Menu
2021-03-18T20:14:38-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO

Queda do petróleo e nova alta dos Treasuries mina efeito positivo pós-Copom e Ibovespa recua aos 114 mil pontos

O mau humor no exterior impediu o Ibovespa de passar por um ajuste positivo pós-Copom, mas a decisão se refletiu no dólar e na curva de juros

18 de março de 2021
18:30 - atualizado às 20:14
Petróleo Opep
Petróleo já subiu 133% em 12 meses, sendo 20% só em 2021 - e este pode ser só o começo de um'superciclo' da commodity - Imagem: Shutterstock

A decisão do Comitê de Política Monetária de elevar a Selic a 2,75% estava cotada para ser o centro das atenções desta quinta-feira (18), mas um exterior negativo acabou tirando o “brilho” da repercussão do Copom. 

Além de uma reação mais contida ao exibido ontem com o discurso de Jerome Powell, o que levou a uma nova alta dos Treasuries, o mercado financeiro também foi surpreendido por um tombo expressivo do petróleo. A queda da commodity fez o índice de volatilidade VIX, espécie de termômetro do medo do mercado, disparar e azedou o humor dos investidores globalmente. 

O Ibovespa futuro e o desempenho do EWZ, ETF de ações brasileiras transacionado lá fora, indicavam que o ajuste pós-Copom seria positivo. No começo das negociações e no meio da tarde o Ibovespa até ensaiou uma virada para o azul, mas o movimento não encontrou suporte e cedeu com o exterior pesado. O principal índice da bolsa brasileira fechou o dia em queda de 1,47%, aos 114.835 pontos. 

O dólar à vista, que chegou a recuar 1,94% no melhor momento do dia, também acabou perdendo o ímpeto com a deterioração do cenário no exterior, mas ainda assim fechou em queda de 0,30%, a R$ 5,5695, bem longe das mínimas. 

Em reação à decisão e ao comunicado do Copom divulgado ontem, que já sinalizou que a Selic deve subir mais 75 pontos-base na próxima reunião, o mercado esperava um movimento de achatamento da curva de juros, que de fato se concretizou, ainda que a influência da alta dos Treasuries tenha influenciado. Na ponta mais curta, o mercado se ajustou a um início de ciclo de elevação dos juros mais forte do que o anteriormente precificado. As taxas chegaram a subir com mais força na parte da manhã, mas perderam um pouco de força ao longo do dia. Confira:

  • Janeiro/2022: de 4,25% para 4,57%
  • Janeiro/2023: de 5,95% para 6,16%
  • Janeiro/2025: de 7,35% para 7,41%
  • Janeiro/2027: de 7,91% para 7,86%

Sem vida fácil

Se ontem o mercado reagiu de forma eufórica à decisão do Federal Reserve de manter os juros inalterados e às sinalizações do presidente da instituição, Jerome Powell, que afirmou que a inflação americana segue sob controle e que os juros devem se manter baixos até pelo menos 2023, hoje o discurso não colou tão bem. 

Na visão de Camila Abdelmalack, economista-chefe da Veedha Investimentos, o mercado sabe que o governo Biden deve seguir pressionando com uma política fiscal bem ativa, o que pode provocar uma pressão na demanda e levar o Federal Reserve a rever a sua postura.  

A melhora das projeções para a economia americana, divulgadas ontem, aumentaram o temor de uma pressão inflacionária - a estimativa para o PIB passou de 4,2% para 6% em 2021 -, o que levou as taxas dos Treasuries a seguirem renovando máximas e pressionando as bolsas globais.

O juro das T-Note de 2 anos e 10 anos e do T-Bond de 30 anos operaram em alta. Além disso, o país teve um aumento nos pedidos de auxílio-desemprego acima do esperado, o que deixou os índices americanos boa parte do dia sem uma direção definida. 

O golpe de misericórdia para a queda expressiva dos negócios hoje foi o desempenho do petróleo no mercado internacional. Os contratos futuros da commodity chegaram a recuar mais de 8%, pesando sobre as ações de petroleiras e contaminando todo o mercado. 

O petróleo WTI para maio fechou em queda de 7,07%, a US$ 60,06 o barril, refletindo a preocupação com o avanço dos casos do coronavírus na Europa, onde em muitos locais a vacinação está paralisada, e o avanço do dólar perante as moedas mais fortes. 

Neste cenário pessimista, o Dow Jones fechou em queda de 0,46%, o S&P 500 recuou 1,48% e o Nasdaq despencou 3,02%. 

Indo além

A decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) de aumentar a taxa Selic em 75 pontos-base pegou o mercado de surpresa, mas não de uma forma negativa. Uma alta já era esperada, mas a maioria dos economistas e agentes financeiros esperava uma alta mais modesta, de 50 pontos-base. No entanto, o movimento acabou dividindo o centro das atenções com o exterior negativo. 

No comunicado, o Banco Central abordou a preocupação com a pressão inflacionária (vista como um fator temporário) e também com o risco fiscal, herdado das iniciativas para conter os efeitos econômicos da pandemia e da demora em se aprovar as reformas estruturantes no Congresso.

Para Alexandre Almeida, economista da CM Capital, mais do que o aumento anunciado nesta reunião, o mercado foi pego de surpresa pela sinalização de que a próxima reunião deve trazer um ajuste de igual tamanho e pela mudança de tom com relação ao comunicado do encontro de janeiro.

O BC também surpreendeu ao afirmar que a atividade econômica está melhor do que o projetado pelo mercado, ainda que o crescimento no número de casos da covid-19 vá ter o seu efeito, o que mostra um cenário que não apoia mais o uso de instrumentos "extraordinários" de política monetária.

Descontrole

A pandemia do coronavírus, que sobrecarrega o sistema de saúde por todo o país, vai ganhando contornos cada vez mais preocupantes e também fica no foco dos investidores. O Brasil tem renovado diariamente o recorde de casos e novos óbitos. Só nas últimas 24 horas o país superou a casa dos três mil mortos, registrando uma média móvel superior a dois mil óbitos diários pela primeira vez durante toda a pandemia.

Por isso, o olhar dos investidores também se volta para Brasília. No Congresso, o mercado aguarda a liberação da nova rodada do auxílio emergencial. O presidente Jair Bolsonaro havia se comprometido a entregar a Medida Provisória pessoalmente, mas mudou de ideia, e o texto foi encaminhado pelas vias administrativas normais. O valor do novo auxílio deve ser de R$ 150. 

Já no Ministério da Saúde, os agentes financeiros buscam pistas sobre uma mudança de tom do governo Bolsonaro com relação ao caos que tomou conta do país. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, utilizou o Twitter nesta quinta-feira (18) para cobrar uma nova abordagem do governo no combate à pandemia.

Em São Paulo, novas medidas foram anunciadas para tentar conter a doença e achatar a curva. O prefeito da cidade de São Paulo anunciou que irá antecipar feriados durante a Semana Santa para tentar reverter o quadro contágio na capital. Além disso, Bruno Covas também anunciou novos horários para o rodízio de veículos em uma tentativa de conter a movimentação e incentivar o isolamento social.

Sobe e desce

A decisão do Copom mexe com alguns setores específicos do Ibovespa. Na ponta positiva, temos uma reação das empresas do setor financeiro após a elevação da taxa de juros. Confira as principais altas desta quinta-feira (18):

CÓDIGONOME VALORVARIAÇÃO
SANB11Santander Brasil units         R$ 40,882,77%
BBDC3Bradesco ON         R$ 23,151,85%
BBDC4Bradesco PN         R$ 26,471,85%
SBSP3Sabesp ON         R$ 42,201,61%
SULA11SulAmérica units         R$ 36,381,54%

No começo do dia, os papéis da Yduqs e da Gol lideram as quedas do índice, após as companhias divulgarem os seus resultados do quarto trimestre de 2020. Ao longo do dia, no entanto, o foco negativo se voltou para as empresas dos setores de consumo e imobiliário, que devem ser mais impactadas pela alta da Selic.

Mas, no fim, o pior desempenho ficou com as ações da PetroRio, que acompanharam o recuo do petróleo.

CÓDIGONOME VALORVARIAÇÃO
PRIO3PetroRio ON         R$ 88,20-8,60%
GOLL4Gol PN         R$ 21,36-7,53%
MGLU3Magazine Luiza ON         R$ 22,28-6,93%
BTOW3B2W ON         R$ 61,25-5,11%
YDUQ3Yduqs ON         R$ 27,23-4,99%
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Carteira digital

PicPay entra com pedido de IPO na Nasdaq

Aplicativo atingiu recentemente a marca de 50 milhões de usuários, mas crescimento veio acompanhado de um prejuízo de mais de R$ 800 milhões só no ano passado

Mercados hoje

Bolsas sobem em Nova York após dois dias de queda; índice de empresas brasileiras avança apesar do petróleo

Otimismo com retomada da economia norte-americana impulsiona bolsas. A maior surpresa do dia é o Nasdaq, que sobe mesmo com o peso das ações da Netflix

O varejo ferve

Renner mira compra da Dafiti com recursos da oferta de ações

Varejista anunciou captação de até R$ 6,5 bilhões na bolsa e pode usar os recursos para fazer uma proposta pelo e-commerce de moda

Pouso forçado

Demanda por voos deve encerrar o ano em menos da metade do nível pré-pandemia

O prejuízo total das companhias aéreas em 2021 deve ficar entre US$ 47 bilhões e US$ 48 bilhões, de acordo com a ação Internacional de Transporte Aéreo (Iata)

Agora vai?

Governo vai reduzir valor de arrecadação por áreas “micadas” do pré-sal em novo leilão

A arrecadação que o governo pretende receber pela exploração de dois campos do pré-sal foi reduzida em R$ 25,5 bilhões; novo leilão deve acontecer em dezembro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies