Menu
2021-04-05T17:47:15-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
em live

Guedes nega desentendimento com Congresso e fala em problema de coordenação em torno do Orçamento

Governo e Congresso negociam cortar parte da quantia destinada às emendas parlamentares do texto, aprovado no último dia 31

5 de abril de 2021
17:17 - atualizado às 17:47
Paulo Guedes
Brasil, Brasília, DF, 02/10/2020. O ministro da Economia, Paulo Guedes, fala durante coletiva de imprensa em frente ao prédio do Ministério, em Brasília (DF). - Imagem: GABRIELA BILÓ/ESTADÃO CONTEÚDO/AE

O ministro da Economia, Paulo Guedes, negou a existência de um desentendimento entre a equipe econômica do governo e o Congresso Nacional em torno do Orçamento de 2021.

Governo e Congresso negociam cortar parte da quantia destinada às emendas parlamentares do texto. O Orçamento aprovado no último dia 31 é considerado inexequível, com redução artificial de despesas obrigatórias.

"É muito mais um problema de coordenação da elaboração do Orçamento. Estivemos conversando o tempo todo", disse Guedes em evento online promovido pela XP Investimentos nesta segunda-feira (5).

Segundo o ministro, as mudanças no Orçamento precisam ser "juridicamente perfeitas e politicamente satisfatórias". "Os números de emendas saíram acima do que estava acertado com todo mundo, mas é tudo absolutamente republicano", disse. "São emendas que precisam se encaixar nos Orçamento".

Negociações

Depois de um primeiro baque com a aprovação do Orçamento, o mercado financeiro tem demonstrado otimismo com as negociações, com a bolsa subindo nesta segunda-feira.

O relator do Orçamento no Congresso, senador Márcio Bittar (MDB-AC), aceitou cancelar R$ 10 bilhões em emendas carimbadas por ele no projeto para recompor despesas obrigatórias, como pagamentos da Previdência e seguro-desemprego.

Se o corte for feito, o valor das emendas de relator cairá para aproximadamente R$ 21 bilhões.

Com base no relatório dos consultores da Câmara, seria preciso ainda cortar R$ 23 bilhões do Orçamento aprovado, além dos R$ 10 bilhões propostos pelo relator.

Para Guedes, "alguns excessos têm que ser removidos". "Mas tenho certeza que não foi de má-fé. É natural que a soma das partes acabe excedendo", afirmou.

Alinhamento

Ainda durante a live da XP, Guedes reforçou o otimismo em torno do diálogo com o Congresso ao lembra que foram aprovados recentemente os projetos de autonomia do Banco Central, a PEC Emergencial com um novo marco fiscal, a privatização dos Correios e a abertura de estudos para a privatização da Eletrobras.

"A inclusão da Eletrobras e dos Correios no Programa Nacional de Desestatização (PND) mostra que a base do governo está alinhada com o programa de privatizações ", disse.

O ministro voltou a defender o crescimento econômico através do investimento privado. "Quem tiver vendendo que o país vai crescer com investimento público está tocando o 'bumbo' errado".

Segundo Guedes, haverá investimentos públicos na área de recursos hídricos e infraestrutura. "Mas é incomparável com o que o setor privado pode fazer, que é de cinco a dez vezes maior", afirmou.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

entrevista

‘Orçamento está falido e não deveria ser sancionado’, diz Rodrigo Maia

Para ex-presidente da Câmara, governo e Congresso tem responsabilidade por esse Orçamento em que as emendas parlamentares são maiores do que os gastos discricionários

ESTRADA DO FUTURO

O que o mercado está tentando te dizer sobre as ações do Banco Inter (BIDI11)

Como analistas, gastamos cada vez mais tempo avaliando histórias. E se você quer investir bem o seu dinheiro, também deveria fazê-lo

termômetro

Tesla, Robinhood e GM: as apostas do bilionário Jorge Paulo Lemann

Empresário brasileiro respondeu quais seriam os investimentos de curto e longo prazo, em uma espécie de termômetro sobre a confiança em torno do negócio

escolha da CEO

Criptomeme bilionário, $moda$ de Hering e Arezzo, aposta contra o BC… veja o que bombou na semana no Seu Dinheiro

Você apostaria contra o Banco Central do Brasil?  Não falo de apostas mequetrefes com a turma do escritório, do tipo “quem perder paga uma rodada”.  Estou falando de colocar o seu patrimônio em investimentos que podem dar retornos altos se o BC estiver errado. Pois é justamente o que defende Rogério Xavier, da SPX Capital, um […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies