Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-06-29T20:00:14-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO

Ibovespa supera cautela com questões domésticas e quase zera perdas do dia; dólar avança

O mercado segue digerindo a segunda fase da reforma tributária proposta pelo governo, mas também precisa lidar com outros focos de cautela – local e no exterior.

29 de junho de 2021
18:33 - atualizado às 20:00
Montanha-russa
Imagem: Shutterstock

Pelo segundo dia consecutivo, o Ibovespa conseguiu evitar um desfecho muito pior do que o desenhado ao longo do dia, em uma verdadeira montanha-russa de emoções. A força não foi suficiente para encerrar no azul, mas foi quase. Mesmo com pressões vindas de todos os lados — principalmente de Brasília —, o principal índice da bolsa brasileira encerrou a sessão praticamente estável, com uma leve queda de 0,08%, aos 127.327 pontos. 

Os novos recordes do S&P 500 e do Nasdaq deram uma ajudinha. Depois de passar a maior parte do dia oscilando entre leves perdas e ganhos, os índices americanos fecharam em alta. O Dow Jones avançou 0,03%, o Nasdaq subiu 0,19% e o S&P 500 teve alta de 0,03%. As ações do setor de commodities também fizeram sua parte, com Vale, siderúrgicas e Petrobras apagando parte das perdas provocadas pelo setor bancário.  

Um combo de crises pressionou o Ibovespa ao longo de todo o dia e promete seguir ditando o ritmo dos negócios. A crise sanitária promete um novo capítulo com o avanço da variante delta em diversos países do mundo, a crise política ganha força com os desdobramentos da CPI da covid em Brasília e a crise hídrica eleva o preço da tarifa de energia, o que pode gerar um impacto ainda maior no índice oficial de inflação.

Além disso, temos também a repercussão da proposta de reforma tributária entregue pela equipe econômica na última sexta-feira e que não agradou ao mercado. Com tantos fatores pesando contra, o índice chegou a recuar 0,98% na mínima do dia, quase perdendo o nível dos 126 mil pontos.  O dólar à vista, que na máxima encostou nos R$ 4,97, também aliviou a pressão ao longo do dia e fechou a sessão cotado a R$ 4,9419, um avanço de 0,28%.

Para Marcio Lórega, analista de investimentos do Pagbank, o que tem segurado um pouco os receios locais - e seu reflexo na bolsa - tem sido a forte entrada de recursos estrangeiros, com o investidor gringo buscando oportunidades, principalmente nos setores que ainda não performaram tudo aquilo que poderiam e devem se beneficiar da retomada econômica. 

Pausa no otimismo

As bolsas europeias e americanas conseguiram registrar ganhos nesta terça-feira (29), mas os negócios seguem envoltos de tensão com relação ao coronavírus. Em um momento em que a economia mundial ainda tenta se firmar em uma trajetória mais robusta de recuperação, a variante delta - mais transmissível e letal que a cepa original da covid-19 - ameaça "estragar" o verão europeu e levanta dúvidas sobre a eficácia das medidas adotadas até aqui. 

Sabendo o que a instauração de novas medidas de isolamento social pode provocar, Portugal, Espanha e Hong Kong restringiram a visita de britânicos, e outros países da União Europeia também estudam fazer o mesmo. Enquanto os programas de vacinação ainda caminham, os investidores adotam uma postura mais cautelosa, avaliando os riscos. 

A Moderna, fabricante de uma das vacinas em circulação pelo mundo, trouxe boas notícias durante a tarde, o que apaziguou parte da tensão. Segundo a farmacêutica, a sua vacina contra o coronavírus se mostrou eficaz contra a variante delta em testes realizados em laboratório. 

De pernas pro ar

A variante delta é uma preocupação também no Brasil, onde a campanha de imunização anda a passos mais lentos do que no exterior, mas é a CPI da covid-19 que rouba a cena quando o assunto é pandemia por aqui.

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), encaminhou a notícia-crime contra o presidente Jair Bolsonaro por prevaricação à Procuradoria-Geral da República (PGR) e o Planalto estuda formas de blindar o presidente no caso, gerando desgaste político que aumenta a cautela dos investidores.

Segundo informações do serviço de tempo real do Estadão, Broadcast, o governo federal deve suspender ainda hoje a compra das vacinas Covaxin, após as denúncias de corrupção na aquisição das doses. 

A equipe econômica também está no olho do furacão e vem tentando domar o leão. A proposta de reforma tributária continua agitando o mercado e promete seguir como pauta principal nos próximos meses. Os analistas seguem fazendo as contas do que a mudança na tributação das empresas e o fim da isenção para dividendos deve significar.

Mesmo que o texto signifique apenas um pontapé inicial, a recepção tem sido negativa e impõe ainda mais cautela aos negócios, principalmente naqueles setores que mais devem sofrer com as mudanças propostas. Por isso, cada novo comentário pesa. 

Comentários do ministro da Economia, Paulo Guedes, feitos hoje mostram que o governo está disposto a tentar encontrar uma saída amigável com o mercado. Guedes falou sobre a possibilidade de realizar a mudança no IRPF já em 2022, em reduzir em 5% o imposto para empresas e diminuir também a alíquota para a tributação de dividendos, inicialmente na casa dos 20% e que, segundo o ministro, pode ficar na faixa dos 15%. 

Salgando a conta de luz

A crise hídrica que o país enfrenta, após a pior seca em mais de 90 anos, traz de volta ao palco principal o temor com uma aceleração da inflação. 

Ontem, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, fez um pronunciamento pedindo que a população economize água e energia elétrica. Hoje, a Aneel anunciou um reajuste de 52% na bandeira vermelha 2, contrariando a área técnica que indica um ajuste superior, que poderia chegar à casa dos 90%, na faixa dos R$ 12 a cada 100 quilowatts-hora consumidos.  

Embora o número anunciado hoje tenha agradado os analistas justamente por não se tratar de uma elevação tão drástica, essa não deve ser a decisão final. Hoje, às 20 horas, a Aneel volta a se reunir para discutir a elevação da tarifa de energia. 

Uma elevação da tarifa de energia tende a pressionar o IPCA nos próximos meses, mais uma vez colocando uma pulga atrás da orelha do mercado. Afinal, o que fará o Banco Central?

O que ajuda a controlar as expectativas são os dados do IGP-M de junho, que mostraram uma desaceleração mais forte do que o esperado pelo mercado - de 4,10% em maio para 0,60% no último mês. O número trouxe alívio ao mercado de juros futuros. Confira as taxas do dia:

  • Janeiro/22: de 5,63% para 5,60%
  • Janeiro/23: de 7,01% para 6,96%
  • Janeiro/25: de 7,98% para 7,95%
  • Janeiro/27: de 8,44% para 8,40%

Sobe e desce

Com tantas preocupações no radar, cada setor acaba agindo e pensando de uma maneira, o que nos leva a observar um intenso movimento de rotação de setores nas carteiras. Pesando de forma negativa no Ibovespa, hoje tivemos as ações do setor bancário recuando de forma expressiva. Do lado positivo, Vale, siderúrgicas e Petrobras ajudaram o índice a evitar uma queda maior. 

O melhor desempenho do dia ficou com a Braskem. As ações da companhia avançaram forte após a Novonor (ex-Odebrecht) estender o prazo para o recebimento de propostas para a venda de sua fatia de 38,3% na petroquímica. Confira as maiores altas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVAR
BRKM5Braskem PNAR$ 59,004,80%
CSNA3CSN ONR$ 44,664,03%
BIDI11Banco Inter unitR$ 73,633,85%
LWSA3Locaweb ONR$ 27,792,62%
BRAP4Bradespar PNR$ 74,612,61%

Alguns fatores pesaram contra as empresas administradoras de shoppings centers no pregão de hoje. A primeira é o temor de uma alta de juros mais elevada. A segunda é justamente o impacto da proposta de reforma tributária em empresas de lucro presumido, como é o caso da maior parte das companhias do setor. Segundo Stefany Oliveira, analista da Toro Investimentos, as mudanças podem levar a um aumento da alíquota de imposto pago, impactando a receita e os números das companhias. Confira as maiores quedas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVAR
IGTA3Iguatemi ONR$ 39,41-3,71%
BRFS3BRF ONR$ 27,25-3,27%
UGPA3Ultrapar ONR$ 18,57-3,23%
SBSP3Sabesp ONR$ 36,84-3,00%
MULT3Multiplan ONR$ 23,05-2,82%
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Mais uma empreitada

Do espaço para as fazendas: Elon Musk consegue licença para oferecer internet via satélite no Reino Unido

A Starlink, segundo informações do jornal Telegraph, quer chegar a regiões onde a cobertura por fibra e 5G não alcançam, e tem planos mais ambiciosos

Leão faminto

Carga pesada: Impostômetro atinge a marca de R$ 1,5 trilhão

Monitoramento da Associação Comercial de São Paulo mostra que, no ano passado, marca foi atingida somente no dia 28 de setembro

Muita calma nessa hora

Tem Vale Gás? Petrobras diz que não há definição sobre participação em programas sociais

Manifestação vem depois que o presidente Jair Bolsonaro disse em entrevista que a estatal tem R$ 3 bilhões em reservas para custear ajuda

Clube do Livro

Batalhas sem arma: Em “Cripto Wars”, Jim Rickards explica guerras cambiais e agora, com criptomoedas

Autor, conhecido também por suas previsões certeiras sobre o bitcoin, fala de como a tecnologia mudou as estratégias financeiras dos países

RUMO AO MILHÃO

O primeiro e mais importante investimento para quem atingir o primeiro milhão (ou ir além)

Por mais que você busque o conforto e a segurança de uma promessa de retorno garantido, digo, com convicção, que o único investimento com retorno garantido em longo prazo é aquele feito em educação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies