Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-04-12T18:28:09-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO

Ibovespa ignora tensão em Brasília e NY no vermelho e avança 1%; dólar também sobe

Enquanto as blue chips garantiram o bom desempenho do Ibovespa, o dólar avançou 0,84%, pressionado pelo noticiário em Brasília

12 de abril de 2021
17:53 - atualizado às 18:28
ignora barulhos do mercado
Imagem: Shutterstock

Não é de hoje que o mercado de ações se encontra um tanto errático e cheio de quebra de expectativas. Esta segunda-feira (12) foi mais um desses dias. 

Com as bolsas americanas realizando lucros após as altas recentes e um cenário político conturbado, talvez fosse esperado um movimento negativo também na B3, mas não foi bem isso que aconteceu. O principal índice da bolsa brasileira fechou a sessão na máxima do dia, avançando 0,97%, aos 118.811 pontos. Segundo Camila Abdelmalack, economista-chefe da Veedha Investimentos, o mercado buscou em "razões micro" motivos para manter o otimismo.

Bruno Madruga, head de Renda Variável da Monte Bravo Investimentos, ressalta o bom desempenho de alguns setores de grande peso para o índice e que ajudaram o Ibovespa a ir na contramão dos fantasmas. É o caso do setor financeiro - que se recuperou do tombo registrado na semana passada -, e do setor de commodities - com a valorização de Petrobras (1%) e Vale (0,40%), que acompanharam as altas do petróleo e do minério de ferro, respectivamente. 

Enquanto a bolsa começou a semana com o pé direito, restou ao dólar e ao mercado de juros a repercussão do cenário político-fiscal, que se deteriorou ainda mais na parte da tarde. É o caso do Orçamento de 2021, cujo desfecho é esperado para essa semana, o descontrole da pandemia e informações de que o governo estuda retirar parte dos gastos com saúde do teto de gastos, abrindo espaço para as emendas parlamentares,

O dólar à vista chegou a abrir o dia em queda, mas a mudança de direção dos juros dos Treasuries, nos Estados Unidos, pesou e a tensão em Brasília aprofundou a alta da divisa, que fechou com um avanço de 0,84%, a R$ 5,7224. Os principais contratos de DI também apresentaram um alívio mais forte durante a manhã, mas reduziram o movimento ao longo da tarde, quase zerando a queda. Confira as taxas de fechamento:

  • Janeiro/2022: estável em 4,72% 
  • Janeiro/2023: estável em 6,55%
  • Janeiro/2025: de 8,28% para 8,25%
  • Janeiro/2027: de 8,93% para 8,87%

Embolsando lucros

Hoje o Ibovespa não contou com o apoio de Wall Street para subir. Em Nova York, tivemos um dia de sessão majoritariamente negativa após os recordes registrados na semana anterior. O Dow Jones recuou 0,16%, o Nasdaq caiu 0,36% e o S&P 500 teve leve alta de 0,01%. Nos Estados Unidos também existe uma expectativa para a temporada de balanços que começa nesta semana. Por isso, os investidores aproveitam para rever suas posições. 

O dia também foi de avanço do rendimento dos Treasuries, mesmo após o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, afirmar durante o fim de semana que não há chances de um aumento de juros ainda este ano.

Na Europa, as principais bolsas fecharam em queda, mesmo com dados melhores do que o esperado das vendas no varejo da zona do euro, acompanhando o sentimento em Nova York

Panela de pressão

Por aqui, Brasília nunca sai de moda, e a tendência deve seguir enquanto questões como o Orçamento de 2021 e a CPI da Covid não forem resolvidas. 

O Orçamento para 2021 ainda não foi aprovado pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, que recebeu a orientação da equipe econômica de Paulo Guedes de vetar alguns pontos do projeto para evitar um possível crime de responsabilidade. Segundo a Broadcast, o presidente chegou a receber orientações para sair do país, deixando a tarefa de sancionar o texto com o presidente da Câmara, Arthur Lira. 

O texto aprovado tem sido criticado por destinar uma grande quantidade de recursos para emendas parlamentares e diminuir o total destinado às despesas obrigatórias. Na semana passada, o secretário do Tesouro levantou a hipótese de um shutdown, já que o valor não seria suficiente para manter a máquina pública funcionando.  

Durante a tarde, outro ponto passou a pressionar ainda mais o cenário fiscal: a possibilidade de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que deixaria de fora do teto de gastos as despesas com saúde durante a pandemia. O financiamento seria feito via crédito extraordinário, sem acionar o estado de calamidade. 

Temos também o avanço da “CPI da Covid”, que busca apurar possíveis omissões e irregularidades durante a pandemia, no plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) e cuja votação está marcada para esta quarta-feira (12). Bolsonaro disse no final de semana que espera a ampliação das investigações para estados e municípios, para evitar um “relatório sacana” contra o governo federal e sugeriu o impeachment de um ministro do STF. 

A CPI visa apurar possíveis omissões e irregularidades durante a pandemia de covid-19 ao longo do ano de 2020. Enquanto isso, o Brasil vive os piores momentos da pandemia, com uma média de mortes acima de três mil por dia e com a vacinação a passos lentos em todo país. Analistas temem que a CPI trave outras questões mais prioritárias, como as reformas e privatizações.

Sobe e desce

Descontadas desde a estreia do seu braço de atacarejo na bolsa, as ações do Grupo Pão de Açúcar ficaram com a principal alta do dia.

As ações da Eneva também se destacaram após o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovar a venda da participação da companhia na termelétrica São Marcos para a Golar Power. Já os frigoríficos avançaram junto com o dólar. Confira as maiores altas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
PCAR3GPA ONR$ 37,009,79%
BRKM5Braskem PNAR$ 46,767,82%
BEEF3Minerva ONR$ 11,375,18%
ENEV3Eneva ONR$ 18,064,63%
JBSS3JBS ONR$ 32,252,87%

Já na ponta contrária, as ações da Eletrobras se destacaram em queda, mesmo após a companhia ter sido incluída no Plano Nacional de Desestatização. Segundo o analista técnico da Ativa Investimentos, além de um recuo saudável após as altas recentes, a companhia também pode ter o seu processo de privatização travado diante da CPI da Covid. 

O setor aéreo é um dos principais destaques negativos do dia, após as empresas do segmento terem avançado na semana passada, mesmo diante dos problemas relacionados à pandemia. Confira também as maiores quedas:

CÓDIGONOMEVALORVAR
ELET6Eletrobras PNBR$ 34,95-2,81%
AZUL4Azul PNR$ 38,45-2,29%
ELET3Eletrobras ONR$ 34,73-2,03%
EZTC3EZTEC ONR$ 33,00-1,46%
BRML3BR Malls ONR$ 9,81-1,31%
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

COMO ESPERADO

Evergrande paga credores locais; estrangeiros seguem a ver navios

Apesar da perspectiva de calote aos credores externos, reação à notícia foi positiva nos mercados de bônus chineses

bitcoin (BTC) hoje

Bitcoin (BTC) se aproxima das máximas históricas após estreia do primeiro ETF em criptomoeda nos EUA; acompanhe

Nos primeiros minutos de negociação, o ETF da ProShares movimentou cerca de US$ 280 milhões de acordo com o analista de fundos de índice da Bloomberg

NA ESTEIRA DA VACINA

Beneficiada por venda de imunizante contra covid-19, Johnson & Johnson lucra mais que o esperado no 3º trimestre

Depois dos grandes bancos, agora é a vez de a J&J surpreender positivamente o mercado, impulsionada por sua divisão farmacêutica

MERCADOS HOJE

Auxílio emergencial ‘turbinado’ e fora do teto pesa e faz Ibovespa perder os 113 mil pontos; dólar avança mesmo com leilão do BC

A agenda local está esvaziada neste início de semana, mas os investidores aguardam ansiosamente por um desfecho para a PEC dos precatórios.

RadioCash

Com cenário macroeconômico instável, não dá pra ser Warren Buffet no Brasil, diz Paolo Di Sora, fundador da RPS Capital

Para o megainvestidor e CEO da Berkshire Hathaway, que compra ações de empresas na maior economia do mundo, é fácil se concentrar na análise microeconômica. Já o investidor brasileiro, por sua vez, está sempre sujeito a instabilidades e crises domésticas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies