Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-02-09T18:52:53-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
alívio para o bolso

Conta de luz faz inflação desacelerar em janeiro e vir abaixo do esperado

IPCA registra alta de 0,25% no mês passado, interrompendo quatro meses consecutivos de altas escalonadas, segundo IBGE

9 de fevereiro de 2021
9:30 - atualizado às 18:52
luz energia elétrica lâmpada
Imagem: Shutterstock

Após quatro meses de altas escalonadas, a inflação deu uma desacelerada neste começo de ano, vindo inclusive abaixo das expectativas do mercado, puxada pela queda no preço da energia elétrica.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o índice oficial de inflação do país, registrou uma alta de 0,25% em janeiro, 1,10 ponto percentual (p.p.) abaixo da leitura de dezembro (1,35%), segundo dados divulgados nesta terça-feira (9) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Este foi o menor índice desde agosto, quando foi registrada uma leitura de 0,24%, e veio abaixo da mediana das estimativas coletadas pelo Projeções Broadcast com economistas, de 0,30%. As expectativas variavam de 0,24% a 0,54%.

Nos últimos 12 meses, o indicador acumula alta de 4,56%, acima dos 4,52% observados nos 12 meses anteriores.

Eletricidade mais em conta

Segundo o IBGE, a mudança de bandeira nas contas de eletricidade foi o principal fator que ajudou a segurar a inflação em janeiro, junto com as quedas nos preços de passagens aéreas.

O item energia elétrica apresentou recuo de 5,60% em janeiro, tendo o maior efeito negativo sobre o índice no mês, de 0,26 p.p. Isto ajudou a provocar uma deflação de 1,07% no grupo Habitação, do qual esse item faz parte, compensando a alta em outros componentes, como o gás encanado (0,22%) e a taxa de água e esgoto (0,19%)

“Após a vigência da bandeira tarifária vermelha patamar 2 em dezembro, passou a vigorar em janeiro a bandeira amarela. Assim, em vez do acréscimo de R$ 6,243 por cada 100 quilowatts-hora, o consumidor passou a pagar um adicional bem menor, de R$ 1,343”, disse, em nota, o gerente da pesquisa, Pedro Kislanov.

Alimentos e bebidas continuaram a puxar os preços para cima em janeiro, mas com menos força. Este item subiu 1,02%, menos que o avanço de 1,74% apurado em dezembro.

“Os alimentos para consumo no domicílio, que haviam subido 2,12% no mês anterior, variaram 1,06% em janeiro. As frutas subiram menos (2,67% contra 6,73% em dezembro) e as carnes caíram de preço (-0,08% contra alta anterior de 3,58%), assim como o leite longa vida (-1,35%) e o óleo de soja (-1,08%). Por outro lado, os preços da cebola (17,58%) e do tomate (4,89%), que haviam recuado no mês anterior, aumentaram”, afirmou Kislanov.

Já a alimentação fora do domicílio seguiu movimento inverso, passando de 0,77% em dezembro para 0,91% em janeiro.

O custo dos Transportes (0,41%), grupo com o segundo maior peso no IPCA, também desacelerou frente ao mês anterior (1,36%), devido à queda no preço das passagens aéreas (-19,93%), cujos preços haviam subido 28,05% em dezembro.

Já os combustíveis (2,13%) apresentaram variação superior à do mês passado (1,56%), com destaque para a gasolina (2,17%) e o óleo diesel (2,60%).

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

de olho na inovação

Amazon sinaliza interesse por criptomoedas em anúncio de emprego

Empresa procura “um líder de produto experiente para desenvolver a estratégia e o roadmap de produtos e moedas digitais

balanço em foco

Lucro da Hypera Pharma aumenta 18% no segundo trimestre

Cifra chegou a R$ 470,6 milhões no período; companhia obteve alta de 43,5% na receita líquida, a R$ 1,5 bilhão

seu dinheiro na sua noite

Quebrando recordes na corrida dos ETFs

A pira foi acesa em Tóquio: os Jogos Olímpicos estão oficialmente abertos — e eu estou empolgadíssimo. Não sei vocês, mas eu adoro as Olimpíadas, principalmente os esportes não muito convencionais. Claro, é legal assistir futebol, vôlei e basquete, mas eu gosto mesmo é de ver as modalidades que nunca passam na TV. Duelo de […]

FECHAMENTO DA SEMANA

Inflação salgada pressiona juros, mas dados americanos amenizam alta do dólar — já a bolsa não escapou da queda

Em semana recheada de ruídos políticos e incertezas, o Ibovespa acumulou uma queda de 0,72%. Já o dólar à vista subiu 1,86%, a R$ 5,2105

de olho no ir

Alta da arrecadação não dá ‘total liberdade’ para reduzir impostos, diz secretário do Tesouro

Jeferson Bittencourt considerou também que a reforma do IR ainda está em aberto, com muito para se discutir

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies