Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-03-18T18:33:16-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Mercados hoje

Queda expressiva do petróleo deixa Copom em segundo plano e Ibovespa recua 1%; dólar também cai

Nas últimas horas, a commodity aprofundou o movimento de queda, arrastando junto as bolsas internacionais

18 de março de 2021
10:00 - atualizado às 18:33
Petróleo em queda
Imagem: Shutterstock

A decisão do Comitê de Política Monetária de elevar a Selic a 2,75%, acima do esperado pelo mercado, deve ser repercutida pelo mercado nesta quinta-feira (18). No entanto, o cenário externo mais cauteloso pesa sobre os negócios por aqui. 

A animação dos investidores internacionais com o discurso de Jerome Powell ontem, que afirmou que a inflação americana segue sob controle e que os juros devem se manter baixos até pelo menos 2023, fica um pouco de lado hoje. 

A melhora das projeções para a economia americana na realidade aumentam o temor de uma pressão inflacionária, o que leva o título dos Treasuries a renovarem máximas hoje. Além disso, o país teve um aumento nos pedidos de auxílio desemprego acima do esperado, o que deixa as bolsas americanas sem uma direção definida. 

Nas últimas horas, um novo gatilho piorou o humor dos investidores: o petróleo recuou mais de 7% no mercado internacional, pesando sobre as ações de petroleiras no Brasil e no exterior.

Esse pano de fundo levou o Ibovespa a aprofundar a queda. O principal índice da bolsa brasileira chegou a operar por alguns minutos no positivo no começo da tarde, mas segue no vermelho. Por volta das 16h o recuo era de 1,28%, aos 115.078 pontos. Refletindo com mais força a decisão do Copom, o dólar à vista recua 0,54%, a R$ 5,5559. 

Em reação à decisão e ao comunicado divulgado ontem, que já sinalizou que a Selic deve subir mais 75 pontos-base na próxima reunião, o mercado de juros futuros passa por um ajuste de alta, com mais força na ponta mais curta dos vencimentos. Na ponta mais longa, a influência dos Treasuries pesa. Confira as taxas de hoje:

  • Janeiro/2022: de 4,25% para 4,60%
  • Janeiro/2023: de 5,95% para 6,25%
  • Janeiro/2025: de 7,35% para 7,52%
  • Janeiro/2027: de 7,87% para 8,00%

Não convenceu?

Na tarde de ontem (17), os mercados reagiram com um princípio de euforia ao discurso do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell. O chefe do Federal Reserve endereçou as preocupações do mercado com relação à disparada da inflação ao afirmar que o nível atual de pressão não preocupa e que a entidade deve manter o nível atual de juros até pelo menos 2023. 

Ao mesmo tempo, o Fed revisou para cima suas projeções para a economia americana. A estimativa para o PIB passou de 4,2% em 2021 para 6%. Ontem essa notícia animou os mercados, mas hoje a preocupação de que esse movimento de recuperação venha acompanhado de uma alta da inflação voltou a fazer a cabeça dos investidores. 

E, por mais um dia, o maior reflexo disso é visto no retorno de rendimento dos títulos públicos americanos, os Treasuries. Os títulos com vencimentos mais longos seguem em alta, pressionando as bolsas globais. 

Ladeira abaixo

O comportamento do petróleo no mercado internacional passou a derrubar as bolsas globais nas últimas horas.

O petróleo WTI para maio fechou em queda de 7,07%, a US$ 60,06 o barril, refletindo a preocupação com o avanço dos casos do coronavírus pelo mundo e o avanço do dólar perante as moedas mais fortes. O movimento faz com que as ações das petroleiras recuem em bloco.

Com essa reação, o Dow Jones, único índice americano que operava no azul, também passou a recuar e o índice de volatilidade VIX, espécie de termômetro do medo do mercado, passou a disparar 10%.

Indo além

A decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) de aumentar a taxa Selic em 75 pontos-base pegou o mercado de surpresa. Uma alta já era esperada, mas a maioria dos economistas e agentes financeiros esperava uma alta mais modesta, de 50 pontos-base.

No comunicado, o Banco Central abordou a preocupação com a pressão inflacionária (vista como um fator temporário) e também com o risco fiscal, herdado das iniciativas para conter os efeitos econômicos da pandemia e da demora em se aprovar as reformas estruturantes no Congresso.

O BC também surpreendeu ao afirmar que a atividade econômica está melhor do que o projetado pelo mercado, ainda que o crescimento no número de casos da covid-19 vá ter o seu efeito, o que mostra um cenário que não apoia mais o uso de instrumentos "extraordinários" de política monetária.

Descontrole

A pandemia do coronavírus, que sobrecarrega o sistema de saúde por todo o país, vai ganhando contornos cada vez mais preocupantes. O Brasil tem renovado diariamente o recorde de casos e novos óbitos. Só nas últimas 24 horas o país superou a casa dos três mil mortos, registrando uma média móvel superior a dois mil óbitos diários pela primeira vez durante toda a pandemia.

Por isso, o olhar dos investidores também se voltam para Brasília. No Congresso, o mercado aguarda a liberação da nova rodada do auxílio emergencial. Já no Ministério da Saúde, os agentes financeiros buscam pistas sobre uma mudança de tom do governo Bolsonaro com relação ao caos que tomou conta do país.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, utilizou o Twitter nesta quinta-feira (18) para cobrar uma nova abordagem do governo no combate à pandemia.

Há pouco, o prefeito da cidade de São Paulo anunciou que irá antecipar feriados durante a Semana Santa para tentar achatar a curva de contágio na capital. Além disso, Bruno Covas também anunciou novos horários para o rodízio de veículos em uma tentativa de conter a movimentação e incentivar o isolamento social.

Sobe e desce

A decisão do Copom mexe com alguns setores específicos do Ibovespa. Na ponta positiva, temos uma reação das empresas do setor financeiro após a elevação da taxa de juros. Confira as principais altas desta quinta-feira (18):

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
B3SA3B3 ONR$ 55,18 4,21%
SANB11Santander Brasil unitsR$ 41,28 3,77%
SULA11SulAmérica unitsR$ 37,07 3,46%
IRBR3IRB ONR$ 6,36 3,25%
BBDC3Bradesco ONR$ 23,40 2,95%

No começo do dia, os papéis da Yduqs e da Gol lideram as quedas do índice, após as companhias divulgarem os seus resultados do quarto trimestre de 2020. Ao longo da manhã, no entanto, o foco negativo se voltou para as empresas dos setores de consumo e imobiliário, que devem ser mais impactadas pela alta da Selic. A piora do petróleo no mercado internacional também afeta fortemente os papéis da PetroRio.

Confira também os destaques negativos:

CÓDIGONOME VALORVARIAÇÃO
PRIO3PetroRio ONR$ 92,52 -4,12%
GOLL4Gol PNR$ 22,15 -4,11%
LAME4Lojas Americanas PNR$ 21,77 -3,89%
BTOW3B2W ONR$ 62,13 -3,75%
JHSF3JHSF ONR$ 6,95 -3,47%
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

mercado cripto

Bitcoin e criptomoedas: XP e Rico lançam dois fundos, com investimento a partir de R$ 100

Com gestão passiva, produtos são voltados ao público geral, com taxa de administração de 0,5% ao ano, sem proteção cambial ou taxa de performance

Destaques da bolsa

Cyrela (CYRE3): ‘Sem razões para ânimo’ com o setor, Credit Suisse rebaixa recomendação de construtora e ações têm queda firme

Banco suíço, que rebaixou recomendação de “compra” para “neutra”, vê um cenário difícil para as construtoras nos próximos meses por causa da alta da inflação e da taxa básica de juros

Novos tempos

De volta ao escritório: Bradesco anuncia retorno ao trabalho presencial a partir de outubro

A retomada gradual está prevista para ocorrer a partir do dia 4 de outubro e vai seguir todos os protocolos sanitários, de acordo com o banco

Exile on Wall Street

O bode branco na sala dos seus investimentos pode sumir — e você nem vai perceber

Daqui a 30 dias, ainda estaremos falando sobre a Evergrande? Sobre os Precatórios? Sobre um risco de golpe institucional? A verdade é que ninguém sabe. Nem mesmo o Guga Chacra. Algoritmos que tentam antever os trending topics do Twitter possuem a mesma eficácia preditiva que a de algoritmos treinados com machine learning para adiantar os movimentos do mercado; em […]

Turbinas no máximo

Embraer (EMBR3) faz acordo para entregar mais 100 eVTOLs, os “carros voadores”

O acordo da vez é com a com a Bristow Group, empresa especializada em soluções de voo vertical; notícia faz ações da Embraer decolarem na B3

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies