Taesa sobem com a notícia de que a Cemig quer se desfazer da sua fatia na companhia. Confira as maiores altas do dia:

CÓDIGONOME VALOR (R$)VARIAÇÃO
BEEF3Minerva ONR$ 10,44 6,21%
PCAR3GPA ONR$ 33,23 5,79%
TAEE11Taesa unitsR$ 37,98 5,21%
BRAP4Bradespar PN68,53 4,83%
MRFG3Marfrig ON17,38 3,27%

O Banco Santander recua com o movimento em cadeia que tem afetado todo o setor financeiro. As construturas seguem repercutindo dos juros. Confira também as maiores quedas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
CYRE3Cyrela ON22,86 -3,46%
EZTC3EZTEC ON30,13 -3,43%
SANB11Santander Brasil units39,61 -3,25%
SULA11SulAmérica units35,52 -2,28%
MRVE3MRV ON17,17 -2,11%
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

pandemia

Covid-19: número de mortes sobe para 361,8 mil no Brasil

Nas últimas 24 horas, foram registradas mais 3.459 mortes no país

seu dinheiro na sua noite

Petróleo, minério e tudo que há de bom

Entre o fantasma do Orçamento com pedaladas, a besta da PEC “fura-teto”, o gigante da CPI da Covid e o monstro da pandemia, o Ibovespa conseguiu hoje engatar a terceira alta seguida e fechar acima dos simbólicos 120 mil pontos, marca que o índice não via desde fevereiro. Mas como pode? Bem, mais uma vez […]

hoje não

Hering rejeita proposta da Arezzo para potencial fusão

Segundo a Cia. Hering, a proposta “não atende ao melhor interesse dos acionistas e da própria companhia”

Polêmica na privatização

CVM vai investigar CEEE por suposta omissão na divulgação de informações

A autarquia começará a apuração de uma denúncia de omissão de fatos relevantes sobre a privatização da estatal gaúcha

FECHAMENTO

Commodities em alta levam o Ibovespa acima dos 120 mil pontos pela primeira vez desde fevereiro; dólar recua

O clima incerto em Brasília segue assombrando os investidores, mas ainda assim a bolsa brasileira consegue fôlego com as commodities para se manter no azul

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies