Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-03-26T19:49:00-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
fechamento

Noticiário negativo tira folga e bolsa aproveita para subir 1,5%, mas cautela com covid-19 persiste no dólar

A votação do Orçamento de 2020 e a ampliação da vacinação nos Estados Unidos foram duas das notícias que ajudaram a impulsionar os mercados nesta quinta-feira

25 de março de 2021
18:22 - atualizado às 19:49
feriados férias
Imagem: Shutterstock

Na falta de notícias que agravassem o delicado cenário político, fiscal e sanitário brasileiro, o mercado financeiro aproveitou a folga para pegar carona na recuperação vista em Nova York e reverter parte das perdas da semana. 

Enquanto em Wall Street os principais índices tiveram altas modestas, o Ibovespa conseguiu registrar uma alta de 1,50%, a 113.749 pontos. Mas as coisas não caminharam dessa forma ao longo de todo o dia e a bolsa chegou a recuar mais de 1%. 

Pela manhã, o cenário crítico herdado da pandemia e uma agenda econômica recheada de divulgações trouxe grande volatilidade ao mercado. Foi só após o encaminhamento da votação do Orçamento de 2021 (que está atrasado) e o avanço da vacinação dos Estados Unidos que o caminho ficou aberto para uma recuperação mais forte. 

A economista-chefe da Veedha Investimentos, Camila Abdelmalack, explica que a magnitude da alta brasileira é maior porque os tombos sofridos recentemente por aqui também foram maiores. “No Ibovespa nós temos companhias muito boas e sólidas. Quando não tem um noticiário tão negativo, a tendência é que a gente tenha uma recuperação, ainda que o dólar vá em uma tendência distinta.”

E de fato foi isso que ocorreu nesta quinta-feira. Enquanto a bolsa aproveitou para se recuperar, o dólar à vista, como de costume, refletiu a percepção de risco do mercado - e esse movimento foi global. Com a pandemia no radar, a moeda americana subiu 0,55%, a R$ 5,6705.

No mercado de juros também teve um empurrãozinho. Após uma alta acentuada no começo da manhã, os contratos de DI passaram a operar em forte queda. Segundo o analista técnico da Ativa Investimentos, Marcio Lórega, além do noticiário mais ameno, isso ocorre após as taxas atingirem pontos importantes de resistência. Confira as taxas de hoje:

  • Janeiro/2022: de 4,73% para 4,66%
  • Janeiro/2023: de 6,62% para 6,40%
  • Janeiro/2025: de 8,15% para 8,05%
  • Janeiro/2027: de 8,70% para 8,70%

Digerindo números

A movimentação da agenda brasileira começou logo cedo, com a divulgação do IPCA-15, considerado uma prévia da inflação oficial. Conforme esperado, o índice avançou 0,93% em março - o maior patamar desde março de 2015. Uma das contribuições mais significativas para a alta do índice foi a alta dos combustíveis, que pressionou o setor de transportes. A pressão inflacionária segue sendo um termômetro para as próximas atuações do Banco Central.

Tivemos também a divulgação do Relatório Trimestral de Inflação (RTI). No documento, o Banco Central reduziu suas projeções para o Produto Interno Bruto deste ano, passando de 3,8% para 3,6%. No entanto, a expectativa para a inflação foi elevada para 5% em 2021. 

De certa forma, os novos números tiveram pouco reflexo no mercado, já que reforçaram as mensagens passadas pela ata da última reunião do Copom, divulgada na semana passada, e já estavam precificadas. 

Correndo atrás

Com os dados econômicos vindo perto do esperado pelo mercado, o foco em Brasília acabou ficando ainda mais forte. O momento é de tensão: o país ultrapassou a marca oficial de 300 mil mortos pela pandemia do coronavírus e o breve sinal de união entre os Poderes para enfrentar a crise não colou no entre os agentes financeiros.

Algumas declarações do presidente da Câmara, Arthur Lira, causaram desconforto pela manhã, indicando um possível desalinhamento com o governo federal e a falta de ações concretas. No entanto, o princípio de crise política foi amenizado pelo presidente Jair Bolsonaro. 

Mais cedo, o ministro da Economia Paulo Guedes voltou a reforçar a importância da vacinação para a recuperação econômica - ainda que o país sofra com um ritmo lento de imunização e falta de doses. 

Mas a única frente que de fato mostrou avanço na capital federal foi a votação do aguardado Orçamento de 2021. A pauta está bem atrasada e está pressionada pela piora da pandemia, mas um acordo provocou a desobstrução do texto na Comissão Mista. A expectativa é que os destaques sejam apreciados e votados ainda hoje e, com a sinalização de poucas obstruções, o mercado passa a ficar mais otimista com o texto final. 

Dobrando a meta

A terceira onda do coronavírus que parece ter atingido a Europa foi um fator de influência negativa na primeira metade do pregão. Com mais restrições anunciadas, as bolsas do continente operaram boa parte do dia no vermelho, mas acabaram reduzindo a queda na reta final das negociações.

Em Wall Street, o dia também começou tenso, passou por um período de intensa volatilidade, mas as bolsas conseguiram se firmar em alta após a entrevista coletiva do presidente Joe Biden. O democrata, que tinha como meta aplicar 100 milhões de doses nos seus 100 primeiros dias de governo, anunciou que irá dobrar a meta, já que a previsão inicial já foi batida. Agora o país espera aplicar 200 milhões de doses no mesmo prazo, o que permite que muitos estados iniciem a vacinação de adultos maiores de 18 anos já em abril. 

O Dow Jones fechou o dia com alta de 0,62%, o S&P 500 avançou 0,52% e o Nasdaq encerrou o dia com leve avanço de 0,12%. Antes da “injeção de ânimo” dada por Biden, os investidores estavam atentos não só ao desdobramento da terceira onda do coronavírus, mas também a uma deterioração nas relações entre Estados Unidos e China e preocupações com a interrupção na cadeia global de abastecimento. Ontem, um navio gigantesco, do tamanho aproximado do Empire State Building, encalhou no Canal de Suez, uma das principais passagens comerciais do planeta. No momento, mais de 180 navios estão esperando a resolução do problema para seguir viagem. 

Sobe e desce

Ao contrário do inicialmente esperado, a indicação de Rodrigo Limp Nascimento para substituir Wilson Ferreira Júnior na Eletrobras não pesou sobre as ações da companhia. Muito pelo contrário. A escolha foi bem recebida pelo mercado, que embora veja problemas na forma como a indicação foi feita, também vê a seleção com bons olhos, já que Nascimento aparenta ter um currículo técnico e perfil pró-privatizações. 

O setor elétrico, que subiu em bloco na sessão de hoje, também repercutiu o balanço do quarto trimestre de 2020 da Equatorial. Além de números fortes, o mercado também se empolgou com a perspectiva de uma forte atuação no setor de fusões e aquisições. Confira as maiores altas do dia:

CÓDIGONOMEVALOR (R$)VARIAÇÃO
EQTL3Equatorial ON         22,486,95%
PCAR3GPA ON         29,665,25%
VVAR3Via Varejo ON         12,045,24%
ENGI11Engie units         44,005,11%
ELET3Eletrobras ON         33,894,96%

Com a recuperação do Ibovespa, poucas empresas ficaram no vermelho na sessão desta quinta-feira (25). O setor de commodities teve mais um dia negativo para a conta, puxado pelo minério de ferro na China. O pior desempenho ficou com as ações da SulAmérica (SULA11). A companhia vem de uma semana de queda, com o peso do agravamento da pandemia no país e um movimento de realização de lucros. Confira as maiores quedas do índice:

CÓDIGONOMEVALOR (R$)VARIAÇÃO
SULA11SulAmérica units         36,91-2,82%
CCRO3CCR ON         12,04-2,11%
BEEF3Minerva ON            9,80-1,51%
ECOR3Ecorodovias ON         11,14-1,42%
VALE3Vale ON         92,44-0,76%
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Crise dos chips

Sem carro zero no mercado, preço de usados sobe até 20% e vendas disparam – carro usado chega a custar mais que um novo

Mercado enfrenta escassez de semicondutores, demanda alta por veículos e prazos longos para a entrega

sem escassez

Fábrica da Tesla em Xangai deve terminar setembro com 300 mil carros produzidos em 2021

Marca será atingida mesmo em meio a uma escassez global de semicondutores, disseram duas fontes da montadora à Reuters

Fim da pandemia

CEO da Pfizer prevê que voltaremos à vida normal dentro de um ano, mesmo com novas variantes do coronavírus

Albert Bourla acredita que vacinação contra a covid-19 se tornarão anuais, para cobrir novas variantes, e que vacinas durarão um ano

ainda não acabou

Controladores da Alliar (AALR3) contratam XP para vender o negócio, diz jornal

Empresa de diagnósticos foi alvo, recentemente, de disputa pelo controle pela Rede D’Or e fundos ligados ao empresário Nelson Tanure

Mais recursos

Democratas aprovam pacote de US$ 3,5 tri no Comitê de Orçamento da Câmara dos EUA

Recursos serão destinados à rede de segurança social e programas relacionados a mudanças climáticas. Obtenção de quase unanimidade para aprovação no Congresso é desafio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies