Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-03-22T16:19:08-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
MERCADOS HOJE

Ibovespa opera em queda firme com agravamento da pandemia e tensão na Turquia

Pandemia gera instabilidade política por aqui. No exterior, tensões na Turquia azedam os negócios

22 de março de 2021
10:39 - atualizado às 16:19
Touro e Urso, símbolos da bolsa, brigam no mercado financeiro em queda
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A semana começa com tensão no mercado brasileiro. A situação preocupante da pandemia do coronavírus no país e as incertezas políticas na Turquia, com consequências para o mercado emergente, pesam sobre o índice local, que deixa de lado o bom humor visto em Nova York - onde as bolsas renovaram suas máximas intraday.

Ainda que a bolsa tenha aliviado a queda na última hora, o sentimento que predomina ainda é o de aversão ao risco. Por volta das 16h15, o Ibovespa operava em queda de 0,84%, aos 115.195 pontos. O dólar à vista tem alta de 0,31%, a R$ 5,5024.

Mesmo com a recente elevação na taxa de juros brasileira, o mercado segue precificando uma alta ainda maior da inflação. Além disso, o relatório Focus desta segunda-feira trouxe também uma elevação da projeção para a Selic - que passou de 4,5% ao ano para 5%. Essa leitura também se reflete no mercado de juros futuro, que opera em alta. Confira as taxas do dia:

  • Janeiro/2022: de 4,60% para 4,64%
  • Janeiro/2023: de 6,21% para 6,33%
  • Janeiro/2025: de 7,56% para 7,80%
  • Janeiro/2027: de 8,04% para 8,32%

Descontrole

A escalada de mortes em decorrência da covid-19 tem levado a uma cobrança pública de diversos setores da sociedade para o controle da situação, incluindo economistas e membros do Congresso. No domingo (21), renomados economistas assinaram uma carta aberta em que pedem medidas mais efetivas no combate à pandemia.

A falta de perspectiva para o andamento da vacinação no país e a necessidade de medidas mais enérgicas para conter o vírus por parte dos Estados respingam em Brasília, com a pressão aumentando cada vez mais sobre o Executivo. O presidente Jair Bolsonaro segue condenando as novas restrições impostas pelos governadores, ao mesmo tempo que busca destacar que tem negociado a compra de novas doses de vacinas contra a covid-19.

A situação da pandemia na Europa também pesa sobre os mercados, com uma terceira onda de contágio ganhando contornos mais firmes, em meio a uma crise com relação à vacinação no continente. O Velho Continente voltou a aplicar a vacina da AstraZeneca após a confirmação que o imunizante não causava trombose nos pacientes, mas ainda assim as bolsas do continente operam sem uma direção definida. 

Efeito dominó

A tensão com relação ao ritmo de vacinação na Europa não é a única preocupação no mercado internacional. Uma crise com origem na Turquia mina o desempenho positivo dos mercados nesta segunda-feira, principalmente nos países emergentes. 

A decisão do presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, de trocar o presidente do BC do país pela terceira vez desde 2019, após uma alta na taxa básica de juros para 19% ao ano, visando conter o avanço da inflação, não pegou bem no mercado.

O mercado acredita que a crise desencadeada por lá pode afetar os outros mercados emergentes. A Lira turca tem uma desvalorização expressiva nesta segunda-feira e, segundo Reginaldo Galhardo,  gerente de câmbio da Treviso Corretora, o que pode mexer bastante com o Brasil, já que estamos em uma situação mais vulnerável e também acabamos de passar por um ajuste na taxa de juros.

A crise levou as bolsas asiáticas a fecharem sem uma direção única. Na Turquia, o principal índice fechou com queda superior a 9%.

Para Marcio Lórega, analista técnico da Ativa Investimentos, a atuação do presidente turco gera uma forte instabilidade política e econômica que acaba sendo gerada e causa preocupação com relação a uma mudança de postura na condução da taxa de juros. O novo presidente do BC é uma figura crítica à alta de juros, o que pode gerar problemas inflacionários e fiscais que podem contaminar o restante da Europa.

A situação foi amenizada pelo ministro de Finanças da Turquia, que afirmou que o cenário vai continuar seguindo as regras do mercado.

De olho no Fed

Nos Estados Unidos, os investidores passam mais um dia atentos aos juros e aos sinais de que a política monetária do país deve se manter inalterada.

Mais cedo, o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, voltou a declarar que o banco central americano irá apoiar a recuperação da economia do país pelo tempo que for necessário. Com isso, os juros futuros, que seguem uma tendência de alta expressiva nas últimas semanas, passaram a recuar. Aproveitando o momento, bolsas americanas operam com alta significativa, puxadas principalmente pelo desempenho das ações do setor de tecnologia. 

Sobe e desce

Com o cenário pessimista com relação à pandemia, as empresas do setor de consumo e turismo recuam nesta manhã. Além disso, a nova queda do minério de ferro no mercado internacional pesa sobre as mineradoras e siderúrgicas. Confira os piores desempenhos da sessão de hoje.

CÓDIGONOMER$ VAR
EMBR3Embraer ON13,49-7,03%
AZUL4Azul PN39,85-5,10%
PRIO3PetroRio ON89,84-4,35%
GGBR4Gerdau PN27,49-4,02%
CSNA3CSN ON34,23-3,88%

Ainda que o cenário atual preocupe, os frigoríficos e empresas do setor de construção avançam em bloco Confira também os melhores papéis do dia:

CÓDIGONOME R$VAR
PCAR3GPA ON29,484,13%
CYRE3Cyrela ON25,612,77%
BEEF3Minerva ON10,022,14%
MRFG3Marfrig ON16,282,01%
JHSF3JHSF ON7,181,99%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

NA B3

Ações do setor de saúde foram as que menos sofreram em agosto

Levantamento da Teva Índices mostra que os papéis do comércio e da construção foram os mais castigados no mês passado

NÃO AGRADOU

IBP critica mudanças regulatórias na venda de combustíveis

Representante das grandes distribuidoras de combustíveis defende manutenção do modelo de exclusividade no mercado de revenda de derivados de petróleo

Tempo de entrega menor

Randon terá linha férrea própria no interior de SP

Linha férrea partirá de dentro da fábrica e percorrerá 1,5 km transportando vagões, reboques e semirreboques a um ramal principal na mesma cidade; expectativa é de que a obra fique pronta em 2023

Entrevista exclusiva

Após vender Hortifruti para Americanas, Partners Group quer investir US$ 300 milhões e lançar fundo para o varejo no Brasil

Com um total de US$ 120 bilhões sob gestão, responsável pela gestora suíça no Brasil e América Latina fala ao Seu Dinheiro sobre potenciais alvos de aquisição e “concorrência” com IPOs na B3

em busca de recursos

B3 levanta US$ 700 milhões e revisa projeção de alavancagem

Segundo operadora da bolsa brasileira, a emissão faz parte da gestão ordinária dos negócios da companhia e visa diversificar as fontes de captação a condições atrativas de financiamento

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies