Menu
2021-02-09T17:03:34-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
MERCADOS HOJE

Dólar opera em leve alta após duas atuações do BC e Ibovespa tenta engatar recuperação

A moeda americana chegou a disparar mais de 1,3% antes da atuação do Banco Central. Em Brasília, cresce a pressão para que novas medidas de apoio sejam anunciadas, mesmo que sem contrapartida fiscal

9 de fevereiro de 2021
10:45 - atualizado às 17:03
Dólar em queda
Imagem: Shutterstock

Uma panela de pressão. É assim que podemos descrever o clima em Brasília. Tanto que nem parece que há apenas uma semana atrás o mercado financeiro refletia um alívio com a perspectiva de tempos de paz…

Motivos para alimentar o cenário negativo não faltam. Temos as preocupações com a possível interferência estatal na Petrobras, a disputa pela presidência da Comissão Mista de Orçamento (CMO) segue arrastando a pauta e o governo, pressionado por uma nova rodada de auxílio à população, começa a mostrar sinais que novas parcelas do auxílio emergencial podem não caber dentro do teto.

Assim, desde o começo do dia a tensão é o que dita o ritmo dos mercados. O dólar chegou a avançar mais de 1,39%, mas duas ações do Banco Central foram responsáveis por reverter a trajetória do câmbio. O Banco Central anunciou um leilão de swap, com a oferta de 20 mil contratos, por volta das 14h20, e outro para a oferta de contratos remanescentes às 15h10. Por volta das17h, a moeda americana tinha alta de 0,19%, a R$ 5,3829.

A bolsa brasileira também amenizou ao longo do dia e agora oscila em torno da estabilidade, mas ainda bem instável e sensível a qualquer tipo de ruído em Brasília. Por volta do mesmo horário, o principal índice da bolsa brasileira operava estável, a 119.698 pontos.

A melhora do clima por aqui acompanha uma leve melhora pontual das bolsas americanas. Após os novos recordes registrados ontem, as bolsas em Wall Street começaram o dia mistas, com o Nasdaq sendo a única exceção positiva, mas agora operam todas em leve alta. Lá fora, a expectativa é pela aprovação do novo pacote fiscal nos Estados Unidos e o andamento do impeachment de Donald Trump.

Emoções à flor da pele

A desconfiança com relação à falta de transparência da Petrobras sobre a sua política de preços segue contaminando os negócios. Os papéis até tentaram uma recuperação no início do pregão, mas agora amargam quedas superiores a 1,5%

A preocupação com a volta do auxílio emergencial tem sido o principal fator negativo nos negócios locais. Devido ao quadro ainda muito delicado da pandemia no país, a volta do benefício parece cada vez mais certa, mas a possibilidade de que uma contrapartida fiscal não seja adotada traz um temor maior com relação às contas públicas.

O novo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou ontem que não quer atrelar novas parcelas do auxílio emergencial às PECs que já estão no Congresso, o que azedou o clima dos negócios ontem, mesmo que o governo venha preparando o terreno ao dizer que a parcela deverá ser de no máximo R$ 200 e atender um número menor de pessoas.

A posição vai na contramão do que o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e o ministro da Economia, Paulo Guedes, vêm dizendo. Há pouco, Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, também se mostrou contra a falta de contrapartidas para manter o cenário fiscal controlado, afirmando que há risco de se estimular a economia e ainda assim ter contração e do impacto na dívida.

Boa parte da recuperação vista neste começo de tarde vem sendo puxada pelo setor financeiro.

Marcio Lórega, analista da Ativa Investimentos, pontua que o mercado passa a olhar para os comentários do senador Roberto Rocha, presidente da comissão mista da reforma tributária do Congresso que ventilou a possibilidade de que uma possível volta da CPMF pode ser adotada por um tempo limitado como forma de financiar o auxílio emergencial. Lórega afirma que embora a CPMF não seja bem vista por grande parte do mercado, traria um alívio por tornar viável o financiamento da retomada do auxílio.

Mas temos também no radar uma expectativa pela votação do projeto de autonomia do Banco Central que pode ser votado ainda nesta terça-feira e a notícia de que a Comissão Mista de Orçamento (CMO) deva ser convocada amanhã.

Digerindo a inflação

Além do cenário em Brasília, outra notícia que repercute de forma positiva entre os investidores é o número da inflação de janeiro. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA),registrou uma alta de 0,25% em janeiro, segundo informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Essa foi a menor leitura desde agosto e veio abaixo do consenso de mercado, que era de alta de 0,30%. Ainda assim, analistas acreditam que a leitura de que o Banco Central deve voltar a elevar a taxa de juros já na próxima reunião deve se manter inalterada.

Sobe e desce

As ações da Sabesp operam com o melhor desempenho do dia, após a a Agência Reguladora de Serviços Públicos de São Paulo (Arsesp) anunciar um Custo Médio ponderado de capital (WACC) de 8,1% e uma tarifa média de R$ 4,8413 por m³.

As companhias com exposição ao minério de ferro também seguem acompanhando a valorização da commodity. Confira as principais altas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
SBSP3Sabesp ONR$ 42,75 7,57%
CSNA3CSN ONR$ 35,41 2,31%
GGBR4Gerdau PNR$ 24,35 1,46%
USIM5Usiminas PNAR$ 14,08 1,44%
BEEF3Minerva ONR$ 9,55 1,38%

Uma das companhias com o melhor desempenho do ano, o BTG Pactual aparece como o principal destaque negativo desta terça-feira (09), após divulgar o seu balanço do quarto trimestre. Confira as principais quedas do dia:

CÓDIGONOME VALORVARIAÇÃO
BPAC11BTG Pactual unitsR$ 110,75 -2,98%
GOLL4Gol PNR$ 25,01 -2,91%
CVCB3CVC ONR$ 19,28 -2,97%
EZTC3EZTEC ONR$ 37,35 -2,02%
JHSF3JHSF ONR$ 7,41 -2,24%
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

fraco

B2W registra desempenho abaixo do esperado no 4º tri, mas sinaliza para bom 1º tri

Crescimento de 38,2% do GMV nos últimos três meses de 2020 fica abaixo das projeções dos analistas e do apresentado por seus concorrentes

Seleção da bolsa

As ações favoritas para o mês de março, segundo 13 corretoras

Com o cenário de incertezas ainda em alta, o mercado opta mais uma vez para papéis que podem atuar como porto seguro. Confira as principais recomendações dos analistaws

Sextou com o Ruy

A rentabilidade do vizinho é maior que a sua? Tome cuidado com os ganhos dos “traders perfeitos”

A inveja é, sem dúvida alguma, uma das piores inimigas de um investidor – isso se não for a pior. E quando estamos em um bull market (mercado em alta) parece que temos que lidar o tempo todo com ela

Vêm proventos por aí

B3 anuncia quase R$ 2 bi em dividendos, além de recompra e desdobramento de ações

Conselho de administração da companhia aprovou pagamento de dividendos do quarto trimestre e dividendos extraordinários referentes a 2020

Cenário pandêmico

B3 lucra R$ 4,2 bilhões em 2020, alta de 53%, com volatilidade dos mercados, ofertas de ações e juros baixos no Brasil

Cenário pandêmico acabou beneficiando os resultados da companhia, resultando em volatilidade e juros baixos que impulsionaram investidores e empresas a recorrerem ao mercado de capitais

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies