Menu
2021-04-12T18:28:09-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO

Ibovespa ignora tensão em Brasília e NY no vermelho e avança 1%; dólar também sobe

Enquanto as blue chips garantiram o bom desempenho do Ibovespa, o dólar avançou 0,84%, pressionado pelo noticiário em Brasília

12 de abril de 2021
17:53 - atualizado às 18:28
ignora barulhos do mercado
Imagem: Shutterstock

Não é de hoje que o mercado de ações se encontra um tanto errático e cheio de quebra de expectativas. Esta segunda-feira (12) foi mais um desses dias. 

Com as bolsas americanas realizando lucros após as altas recentes e um cenário político conturbado, talvez fosse esperado um movimento negativo também na B3, mas não foi bem isso que aconteceu. O principal índice da bolsa brasileira fechou a sessão na máxima do dia, avançando 0,97%, aos 118.811 pontos. Segundo Camila Abdelmalack, economista-chefe da Veedha Investimentos, o mercado buscou em "razões micro" motivos para manter o otimismo.

Bruno Madruga, head de Renda Variável da Monte Bravo Investimentos, ressalta o bom desempenho de alguns setores de grande peso para o índice e que ajudaram o Ibovespa a ir na contramão dos fantasmas. É o caso do setor financeiro - que se recuperou do tombo registrado na semana passada -, e do setor de commodities - com a valorização de Petrobras (1%) e Vale (0,40%), que acompanharam as altas do petróleo e do minério de ferro, respectivamente. 

Enquanto a bolsa começou a semana com o pé direito, restou ao dólar e ao mercado de juros a repercussão do cenário político-fiscal, que se deteriorou ainda mais na parte da tarde. É o caso do Orçamento de 2021, cujo desfecho é esperado para essa semana, o descontrole da pandemia e informações de que o governo estuda retirar parte dos gastos com saúde do teto de gastos, abrindo espaço para as emendas parlamentares,

O dólar à vista chegou a abrir o dia em queda, mas a mudança de direção dos juros dos Treasuries, nos Estados Unidos, pesou e a tensão em Brasília aprofundou a alta da divisa, que fechou com um avanço de 0,84%, a R$ 5,7224. Os principais contratos de DI também apresentaram um alívio mais forte durante a manhã, mas reduziram o movimento ao longo da tarde, quase zerando a queda. Confira as taxas de fechamento:

  • Janeiro/2022: estável em 4,72% 
  • Janeiro/2023: estável em 6,55%
  • Janeiro/2025: de 8,28% para 8,25%
  • Janeiro/2027: de 8,93% para 8,87%

Embolsando lucros

Hoje o Ibovespa não contou com o apoio de Wall Street para subir. Em Nova York, tivemos um dia de sessão majoritariamente negativa após os recordes registrados na semana anterior. O Dow Jones recuou 0,16%, o Nasdaq caiu 0,36% e o S&P 500 teve leve alta de 0,01%. Nos Estados Unidos também existe uma expectativa para a temporada de balanços que começa nesta semana. Por isso, os investidores aproveitam para rever suas posições. 

O dia também foi de avanço do rendimento dos Treasuries, mesmo após o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, afirmar durante o fim de semana que não há chances de um aumento de juros ainda este ano.

Na Europa, as principais bolsas fecharam em queda, mesmo com dados melhores do que o esperado das vendas no varejo da zona do euro, acompanhando o sentimento em Nova York

Panela de pressão

Por aqui, Brasília nunca sai de moda, e a tendência deve seguir enquanto questões como o Orçamento de 2021 e a CPI da Covid não forem resolvidas. 

O Orçamento para 2021 ainda não foi aprovado pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, que recebeu a orientação da equipe econômica de Paulo Guedes de vetar alguns pontos do projeto para evitar um possível crime de responsabilidade. Segundo a Broadcast, o presidente chegou a receber orientações para sair do país, deixando a tarefa de sancionar o texto com o presidente da Câmara, Arthur Lira. 

O texto aprovado tem sido criticado por destinar uma grande quantidade de recursos para emendas parlamentares e diminuir o total destinado às despesas obrigatórias. Na semana passada, o secretário do Tesouro levantou a hipótese de um shutdown, já que o valor não seria suficiente para manter a máquina pública funcionando.  

Durante a tarde, outro ponto passou a pressionar ainda mais o cenário fiscal: a possibilidade de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que deixaria de fora do teto de gastos as despesas com saúde durante a pandemia. O financiamento seria feito via crédito extraordinário, sem acionar o estado de calamidade. 

Temos também o avanço da “CPI da Covid”, que busca apurar possíveis omissões e irregularidades durante a pandemia, no plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) e cuja votação está marcada para esta quarta-feira (12). Bolsonaro disse no final de semana que espera a ampliação das investigações para estados e municípios, para evitar um “relatório sacana” contra o governo federal e sugeriu o impeachment de um ministro do STF. 

A CPI visa apurar possíveis omissões e irregularidades durante a pandemia de covid-19 ao longo do ano de 2020. Enquanto isso, o Brasil vive os piores momentos da pandemia, com uma média de mortes acima de três mil por dia e com a vacinação a passos lentos em todo país. Analistas temem que a CPI trave outras questões mais prioritárias, como as reformas e privatizações.

Sobe e desce

Descontadas desde a estreia do seu braço de atacarejo na bolsa, as ações do Grupo Pão de Açúcar ficaram com a principal alta do dia.

As ações da Eneva também se destacaram após o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovar a venda da participação da companhia na termelétrica São Marcos para a Golar Power. Já os frigoríficos avançaram junto com o dólar. Confira as maiores altas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
PCAR3GPA ONR$ 37,009,79%
BRKM5Braskem PNAR$ 46,767,82%
BEEF3Minerva ONR$ 11,375,18%
ENEV3Eneva ONR$ 18,064,63%
JBSS3JBS ONR$ 32,252,87%

Já na ponta contrária, as ações da Eletrobras se destacaram em queda, mesmo após a companhia ter sido incluída no Plano Nacional de Desestatização. Segundo o analista técnico da Ativa Investimentos, além de um recuo saudável após as altas recentes, a companhia também pode ter o seu processo de privatização travado diante da CPI da Covid. 

O setor aéreo é um dos principais destaques negativos do dia, após as empresas do segmento terem avançado na semana passada, mesmo diante dos problemas relacionados à pandemia. Confira também as maiores quedas:

CÓDIGONOMEVALORVAR
ELET6Eletrobras PNBR$ 34,95-2,81%
AZUL4Azul PNR$ 38,45-2,29%
ELET3Eletrobras ONR$ 34,73-2,03%
EZTC3EZTEC ONR$ 33,00-1,46%
BRML3BR Malls ONR$ 9,81-1,31%
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

juros no brasil

BC prevê ‘alta robusta’ da economia no segundo semestre e indica alta da Selic

O Banco Central avalia que o segundo semestre deste ano deve mostrar uma retomada robusta da atividade econômica, segundo ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), divulgada nesta terça-feira (11). Para a autoridade monetária, a economia deve se recuperar na medida em que os efeitos da vacinação sejam sentidos “de forma mais abrangente”. […]

cardápio de balanços

Itaúsa e BTG: os balanços que mexem com o mercado nesta terça

Resultados são do primeiro trimestre de 2021, período ainda marcado pela incerteza por conta da pandemia de covid-19; veja os destaques

AGORA A SEMANA COMEÇA

Ata do Copom, IPCA e expectativa com balanços devem ditar o rumo do pregão

Aversão ao risco no exterior e cena política agitada recomendam cautela

Coronavírus no Brasil

Brasil tem 423,2 mil mortes e 15,2 milhões de casos de covid-19

Ainda há 3.744 óbitos em investigação. Isso ocorre porque há casos em que um paciente morre, mas a causa segue sendo apurada mesmo após a declaração do óbito

na b3

Leilão de aeroportos regionais de SP terá como destaque bloco de Ribeirão Preto

Segundo o governo, dos 22 aeroportos, seis já contam com serviços de aviação comercial regular e 13 têm potencial de desenvolvimento de novas rotas regulares durante a concessão

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies