Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-06-25T19:25:22-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Fechamento da semana

Guedes avança sobre dividendos e mercado não recebe bem a notícia; Ibovespa apaga ganhos da semana, mas dólar recua 2%

A nova etapa da reforma tributária ainda será alvo de muita discussão, mas já gerou estresse no mercado. A bolsa fechou em queda de mais de 1% e o dólar subiu.

25 de junho de 2021
19:13 - atualizado às 19:25
Leão Bravo Dinheiro Congresso Gráficos v4

Pelo menos por hoje, o dragão da inflação foi engolido pelo Leão da Receita Federal. A preocupação com a alta dos preços em escala global até ditou o ritmo dos mercados nas primeiras horas do dia, mas foi só a equipe econômica entrar em campo para o jogo mudar. 

Perto do aniversário de um ano do envio da primeira fase da reforma tributária ao Congresso (e que ainda se encontra em discussão), o ministro da Economia Paulo Guedes apresentou a sua proposta de alterações no imposto de renda para pessoa física, jurídica e investimentos, mexendo em um tema ‘caro’ aos investidores - a tributação de dividendos. 

A proposta aumenta o limite de isenção para aqueles que recebem até R$ 2,5 mil e passa a tributar dividendos recebidos pela pessoa física em 20% na fonte. Para compensar a mudança, o projeto também reduz a alíquota do IRPJ em cinco pontos percentuais.O mercado não gostou. 

Após a apresentação do projeto, a bolsa renovou seguidas vezes a mínima do dia, chegando a recuar mais de 2%. Nicolas Borsoi, economista da Nova Futura Investimentos, aponta que tanto o fim da isenção para proventos como também para aplicações em fundos imobiliários acaba reduzindo a atratividade desses investimentos para a pessoa física. 

No fim do dia, a pressão foi minimizada e o Ibovespa fechou a sessão em queda de 1,74%, aos 127.255 pontos. O maior “empurrão” veio principalmente do setor bancário, que tradicionalmente é um bom pagador de proventos. O desempenho do índice nesta sexta-feira apagou os ganhos da semana e fez a bolsa recuar 0,90% no período. 

Freio na descida

No dólar à vista, outro fator estressor vindo de Brasília fez com que a moeda devolvesse parte do forte recuo da semana: a CPI da covid escuta hoje o deputado Luis Miranda, que acusa o governo federal de irregularidades na compra das vacinas Covaxin. 

Na busca por proteção e antecipando problemas para o governo Bolsonaro, os investidores se voltaram para o dólar, que fechou o dia em queda de 0,67%, a R$ 4,9377. Ainda assim, a divisa conseguiu preservar o recém-conquistado patamar dos R$ 4,90, acumulando uma queda de 2,58% na semana.

Para Alexandre Almeida, economista da CM Capital, a perspectiva de juros mais elevados no país tem sustentado o bom fluxo de investimentos estrangeiros no Brasil, sustentando o alívio no câmbio. 

Leão mais voraz?

Pela manhã, o ministro da Economia Paulo Guedes entregou ao presidente da Câmara, Arthur Lira a 2ª parte da proposta tributária do governo. O texto trata de mudanças no imposto de renda para pessoa física, jurídica e investimentos. Confira aqui os principais pontos da proposta.

Segundo a Receita, a tributação de dividendos deve aumentar a arrecadação em R$ 54,9 bilhões em 2023 e R$ 58,1 bi em 2024. Já a redução da alíquota do IRPJ reduz o montante arrecado em R$ 18 bi. 

Embora a proposta tenha azedado o humor dos investidores, é bom lembrar que o assunto ainda está em fase inicial de discussão. Para Rafael Passos, sócio da Ajax Capital, ainda é preciso esperar os próximos meses para tirar uma conclusão mais assertiva. Para Passos, a reforma tributária ainda tem muito chão para andar, mas a aproximação entre Congresso e a equipe econômica é uma articulação muito positiva para o mercado.

Borsoi, da Nova Futura, aponta que essa demora e prolongamento das discussões gera mais incertezas. O caráter amplo do texto também é motivo de preocupação. “O investidor quer fugir da incerteza e essa proposta é bastante ampla, bastante conflituosa. Abre espaço para debate, então é natural que o investidor queira esperar a negociação no Congresso e se desfazer das posições”. 

Para o economista da CM Capital, o tema deve exercer apenas uma pressão de curto prazo nos negócios. Nas próximas semanas, os agentes financeiros devem voltar a focar na trajetória das taxas de juros ao redor do globo para conter a inflação. 

Pressionando para baixo

O setor financeiro, tradicionalmente um segmento com bom histórico de pagamento de dividendos, pressionou para baixo  o Ibovespa, com os principais bancos do país registrando perdas na casa dos 3%. Vale lembrar que nesta semana também tivemos a aprovação do aumento da CSLL, o que também pesou sobre os papéis nos últimos dias. 

A Petrobras também exerceu uma pressão negativa no índice hoje, mesmo com a alta do petróleo no cenário internacional —  a commodity subiu antecipando a reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+). Rumores apontam que a entidade pode aumentar a oferta a partir de agosto. 

No caso da petroleira brasileira, o depoimento do CEO da companhia, general Joaquim Silva e Luna, gerou estresse, ainda que o comandante da estatal pouco tenha falado ao longo de três horas na Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados. 

No rastro do dragão

A Super Quarta foi na semana passada, mas os últimos dias continuaram sendo dominados pelo mercado de juros e o temor da futura postura dos Bancos Centrais para conter uma pressão inflacionária.

Nesta sexta-feira (25), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação, veio em linha com o esperado e acelerou 0,83% em junho, acumulando uma alta de 8,13% em 12 meses. Se não fosse a tensão envolvendo o Leão, o provável é que o número fosse recebido com mais otimismo com o mercado, que vem reduzindo suas expectativas para a Selic após o tom mais ameno do BC brasileiro na divulgação do Relatório Trimestral de Inflação (RTI) ontem (24). 

Esse tom mais brando - que deflagrou um movimento de queda nos principais contratos de DI - veio apenas dois dias depois da divulgação da ata da última reunião do Copom. No documento, o Banco Central mostrou uma postura mais dura, que fez boa parte do mercado aumentar a aposta para a alta da Selic. 

Por isso, os últimos dias foram de ajustes. Para a CM Capital, no entanto, nada mudou, e a casa segue com uma expectativa de alta de cem pontos base na reunião de agosto. No radar está o possível reajuste dos combustíveis e da tarifa de energia elétrica, que devem pressionar os índices de inflação. Nas reuniões subsequentes, no entanto, o esperado é que o BC já observe um arrefecimento inflacionário e aposte em uma redução do ritmo de alta até chegar aos 7% ao fim de 2021

O dia começou com alívio no mercado de juros, mas a deterioração do cenário local após a divulgação da proposta de Guedes reduziu o ritmo de queda dos DIs mais curtos, com os vencimentos mais longos operando em alta. Confira as taxas de fechamento:

  • Janeiro/22: de 5,72% para 5,66%
  • Janeiro/23: de 7,22% para 7,14%
  • Janeiro/25: de 8,15% para 8,16%
  • Janeiro/27: de 8,53% para 8,58%

Tecla SAP

A preocupação com a inflação americana também segue sendo o principal motor das bolsas americanas. Hoje a atenção ficou com os dados de gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês), o indicador utilizado pelo Federal Reserve na análise de cenário macroeconômico.

A alta foi de 0,4% em maio ante abril, com o núcleo do PCE avançando 0,5%, ambos abaixo da expectativa dos analistas. O número que salta aos olhos é o acumulado em 12 meses, que subiu a 3,9%, bem acima da meta de 2% ao ano do Fed.

Com isso, a bolsa americana teve um dia calmo. O Dow Jones subiu 0,69% e o S&P 500 teve um novo recorde de fechamento com uma alta de 0,33%. A exceção foi o Nasdaq, com um recuo de 0,06%. 

Nos últimos dias, no entanto, essa não foi a tônica dos negócios. Preocupados com os próximos passos do Fed e ainda tentando entender os sinais mistos da economia americana, os agentes financeiros tendem a reagir exageradamente a cada novo pronunciamento de um dirigente do Fed. 

Pelos próximos meses, além do olho no BC americano, os investidores também devem ficar de olho no Senado. O acordo bipartidário para o pacote de infraestrutura do governo Biden chegou, mas o tema está longe de ser esgotado.

 O plano de infraestrutura de US$ 1,2 trilhão ainda não está em sua forma final. As negociações continuam no Senado, onde pode existir resistência dos próprios democratas, que apoiam um montante maior. O valor será financiado com o reaproveitamento de fundos federais não utilizados no combate à pandemia, parcerias público-privadas e a elevação de impostos já anunciados pelo governo.  

Dias melhores

Com CPI da covid, denúncias de corrupção e projeto de tributação polêmico, Brasília já viveu dias melhores  — e nem faz tanto tempo assim. 

Na segunda-feira (21), a MP da privatização da Eletrobras finalmente teve a sua etapa final e foi mais uma vez apreciada na Câmara após as alterações feitas no Senado. Segundo o cronograma do governo, a capitalização deve ser concluída até fevereiro de 2022.

Sobe e desce

A alta das empresas ligadas ao minério de ferro foi expressiva nos últimos dias, deixando o setor no topo da tabela de melhores desempenho da semana.

De olho na recuperação econômica e a reabertura com o andamento do processo de vacinação, os papéis da CVC também se destacam.Confira:

CÓDIGONOMEULTVARSEM
BRAP4Bradespar PNR$ 73,079,08%
CVCB3CVC ONR$ 27,656,96%
GGBR4Gerdau PNR$ 30,846,05%
CSNA3CSN ONR$ 43,555,19%
VALE3Vale ONR$ 112,405,06%

Confira as ações com os piores desempenhos da semana:

CÓDIGONOMEVALORVARSEM
ABEV3Ambev ONR$ 16,95-9,65%
ECOR3Ecorodovias ONR$ 11,88-7,62%
TIMS3Tim ONR$ 11,77-7,47%
MULT3Multiplan ONR$ 24,04-6,68%
CIEL3Cielo ONR$ 3,67-6,62%
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

SEXTOU COM O RUY

Big Bang, a teoria: As leis da Física e a tributação dos dividendos

As empresas são organismos vivos, que precisam se adaptar às mudanças para sobreviver, como na recente proposta de tributação de dividendos

dinheiro no caixa

Petrobras vende participação em companhias de energia por R$ 160 milhões

Estatal assinou contratos para a venda de suas participações de 20% na Termelétrica Potiguar (TEP) e de 40% na Companhia Energética Manauara (CEM) para a Global Participações Energia S.A. (GPE)

seu dinheiro na sua noite

Mais micro, menos macro: quando os balanços são o destaque na bolsa

Como investidores, sabemos que os mercados estão sujeitos às mudanças no cenário macroeconômico – e, no caso do Brasil e outros países emergentes, os pregões são particularmente suscetíveis também ao noticiário político. Mas, no fim do dia, a bolsa reflete o desempenho das companhias que ali são negociadas. Nas temporadas de balanços trimestrais, analistas e […]

cardápio do dia

Fleury, EcoRodovias e Localiza: os balanços que mexem com o mercado nesta sexta

Companhias registram forte aumento no lucro, confirmando tendência entre empresas do Ibovespa

Fechamento do dia

Bolsa, dólar e juros fecham o dia no vermelho, com balanços no radar e Wall Street em alta

Em movimento raro, bolsa, dólar e juros fecharam o dia no vermelho. É que enquanto o apetite por risco reinava no exterior, os balanços levaram o Ibovespa a um movimento de correção

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies