Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-04-05T19:07:18-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO

Bolsa pega carona nos recordes em NY e sobe 2% – mas Orçamento segue no radar

Payroll nos Estados Unidos e negociações no Congresso para “ajeitar” o texto do Orçamento entusiasmaram os investidores – que aproveitaram para buscar setores mais descontados

5 de abril de 2021
18:27 - atualizado às 19:07
shutterstock_240264190

Coelhinho da páscoa, o que trazes pra mim? Dados fortes da principal economia do mundo, acenos para resolução dos problemas do Orçamento de 2021 e um otimismo com relação ao ritmo de vacinação da população brasileira. 

Depois de uma pausa para a celebração da Páscoa em boa parte do mundo, foi com esse combo de “boas notícias” que os investidores acordaram para repercutir nesta segunda-feira (05). Com boa parte das bolsas europeias ainda fechadas por conta de um feriado, restou a Nova York ditar o ritmo dos negócios - mas a melhora de fatores locais também influenciou o saldo final, que foi bem positivo. 

Enquanto Wall Street celebrava novos recordes, o Ibovespa fechou o dia próximo das máximas, em uma alta de 1,97%, aos 117.518 pontos. No começo do dia, o dólar à vista chegou a recuar com mais ímpeto, de olho nos Treasuries, mas perdeu força ao longo do dia acompanhando a queda expressiva do petróleo. Ao fim do dia, a moeda americana recuou 0,62%, a R$ 5,6798. 

Assim como nos Estados Unidos, os juros futuros brasileiros tiveram um dia de queda. Confira as taxas de fechamento do dia:

  • Janeiro/2022: de 4,63% para 4,60%
  • Janeiro/2023: de 6,59% para 6,53%
  • Janeiro/2025: de 8,25% para 8,16%
  • Janeiro/2027: de 8,87% para 8,78%

Celebrando com atraso

A grande estrela do dia foram os dados do payroll, o relatório do emprego americano, divulgado na sexta-feira, e que vieram acima do esperado. Aliado ao ritmo de vacinação no exterior, as bolsas americanas buscaram novas máximas. 

O Dow Jones e o S&P 500 renovaram os seus topos de fechamento ao subirem respectivamente 1,13% e 1,44%. Já o Nasdaq avançou 1,67%.

Durante o feriado, o departamento de trabalho dos EUA divulgou que o país criou 916 mil vagas de emprego em março, bem acima das 700 mil vagas projetadas pelos analistas. Embora tenha celebrado o resultado, o presidente Joe Biden voltou a falar sobre a importância da aprovação do pacote de estímulos voltado ao setor de infraestrutura, que deve movimentar a economia e criar ainda mais vagas. 

Essa possível nova injeção de recursos segue animando o mercado, mas traz um misto de sentimentos. Além do quadro de pressão inflacionária, pode ser que o pacote seja de difícil aprovação, e o mercado pondera a viabilidade de aprovação do pacote de US$ 2 trilhões. Principalmente porque o texto também propõe o aumento dos impostos corporativos de 21% para 28%. 

Grande "vilão" dos últimos meses para as bolsas de valores - principalmente de mercados emergentes e o Nasdaq - os juros dos Treasuries tiveram um dia de queda na volta do feriado e ampliaram o apetite por ativos mais arriscados. 

Além disso, outra notícia animou as bolsas americanas nesta segunda-feira. O índice de gerentes de compras (PMI) veio acima do esperado, subindo a 60,4 em março. A previsão era de 60,2.

Só se fala nele

Diante de uma expectativa de aceleração na compra e distribuição de doses de vacinas contra o coronavírus, o mercado também recebe de forma positiva sinalizações de que o Orçamento de 2021 será “ajeitado”. 

É que a pauta, que já tem meses de atraso, tem causado polêmica desde a sua aprovação pelas aberturas para pedaladas fiscais e a destinação elevada de recursos para pagamento de emendas parlamentares. 

Ainda que o relator da pauta, o senador Márcio Bittar, tenha retirado R$ 10 bilhões do texto, a quantia ainda foi considerada insuficiente. Ao longo dos últimos dias, Congresso e equipe econômica estiveram em negociações para cortar a quantia destinada às emendas parlamentares do Orçamento, ponto que vem causando desconforto, já que impacta na diminuição das despesas obrigatórias. 

A equipe econômica tem sido vocal sobre esse descontentamento, o que levantou dúvidas sobre a recém celebrada base de apoio com o Centrão. Hoje, em evento da XP Investimentos, o ministro da Economia, Paulo Guedes, negou que exista desentendimentos com o Congresso e endereçou o problema de coordenação com com relação ao Orçamento. 

Segundo Bruno Madruga, Head de Renda Variável da Monte Bravo, esse impasse emperra a captação de recursos estrangeiros, já que o investidor aguarda uma solução para manter o capital aplicado no país. Madruga reforça que, ainda que a sinalização de Guedes tenha sido positiva, o mercado aguarda “uma efetiva execução dos planos para resolver o problema”. 

Segundo plano

Diante das notícias atrasadas a serem repercutidas, a queda o petróleo acabou ficando em segundo plano, mas foi um tombo expressivo. A commodity recuou 4%, de olho no aumento ainda incerto da produção por parte dos países produtores de petróleo (Opep+).

Sobe e desce

Na maior parte do dia, o grande destaque positivo ficou com as ações do setor de educação. Diante da busca dos investidores por “barganhas” na bolsa, empresas como Yduqs e Cogna, vistas como descontadas, viram suas ações dispararem.

A Vale - e por tabela a Bradespar, com participação na companhia - subiu forte após anunciar um novo programa de recompra de ações.

O otimismo com relação à retomada da economia também atingiu outros setores descontados, como o de companhias aéreas e turismo, ainda que essas empresas não tenham figurado no TOP 5. Confira os principais destaques positivos do dia:

CÓDIGONOME VALORVARIAÇÃO
YDUQ3Yduqs ONR$ 28,958,67%
HGTX3Cia Hering ONR$ 16,986,99%
VALE3Vale ONR$ 103,396,16%
COGN3Cogna ONR$ 4,075,99%
BRAP4Bradespar PNR$ 67,105,77%

Com o recuo do dólar, as empresas exportadoras acabaram acompanhando a queda. O principal destaque negativo acabou ficando com a Cemig. Na semana passada, a companhia avançou forte - levando em bloco todo o setor elétrico - após anunciar que avalia vender a sua participação na Taesa Confira também os destaques negativos do dia:

CÓDIGONOME VALORVARIAÇÃO
CMIG4Cemig PNR$ 12,51-2,04%
MRFG3Marfrig ONR$ 17,52-1,96%
QUAL3Qualicorp ONR$ 28,64-1,28%
TIMS3Tim ONR$ 12,33-1,12%
CPLE6Copel PNR$ 6,31-0,79%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: impasse dos precatórios deve pressionar bolsa hoje antes dos dados do varejo nos EUA

Além disso, no radar ficam o risco fiscal antes da eleição de 2022 e os dados da economia dos Estados Unidos, com destaque para os pedidos de auxílio-desemprego

NA B3

Ações do setor de saúde foram as que menos sofreram em agosto

Levantamento da Teva Índices mostra que os papéis do comércio e da construção foram os mais castigados no mês passado

NÃO AGRADOU

IBP critica mudanças regulatórias na venda de combustíveis

Representante das grandes distribuidoras de combustíveis defende manutenção do modelo de exclusividade no mercado de revenda de derivados de petróleo

Tempo de entrega menor

Randon terá linha férrea própria no interior de SP

Linha férrea partirá de dentro da fábrica e percorrerá 1,5 km transportando vagões, reboques e semirreboques a um ramal principal na mesma cidade; expectativa é de que a obra fique pronta em 2023

Entrevista exclusiva

Após vender Hortifruti para Americanas, Partners Group quer investir US$ 300 milhões e lançar fundo para o varejo no Brasil

Com um total de US$ 120 bilhões sob gestão, responsável pela gestora suíça no Brasil e América Latina fala ao Seu Dinheiro sobre potenciais alvos de aquisição e “concorrência” com IPOs na B3

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies