Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-03-18T20:14:38-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO

Queda do petróleo e nova alta dos Treasuries mina efeito positivo pós-Copom e Ibovespa recua aos 114 mil pontos

O mau humor no exterior impediu o Ibovespa de passar por um ajuste positivo pós-Copom, mas a decisão se refletiu no dólar e na curva de juros

18 de março de 2021
18:30 - atualizado às 20:14
Petróleo Opep
Petróleo já subiu 133% em 12 meses, sendo 20% só em 2021 - e este pode ser só o começo de um'superciclo' da commodity - Imagem: Shutterstock

A decisão do Comitê de Política Monetária de elevar a Selic a 2,75% estava cotada para ser o centro das atenções desta quinta-feira (18), mas um exterior negativo acabou tirando o “brilho” da repercussão do Copom. 

Além de uma reação mais contida ao exibido ontem com o discurso de Jerome Powell, o que levou a uma nova alta dos Treasuries, o mercado financeiro também foi surpreendido por um tombo expressivo do petróleo. A queda da commodity fez o índice de volatilidade VIX, espécie de termômetro do medo do mercado, disparar e azedou o humor dos investidores globalmente. 

O Ibovespa futuro e o desempenho do EWZ, ETF de ações brasileiras transacionado lá fora, indicavam que o ajuste pós-Copom seria positivo. No começo das negociações e no meio da tarde o Ibovespa até ensaiou uma virada para o azul, mas o movimento não encontrou suporte e cedeu com o exterior pesado. O principal índice da bolsa brasileira fechou o dia em queda de 1,47%, aos 114.835 pontos. 

O dólar à vista, que chegou a recuar 1,94% no melhor momento do dia, também acabou perdendo o ímpeto com a deterioração do cenário no exterior, mas ainda assim fechou em queda de 0,30%, a R$ 5,5695, bem longe das mínimas. 

Em reação à decisão e ao comunicado do Copom divulgado ontem, que já sinalizou que a Selic deve subir mais 75 pontos-base na próxima reunião, o mercado esperava um movimento de achatamento da curva de juros, que de fato se concretizou, ainda que a influência da alta dos Treasuries tenha influenciado. Na ponta mais curta, o mercado se ajustou a um início de ciclo de elevação dos juros mais forte do que o anteriormente precificado. As taxas chegaram a subir com mais força na parte da manhã, mas perderam um pouco de força ao longo do dia. Confira:

  • Janeiro/2022: de 4,25% para 4,57%
  • Janeiro/2023: de 5,95% para 6,16%
  • Janeiro/2025: de 7,35% para 7,41%
  • Janeiro/2027: de 7,91% para 7,86%

Sem vida fácil

Se ontem o mercado reagiu de forma eufórica à decisão do Federal Reserve de manter os juros inalterados e às sinalizações do presidente da instituição, Jerome Powell, que afirmou que a inflação americana segue sob controle e que os juros devem se manter baixos até pelo menos 2023, hoje o discurso não colou tão bem. 

Na visão de Camila Abdelmalack, economista-chefe da Veedha Investimentos, o mercado sabe que o governo Biden deve seguir pressionando com uma política fiscal bem ativa, o que pode provocar uma pressão na demanda e levar o Federal Reserve a rever a sua postura.  

A melhora das projeções para a economia americana, divulgadas ontem, aumentaram o temor de uma pressão inflacionária - a estimativa para o PIB passou de 4,2% para 6% em 2021 -, o que levou as taxas dos Treasuries a seguirem renovando máximas e pressionando as bolsas globais.

O juro das T-Note de 2 anos e 10 anos e do T-Bond de 30 anos operaram em alta. Além disso, o país teve um aumento nos pedidos de auxílio-desemprego acima do esperado, o que deixou os índices americanos boa parte do dia sem uma direção definida. 

O golpe de misericórdia para a queda expressiva dos negócios hoje foi o desempenho do petróleo no mercado internacional. Os contratos futuros da commodity chegaram a recuar mais de 8%, pesando sobre as ações de petroleiras e contaminando todo o mercado. 

O petróleo WTI para maio fechou em queda de 7,07%, a US$ 60,06 o barril, refletindo a preocupação com o avanço dos casos do coronavírus na Europa, onde em muitos locais a vacinação está paralisada, e o avanço do dólar perante as moedas mais fortes. 

Neste cenário pessimista, o Dow Jones fechou em queda de 0,46%, o S&P 500 recuou 1,48% e o Nasdaq despencou 3,02%. 

Indo além

A decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) de aumentar a taxa Selic em 75 pontos-base pegou o mercado de surpresa, mas não de uma forma negativa. Uma alta já era esperada, mas a maioria dos economistas e agentes financeiros esperava uma alta mais modesta, de 50 pontos-base. No entanto, o movimento acabou dividindo o centro das atenções com o exterior negativo. 

No comunicado, o Banco Central abordou a preocupação com a pressão inflacionária (vista como um fator temporário) e também com o risco fiscal, herdado das iniciativas para conter os efeitos econômicos da pandemia e da demora em se aprovar as reformas estruturantes no Congresso.

Para Alexandre Almeida, economista da CM Capital, mais do que o aumento anunciado nesta reunião, o mercado foi pego de surpresa pela sinalização de que a próxima reunião deve trazer um ajuste de igual tamanho e pela mudança de tom com relação ao comunicado do encontro de janeiro.

O BC também surpreendeu ao afirmar que a atividade econômica está melhor do que o projetado pelo mercado, ainda que o crescimento no número de casos da covid-19 vá ter o seu efeito, o que mostra um cenário que não apoia mais o uso de instrumentos "extraordinários" de política monetária.

Descontrole

A pandemia do coronavírus, que sobrecarrega o sistema de saúde por todo o país, vai ganhando contornos cada vez mais preocupantes e também fica no foco dos investidores. O Brasil tem renovado diariamente o recorde de casos e novos óbitos. Só nas últimas 24 horas o país superou a casa dos três mil mortos, registrando uma média móvel superior a dois mil óbitos diários pela primeira vez durante toda a pandemia.

Por isso, o olhar dos investidores também se volta para Brasília. No Congresso, o mercado aguarda a liberação da nova rodada do auxílio emergencial. O presidente Jair Bolsonaro havia se comprometido a entregar a Medida Provisória pessoalmente, mas mudou de ideia, e o texto foi encaminhado pelas vias administrativas normais. O valor do novo auxílio deve ser de R$ 150. 

Já no Ministério da Saúde, os agentes financeiros buscam pistas sobre uma mudança de tom do governo Bolsonaro com relação ao caos que tomou conta do país. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, utilizou o Twitter nesta quinta-feira (18) para cobrar uma nova abordagem do governo no combate à pandemia.

Em São Paulo, novas medidas foram anunciadas para tentar conter a doença e achatar a curva. O prefeito da cidade de São Paulo anunciou que irá antecipar feriados durante a Semana Santa para tentar reverter o quadro contágio na capital. Além disso, Bruno Covas também anunciou novos horários para o rodízio de veículos em uma tentativa de conter a movimentação e incentivar o isolamento social.

Sobe e desce

A decisão do Copom mexe com alguns setores específicos do Ibovespa. Na ponta positiva, temos uma reação das empresas do setor financeiro após a elevação da taxa de juros. Confira as principais altas desta quinta-feira (18):

CÓDIGONOME VALORVARIAÇÃO
SANB11Santander Brasil units         R$ 40,882,77%
BBDC3Bradesco ON         R$ 23,151,85%
BBDC4Bradesco PN         R$ 26,471,85%
SBSP3Sabesp ON         R$ 42,201,61%
SULA11SulAmérica units         R$ 36,381,54%

No começo do dia, os papéis da Yduqs e da Gol lideram as quedas do índice, após as companhias divulgarem os seus resultados do quarto trimestre de 2020. Ao longo do dia, no entanto, o foco negativo se voltou para as empresas dos setores de consumo e imobiliário, que devem ser mais impactadas pela alta da Selic.

Mas, no fim, o pior desempenho ficou com as ações da PetroRio, que acompanharam o recuo do petróleo.

CÓDIGONOME VALORVARIAÇÃO
PRIO3PetroRio ON         R$ 88,20-8,60%
GOLL4Gol PN         R$ 21,36-7,53%
MGLU3Magazine Luiza ON         R$ 22,28-6,93%
BTOW3B2W ON         R$ 61,25-5,11%
YDUQ3Yduqs ON         R$ 27,23-4,99%
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Ajuste seu relógio

Pregão terá uma hora a mais a partir de novembro; entenda a mudança e veja a nova agenda da bolsa

As alterações começam a valer a partir do dia 8 de novembro; a B3 vai ajustar a bolsa para refletir o fim do horário de verão nos EUA

Nada de penny stock

Na Saraiva (SLED3 e SLED4), uma medida para aliviar a pressão da CVM — mas que não tira a corda do pescoço

A Saraiva (SLED3 e SLED4) quer fazer um grupamento de ações na proporção de 35 para 1, saindo da casa dos centavos — mas perdendo liquidez

Seu Dinheiro no sábado

O que esperar para os seus investimentos até 2024?

Como parte das comemorações de três anos do Seu Dinheiro, montamos um conteúdo especial para discutir o cenário de investimentos até 2024

PAPO CRIPTO #004

Bitcoin (BTC) pode chegar aos US$ 100 mil ainda este ano, tudo depende dos EUA, afirma André Franco ao Papo Cripto

As gamecoins como o Axie Infinity devem movimentar ainda mais o mercado até o final do ano

ATENÇÃO, ACIONISTA

Hapvida (HAPV3) vai recomprar até 100 milhões de ações; papéis acumulam queda de 17% no ano

A operadora de saúde anunciou hoje que dará início a um programa de recompra de papéis com duração de até 18 meses

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies