Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-01-19T20:23:39-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO

Do céu ao inferno: Incertezas com vacinação pesam, Ibovespa derrapa e vai na contramão de NY

Enquanto o otimismo predominava nas bolsas americanas, por aqui as incertezas sobre a efetividade da campanha de vacinação contra a covid-19 se acumulavam

19 de janeiro de 2021
19:24 - atualizado às 20:23
shutterstock_444312082

Quando as vacinas para uso emergencial foram aprovadas no último domingo (17) pela Anvisa, e a primeira brasileira foi vacinada em solo nacional, parecia que o nosso “felizes para sempre” pós-pandemia era só questão de tempo. E foi assim que o mercado reagiu ontem, mesmo com uma série de incertezas no radar. 

Tudo que é bom dura pouco e a ilusão de que esse é apenas “o início do fim” durou menos de 48 horas. Como aqueles sonhos que rapidamente se provam um pesadelo, a vacinação da população brasileira hoje foi o maior gatilho para a cautela adotada pelos investidores locais. 

Ainda que no exterior o cenário tenha sido de alta — com o S&P 500, Nasdaq e Dow Jones subindo respectivamente 0,81%, 1,53% e 0,38%  —, a bolsa brasileira patinou por boa parte do dia e o Ibovespa fechou em queda de 0,50%, aos 120.636,39 pontos

O dia também começou no azul por aqui, com a bolsa subindo mais de 0,70%, mas ao longo do dia o cenário foi se deteriorando cada vez mais. Ainda que tenha fechado longe das mínimas, o rumo da bolsa hoje joga um banho de água fria no otimismo. O desempenho negativo das ações ligadas ao setor de commodities também pressionou o índice.

O dólar teve uma trajetória parecida de decepção com o cenário doméstico. A moeda americana chegou a cair mais de 1,70%, mas terminou o dia em alta de 0,77%, aos R$ 5,3456.

O mercado de juros futuros também começou o dia em queda e mudou de trajetória ao longo do dia, conforme os investidores foram pesando a preocupação com o cenário fiscal e antecipando a decisão do Copom sobre a taxa Selic, que será divulgada amanhã. O maior impacto foi sentido nas taxas longas. Confira as taxas de fechamento:

  • Janeiro/2022: de 3,26% para 3,255%
  • Janeiro/2023: de 4,99% para 5,025%
  • Janeiro/2025: de 6,47% para 6,49%
  • Janeiro/2027: de 7,10% para 7,19% 

Esfriando os ânimos

O banho de água fria teve inúmeros componentes. Atritos políticos, erros logísticos, falta de informações oficiais, relações diplomáticas desgastadas e falta de insumos. Não importa em qual deles você deseje focar. Tudo leva a crer que um atraso no planejamento inicial é inevitável. 

Esse atraso na vacinação é prejudicial não só para o quadro de saúde do país, mas também para a saúde fiscal. Pois é, esse tema que volta e meia reaparece para assombrar os investidores também resolveu dar as caras por aqui hoje, de forma mais contundente. 

A euforia com o início da vacinação havia deixado esse ponto um pouco de lado, até porque a leitura do mercado era de que com a vacinação avançando no país, a discussão sobre novos estímulos fiscais ou a extensão do auxílio emergencial não seria necessária. O atraso da imunização em larga escala, no entanto, abre novamente essa possibilidade. 

A queda da popularidade de Jair Bolsonaro também. O mercado teme que o presidente recorra a medidas populistas para recuperar o apoio popular.

A corrida para a presidência da Câmara, outro foco de incerteza, também esbarrou no risco fiscal. 

Camila Abdelmalack, economista-chefe da Veedha Investimentos, aponta que esse deve ser o tema das próximas semanas e que o que está em pauta é a condução fiscal de cada um dos candidatos — Baleia Rossi (oposição com o apoio de Maia) e Arthur Lira (candidato do governo). E os dois já se manifestaram favoráveis a pautar uma extensão do auxílio emergencial. Paulo Guedes também espera a vitória de Lira para reapresentar a proposta da “nova CPMF”. 

Só resta ao mercado financeiro reagir com cautela, já que a soma de fatores levanta dúvidas não só sobre o processo de vacinação, mas também sobre a capacidade do país em lidar com a crise sem a necessidade de aumentar o rombo nas contas públicas. E, segundo analistas do mercado, o ritmo de vacinação é essencial para manter o otimismo e dissipar esse medo. 

O início de um sonho (deu tudo errado)

Além de o Brasil começar o seu processo de vacinação contra a covid-19 com mais de um mês de atraso com relação a boa parte do mundo, ainda temos um caminhão de situações-problemas que pioram o cenário. 

A primeira delas é que o Ministério da Saúde ainda não apresentou um cronograma detalhado e teve problemas logísticos de distribuição das doses logo no primeiro dia de vacinação. A situação só foi normalizada agora no fim da tarde. Oficialmente, já foi dada a largada em todos os estados do País. 

Com isso, a segunda preocupação é: até quando as doses disponíveis serão suficientes? Pelo que temos de números, a resposta não é nada animadora. E ela pode piorar. 

O Brasil está tendo problemas para importar insumos essenciais para a fabricação tanto da Coronavac, feita em parceria com o Instituto Butantan, quanto do imunizante produzido pela AstraZeneca, com apoio da Fiocruz. E a culpa é dos impasses diplomáticos com o país asiático e que marcam todo o governo Bolsonaro. 

Com a falta de insumos, a Fiocruz já adiou para março a entrega das doses produzidas no Brasil. 

O Itamaraty tenta uma reaproximação, e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, deve se encontrar amanhã com o embaixador da China, Yang Wanming, para tentar resolver a situação. 

Problemas também com as vacinas que ainda nem estão em solo nacional. É o caso das doses que o governo federal diz ter comprado da Índia. Hoje, o governo indiano divulgou uma lista de seis países que receberão as doses, e o Brasil não é um deles. 

Além disso, o presidente Jair Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria, seguem se estranhando em rede nacional. 

Atrasos na vacinação — seja por erro logístico, atritos políticos ou falta de insumos — é sinônimo de um adiamento da tão sonhada retomada econômica.

Washington nos holofotes

É possível que você ainda ouvirá falar muito de Janet Yellen, ex-presidente do Federal Reserve, pelos próximos quatro anos. Yellen foi indicada por Biden para assumir o Tesouro americano e discursou hoje na Câmara dos Representantes.

Assim como era esperado pelo mercado, a futura secretária do Tesouro confirmou as expectativas e defendeu o pacote de US$ 1,9 trilhão proposto por Biden, disse que os EUA não irão desvalorizar o dólar para ganhar vantagem competitiva, reforçou a importância de se investir em infraestrutura e defendeu reverter os benefícios fiscais concedidos por Trump.

As bolsas americanas chegaram a perder um pouco de força ao longo da manhã, mas a fala de Yellen fez os investidores recuperarem o fôlego, com destaque para o Nasdaq. No Brasil, o Ibovespa também diminuiu a queda após o discurso. 

Amanhã, os Estados Unidos devem seguir em primeiro plano, já que Joe Biden deve tomar posse como presidente. A segurança da cerimônia deve ser reforçada após a invasão do Capitólio recentemente. 

Sobe e desce

Camila Abdelmalack e Luciano França, gestor de fundos da Avantgarde Asset Management, salientaram a importância da queda do setor de commodities na pressão sobre o Ibovespa na sessão de hoje. 

Ontem, empresas como CSN, Vale e Gerdau se destacaram, impulsionadas pelo desempenho positivo da economia chinesa. Assim como no caso da vacina, hoje a história foi outra, e o setor reinou entre as maiores quedas do índice.

Além de as empresas refletirem um recuo do minério de ferro, existe um movimento natural de realização de lucros e uma preocupação com o fato de que a China possa diminuir o volume das importações brasileiras. 

Fechando o quadro das maiores quedas, também temos a presença de Hapvida e Weg, duas empresas com valorização expressiva nas últimas semanas. Só ontem, a Weg chegou a subir mais de 6%. Confira as maiores quedas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
CSNA3CSN ONR$ 33,04-5,71%
USIM5Usiminas PNAR$ 14,35-4,71%
HAPV3Hapvida ONR$ 17,37-3,12%
GGBR4Gerdau PNR$ 25,67-2,95%
WEGE3Weg ONR$ 89,60-2,83%

 O BTG Pactual segue em alta após confirmar uma nova oferta de ações na semana passada. Já a Suzano surfa tanto a onda da valorização do dólar (que beneficia exportadoras) como também o aumento dos preços da celulose. Confira as maiores altas do dia:

CÓDIGONOME VALORVARIAÇÃO
BPAC11BTG Pactual unitsR$ 95,153,12%
SUZB3Suzano ONR$ 65,213,03%
TOTS3Totvs ONR$ 29,522,50%
PCAR3GPA ONR$ 78,602,48%
BRKM5Braskem PNAR$ 25,382,22%
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

de olho na inovação

Amazon sinaliza interesse por criptomoedas em anúncio de emprego

Empresa procura “um líder de produto experiente para desenvolver a estratégia e o roadmap de produtos e moedas digitais

balanço em foco

Lucro da Hypera Pharma aumenta 18% no segundo trimestre

Cifra chegou a R$ 470,6 milhões no período; companhia obteve alta de 43,5% na receita líquida, a R$ 1,5 bilhão

seu dinheiro na sua noite

Quebrando recordes na corrida dos ETFs

A pira foi acesa em Tóquio: os Jogos Olímpicos estão oficialmente abertos — e eu estou empolgadíssimo. Não sei vocês, mas eu adoro as Olimpíadas, principalmente os esportes não muito convencionais. Claro, é legal assistir futebol, vôlei e basquete, mas eu gosto mesmo é de ver as modalidades que nunca passam na TV. Duelo de […]

FECHAMENTO DA SEMANA

Inflação salgada pressiona juros, mas dados americanos amenizam alta do dólar — já a bolsa não escapou da queda

Em semana recheada de ruídos políticos e incertezas, o Ibovespa acumulou uma queda de 0,72%. Já o dólar à vista subiu 1,86%, a R$ 5,2105

de olho no ir

Alta da arrecadação não dá ‘total liberdade’ para reduzir impostos, diz secretário do Tesouro

Jeferson Bittencourt considerou também que a reforma do IR ainda está em aberto, com muito para se discutir

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies