Menu
2021-01-19T20:23:39-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO

Do céu ao inferno: Incertezas com vacinação pesam, Ibovespa derrapa e vai na contramão de NY

Enquanto o otimismo predominava nas bolsas americanas, por aqui as incertezas sobre a efetividade da campanha de vacinação contra a covid-19 se acumulavam

19 de janeiro de 2021
19:24 - atualizado às 20:23
shutterstock_444312082

Quando as vacinas para uso emergencial foram aprovadas no último domingo (17) pela Anvisa, e a primeira brasileira foi vacinada em solo nacional, parecia que o nosso “felizes para sempre” pós-pandemia era só questão de tempo. E foi assim que o mercado reagiu ontem, mesmo com uma série de incertezas no radar. 

Tudo que é bom dura pouco e a ilusão de que esse é apenas “o início do fim” durou menos de 48 horas. Como aqueles sonhos que rapidamente se provam um pesadelo, a vacinação da população brasileira hoje foi o maior gatilho para a cautela adotada pelos investidores locais. 

Ainda que no exterior o cenário tenha sido de alta — com o S&P 500, Nasdaq e Dow Jones subindo respectivamente 0,81%, 1,53% e 0,38%  —, a bolsa brasileira patinou por boa parte do dia e o Ibovespa fechou em queda de 0,50%, aos 120.636,39 pontos

O dia também começou no azul por aqui, com a bolsa subindo mais de 0,70%, mas ao longo do dia o cenário foi se deteriorando cada vez mais. Ainda que tenha fechado longe das mínimas, o rumo da bolsa hoje joga um banho de água fria no otimismo. O desempenho negativo das ações ligadas ao setor de commodities também pressionou o índice.

O dólar teve uma trajetória parecida de decepção com o cenário doméstico. A moeda americana chegou a cair mais de 1,70%, mas terminou o dia em alta de 0,77%, aos R$ 5,3456.

O mercado de juros futuros também começou o dia em queda e mudou de trajetória ao longo do dia, conforme os investidores foram pesando a preocupação com o cenário fiscal e antecipando a decisão do Copom sobre a taxa Selic, que será divulgada amanhã. O maior impacto foi sentido nas taxas longas. Confira as taxas de fechamento:

  • Janeiro/2022: de 3,26% para 3,255%
  • Janeiro/2023: de 4,99% para 5,025%
  • Janeiro/2025: de 6,47% para 6,49%
  • Janeiro/2027: de 7,10% para 7,19% 

Esfriando os ânimos

O banho de água fria teve inúmeros componentes. Atritos políticos, erros logísticos, falta de informações oficiais, relações diplomáticas desgastadas e falta de insumos. Não importa em qual deles você deseje focar. Tudo leva a crer que um atraso no planejamento inicial é inevitável. 

Esse atraso na vacinação é prejudicial não só para o quadro de saúde do país, mas também para a saúde fiscal. Pois é, esse tema que volta e meia reaparece para assombrar os investidores também resolveu dar as caras por aqui hoje, de forma mais contundente. 

A euforia com o início da vacinação havia deixado esse ponto um pouco de lado, até porque a leitura do mercado era de que com a vacinação avançando no país, a discussão sobre novos estímulos fiscais ou a extensão do auxílio emergencial não seria necessária. O atraso da imunização em larga escala, no entanto, abre novamente essa possibilidade. 

A queda da popularidade de Jair Bolsonaro também. O mercado teme que o presidente recorra a medidas populistas para recuperar o apoio popular.

A corrida para a presidência da Câmara, outro foco de incerteza, também esbarrou no risco fiscal. 

Camila Abdelmalack, economista-chefe da Veedha Investimentos, aponta que esse deve ser o tema das próximas semanas e que o que está em pauta é a condução fiscal de cada um dos candidatos — Baleia Rossi (oposição com o apoio de Maia) e Arthur Lira (candidato do governo). E os dois já se manifestaram favoráveis a pautar uma extensão do auxílio emergencial. Paulo Guedes também espera a vitória de Lira para reapresentar a proposta da “nova CPMF”. 

Só resta ao mercado financeiro reagir com cautela, já que a soma de fatores levanta dúvidas não só sobre o processo de vacinação, mas também sobre a capacidade do país em lidar com a crise sem a necessidade de aumentar o rombo nas contas públicas. E, segundo analistas do mercado, o ritmo de vacinação é essencial para manter o otimismo e dissipar esse medo. 

O início de um sonho (deu tudo errado)

Além de o Brasil começar o seu processo de vacinação contra a covid-19 com mais de um mês de atraso com relação a boa parte do mundo, ainda temos um caminhão de situações-problemas que pioram o cenário. 

A primeira delas é que o Ministério da Saúde ainda não apresentou um cronograma detalhado e teve problemas logísticos de distribuição das doses logo no primeiro dia de vacinação. A situação só foi normalizada agora no fim da tarde. Oficialmente, já foi dada a largada em todos os estados do País. 

Com isso, a segunda preocupação é: até quando as doses disponíveis serão suficientes? Pelo que temos de números, a resposta não é nada animadora. E ela pode piorar. 

O Brasil está tendo problemas para importar insumos essenciais para a fabricação tanto da Coronavac, feita em parceria com o Instituto Butantan, quanto do imunizante produzido pela AstraZeneca, com apoio da Fiocruz. E a culpa é dos impasses diplomáticos com o país asiático e que marcam todo o governo Bolsonaro. 

Com a falta de insumos, a Fiocruz já adiou para março a entrega das doses produzidas no Brasil. 

O Itamaraty tenta uma reaproximação, e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, deve se encontrar amanhã com o embaixador da China, Yang Wanming, para tentar resolver a situação. 

Problemas também com as vacinas que ainda nem estão em solo nacional. É o caso das doses que o governo federal diz ter comprado da Índia. Hoje, o governo indiano divulgou uma lista de seis países que receberão as doses, e o Brasil não é um deles. 

Além disso, o presidente Jair Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria, seguem se estranhando em rede nacional. 

Atrasos na vacinação — seja por erro logístico, atritos políticos ou falta de insumos — é sinônimo de um adiamento da tão sonhada retomada econômica.

Washington nos holofotes

É possível que você ainda ouvirá falar muito de Janet Yellen, ex-presidente do Federal Reserve, pelos próximos quatro anos. Yellen foi indicada por Biden para assumir o Tesouro americano e discursou hoje na Câmara dos Representantes.

Assim como era esperado pelo mercado, a futura secretária do Tesouro confirmou as expectativas e defendeu o pacote de US$ 1,9 trilhão proposto por Biden, disse que os EUA não irão desvalorizar o dólar para ganhar vantagem competitiva, reforçou a importância de se investir em infraestrutura e defendeu reverter os benefícios fiscais concedidos por Trump.

As bolsas americanas chegaram a perder um pouco de força ao longo da manhã, mas a fala de Yellen fez os investidores recuperarem o fôlego, com destaque para o Nasdaq. No Brasil, o Ibovespa também diminuiu a queda após o discurso. 

Amanhã, os Estados Unidos devem seguir em primeiro plano, já que Joe Biden deve tomar posse como presidente. A segurança da cerimônia deve ser reforçada após a invasão do Capitólio recentemente. 

Sobe e desce

Camila Abdelmalack e Luciano França, gestor de fundos da Avantgarde Asset Management, salientaram a importância da queda do setor de commodities na pressão sobre o Ibovespa na sessão de hoje. 

Ontem, empresas como CSN, Vale e Gerdau se destacaram, impulsionadas pelo desempenho positivo da economia chinesa. Assim como no caso da vacina, hoje a história foi outra, e o setor reinou entre as maiores quedas do índice.

Além de as empresas refletirem um recuo do minério de ferro, existe um movimento natural de realização de lucros e uma preocupação com o fato de que a China possa diminuir o volume das importações brasileiras. 

Fechando o quadro das maiores quedas, também temos a presença de Hapvida e Weg, duas empresas com valorização expressiva nas últimas semanas. Só ontem, a Weg chegou a subir mais de 6%. Confira as maiores quedas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
CSNA3CSN ONR$ 33,04-5,71%
USIM5Usiminas PNAR$ 14,35-4,71%
HAPV3Hapvida ONR$ 17,37-3,12%
GGBR4Gerdau PNR$ 25,67-2,95%
WEGE3Weg ONR$ 89,60-2,83%

 O BTG Pactual segue em alta após confirmar uma nova oferta de ações na semana passada. Já a Suzano surfa tanto a onda da valorização do dólar (que beneficia exportadoras) como também o aumento dos preços da celulose. Confira as maiores altas do dia:

CÓDIGONOME VALORVARIAÇÃO
BPAC11BTG Pactual unitsR$ 95,153,12%
SUZB3Suzano ONR$ 65,213,03%
TOTS3Totvs ONR$ 29,522,50%
PCAR3GPA ONR$ 78,602,48%
BRKM5Braskem PNAR$ 25,382,22%
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Piorou?

Guedes vê perda estrutural em PEC do auxílio

O plenário do Senado manteve o texto da PEC emergencial com o limite de R$ 44 bilhões para a despesa com o pagamento da nova rodada do auxílio para os mais vulneráveis.

DIÁRIO DE BORDO

À procura de um porto seguro para seu dinheiro em tempos turbulentos no Brasil? Veja onde investir

Se “mar calmo nunca fez bom marinheiro”, o que aprendi nesses meus 25 anos de mercado financeiro é que em momentos de ruídos e turbulências precisamos ser ainda mais persistentes e consistentes em nossos investimentos.

Suspeita de crime

CVM confirma processo para investigar suposto ‘insider trading’ na Petrobras

A suspeita de que alguém pode ter lucrado R$ 18 milhões com o vazamento de informações sobre o que ocorreria na estatal vieram à tona no início da semana e mexeram com os ânimos do mercado.

Queda brusca

Produção de veículos recua 3,5% em fevereiro em comparação anual, diz Anfavea

Frente a janeiro, a produção caiu 1,3%, levando o volume acumulado no primeiro bimestre para 396,7 mil unidades.

Gestora sobe o tom

Fundo Verde se protege no câmbio e diz que governo “falhou miseravelmente” em comprar vacinas

O atraso em proteger a população aparece a olhos vistos, e tem consequências óbvias tanto em termos de vidas quanto em termos econômicos, escreveu a gestora de Luis Stuhlberger

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies