Menu
2021-05-28T19:09:06-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO DA SEMANA

Sextou com categoria! Ibovespa deixa para trás os 125 mil pontos e atinge novo topo histórico; dólar encosta nos R$ 5,20

Com a bolsa brasileira nas máximas, o câmbio e a curva de juros também passaram por um alívio. Confira o caminho do Ibovespa até o recorde.

28 de maio de 2021
19:03 - atualizado às 19:09
Ibovespa Sextou Brinde Chope 125 Mil Gráficos
Imagem: Shutterstock, com intervenção de Andrei Morais

Nesta sexta-feira (28), o Ibovespa provou que, de fato, de grão em grão a galinha enche o papo.

Garantindo o sorriso do fim de semana, o principal índice da bolsa brasileira não só renovou o seu recorde intraday - que agora é de 125.697 pontos -, mas também registrou uma nova máxima histórica de fechamento ao subir 0,96%, aos 125.591 pontos, um avanço de 2,42% na semana. Isso tudo depois de abrir o dia no vermelho e custando a se libertar do patamar dos 120 mil pontos no começo do mês.

Os acionistas da Petrobras ainda possuem um motivo extra para sorrir. Foi a alta expressiva das ações da companhia (PETR3 subiu 5,47% e PETR4 avançou 4,60%) que garantiu sustentação suficiente para superar de vez o nível dos 125 mil pontos. 

Alguns fatores ajudam a explicar os números. Um deles foi a melhora de recomendação para as ações da companhia feita pelo Credit Suisse e pelo JPMorgan, o que aumenta o fluxo comprador dos papéis. Outro ponto que pesou positivamente é o feriado que fechará as bolsas americanas na segunda-feira. Os investidores estrangeiros aproveitaram o dia para reforçar suas posições antes do dia de folga. 

Mas a tendência central das últimas semanas foi mais uma vez mantida e quem comandou mesmo o rumo dos negócios foi o mercado internacional. Com uma série de números da economia americana dando um panorama mais amplo da atual situação, ficou claro para o mercado que o discurso do Federal Reserve, o banco central do país, faz sentido e que os juros devem permanecer baixos. 

Sem uma Petrobras para dar um gás extra, as bolsas americanas tiveram uma alta mais moderada e reduziram o ritmo principalmente após a divulgação da proposta de Orçamento do governo Biden para 2022 O Nasdaq avançou 0,09%, o Dow Jones subiu 0,19% e o S&P 500 teve alta de 0,08%. 

O apetite por risco também deixou a sua marca no câmbio. O dólar também reduziu a alta frente às moedas dos países desenvolvidos, o que abriu caminho para o Real ampliar a sua valorização. No fim do dia, a moeda americana caiu 0,82%, a R$ 5,2121. Na semana, o recuo foi de 2,64%. 

Em resposta à aceleração do IGP-M, que veio acima do esperado pelos analistas, os contratos de DI dispararam na abertura, mas reduziram o ímpeto e passaram a recuar, renovando as mínimas durante a tarde ao acompanhar o câmbio e o movimento do mercado americano. O impacto altista ficou nos vencimentos mais curtos.

Para Alexandre Almeida, economista da CM Capital, o número “salgado” do indicador ao produtor já estava precificado. Licinio Neto, sócio-gestor da Ajax Capital, ressalta que o movimento de queda acentuada das últimas semanas está ligado ao excesso de “prêmio” na curva e que ainda há espaço para mais ajustes. Confira as taxas de fechamento do dia:

Janeiro/2022: de  4,99% para 5,03%

  • Janeiro/2023: estável em 6,58%
  • Janeiro/2025: de 7,89% para 7,79%
  • Janeiro/2027: de 8,52% para 8,43%

Combustível para o recorde

A Petrobras foi essencial para o recorde e, para o analista de investimentos do Pagbank, Marcio Lórega, foram mais do que alguns relatórios de recomendação que desenharam o cenário.

Para ele, a possibilidade de novos estímulos em infraestrutura nos países ricos e os descontos recentes pelos quais passou a petroleira deram um impulso extra para o bom desempenho do dia. “O consumo por petróleo pode aumentar e sabemos que a Petrobras não performou tudo que poderia, tinha seus descontos e agora caminha em um movimento de melhora substancial”. 

O assunto é o mesmo

Eu disse que de grão em grão a galinha enche o papo porque depois de uma intensa volatilidade nos últimos meses, as semanas andam transcorrendo sem grandes eventos, com todos de olho em somente um ponto: inflação.

Os últimos dias foram recheados dessa discussão e as coisas não devem parar por aqui. A semana foi marcada por uma verdadeira bateria de números de atividade, mercado de trabalho e inflação - tanto aqui no Brasil quanto nos Estados Unidos. A preocupação dos investidores segue sendo a mesma dos últimos meses: quando chegará a hora do Federal Reserve tirar os juros da faixa dos 0% a 0,25% ao ano?

Se você acompanha o mercado financeiro mais de perto, sabe que os agentes do mercado estão longe de um consenso. Alguns dias a leitura é de que esse dia está perto, outros são mais céticos.

Depois do frenezi inicial, o mercado parece ter encontrado um tom mais comedido e os números ajudam a explicar isso. Embora os dados anunciados ao longo da semana - inflação ao consumidor, nível de atividade, confiança do consumidor, PIB, dados do mercado de trabalho, renda e consumo das famílias, entre outros - tenham vindo mistos, ele vai em direção ao que afirma o Fed. A economia está sim se recuperando e o impacto é sentido no preço, mas ainda há setores fragilizados, o que justifica os estímulos.  

Ainda falando de mercado externo, o anúncio do Orçamento de 2022 dos Estados Unidos deu uma segurada nos negócios hoje. O governo Biden propôs gastos na ordem dos US$ 6 trilhões e prevê um déficit de US$ 1,8 trilhão em 2022, com a justificativa de que os gastos públicos serão reduzidos com o fortalecimento da economia. O número veio em linha com o esperado pelo mercado. 

A inflação não esteve apenas nos holofotes internacionais. Aqui no Brasil também tivemos números importantes, que começam a balizar as apostas para a próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom). O IPCA-15, considerado a prévia da inflação oficial, teve a maior variação para o mês de maio desde 2016, mas o índice desacelerou com relação ao mês anterior, o que foi visto com bons olhos. 

Já o IGP-M, aqui no Brasil, o indicador conhecido como a inflação do aluguel, teve uma forte aceleração de 4,10% em maio. A taxa é a maior desde o início do Plano Real, levando o indicador a avançar 37,04% em 12 meses.

Almeida, da CM Capital, aponta que embora o resultado já estivesse precificado pelo mercado, o número significa problemas já que mostra uma inflação represada ao produtor que ainda deve ser repassada ao consumidor. “Isso corrobora o cenário de preocupação inflacionária mostrado pelo Banco Central”. 

Imutável

Outra coisa que não mudou foi o pano de fundo dos negócios brasileiros. Enquanto monitora a atividade (fique atento, na semana que vem temos divulgação do PIB do primeiro trimestre) e inflação, o mercado também segue mantendo um olho em Brasília e nas contas públicas. 

Após dados melhores do que o esperado da conta corrente do Governo Central, muito se falou em uma melhora do aspecto fiscal, mas o economista da CM Capital não vê as coisas dessa forma. Para ele, o problema só irá se resolver quando de fato tivermos reformas aprovadas. 

Nos últimos dias, muito se falou sobre a retomada das discussões das reformas tributárias e administrativa. De concreto, somente o fato de que elas ainda devem ser desidratadas para possibilitar a aprovação. 

A pandemia também parece estar longe de ser um problema resolvido. Embora as declarações na CPI da Covid-19 não respinguem na Faria Lima, uma terceira onda de infecções pode voltar a fechar a economia e trazer uma prorrogação do auxílio emergencial de volta à pauta.  

Sobe e desce

Na reta final do pregão, houve uma pressão negativa forte sobre o setor de energia, com a confirmação de um alerta de emergência hídrica para cinco estados. Embora o comunicado inclua o estado de São Paulo, a Sabesp ficou com o pior desempenho do dia após o governo de São Paulo confirmar que não deve seguir com a capitalização ou privatização da companhia até 2022. 

Na semana, a Suzano acabou ficando com o pior desempenho, acompanhando a forte desvalorização do dólar na semana. Confira as maiores quedas:

CÓDIGONOMEVALORVARSEM
SUZB3Suzano ONR$ 61,59-5,03%
BRFS3BRF ONR$ 25,80-4,20%
SBSP3Sabesp ONR$ 40,02-3,71%
GGBR4Gerdau PNR$ 32,70-3,45%
FLRY3Fleury ONR$ 26,37-3,12%

Hoje quem dominou de ponta a ponta a sessão foi a Petrobras, mas na semana a Locaweb foi a que se deu melhor, surfando a recuperação do Nasdaq nos Estados Unidos. Confira:

CÓDIGONOMEVALORVARSEM
LWSA3Locaweb ONR$ 26,1513,94%
HGTX3Cia Hering ONR$ 33,3813,85%
BIDI11Banco Inter unitR$ 66,5911,69%
YDUQ3Yduqs ONR$ 33,0910,04%
PCAR3GPA ONR$ 38,909,95%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

de olho na reabertura

Vacina no braço e compra de ações: por que o UBS (o banco suíço) agora recomenda a bolsa brasileira

Banco suíço cita as revisões de crescimento para a economia brasileira, menor risco fiscal, expectativa de lucro das empresas e preços em patamares “convidativos”

seu dinheiro na sua noite

Anitta no conselho do Nubank, mais ofertas de ações e o ponto de inflexão do minério de ferro

Acostumado a fazer barulho no mercado, o Nubank fez, nesta segunda-feira, mais um anúncio que deu o que falar: a contratação da cantora e empresária Anitta para integrar o conselho de administração da empresa. A garota do Rio, nascida no bairro suburbano de Honório Gurgel e alçada à fama pelo funk carioca, ocupará uma cadeira […]

linhas 8 e 9

CCR assina acordo de acionistas com RuasInvest no Consórcio Via Mobilidade

Acordo prevê os porcentuais de participação de 80% da CCR e de 20% da RuasInvest no Consórcio ViaMobilidade Linhas 8 e 9

Microcaps

Panvel (PNVL3): é hora de investir?

A rede Panvel é queridinha no Sul do país. Sua recuperação tem mostrado que ela pode ser uma gema entre as microcaps da Bolsa. Descubra se vale a pena investir nela no Chama o Max de hoje.

sinal verde

Câmara aprova texto-base da MP que viabiliza privatização da Eletrobras

Placar foi de 258 votos contra 136; texto já havia sido aprovado pela Casa, mas voltou depois de alterações no Senado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies