Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-04-16T18:56:47-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
fechamento da semana

Brasília impede Ibovespa de decolar, mas saldo da semana ainda é positivo; dólar vai a R$ 5,58

No Brasil, o que garantiu um bom desempenho do Ibovespa foi a alta das commodities e a recuperação econômica de Estados Unidos e China.

16 de abril de 2021
18:43 - atualizado às 18:56
Ibovespa
O Ibovespa destoa do exterior e abriu em queda com o risco fiscal no radar após o anúncio de um auxílio emergencial 'turbinado' e fora do teto - Imagem: Shutterstock/Andrei Morais

A semana chega ao fim da mesma forma que começou: o país segue sem um Orçamento para 2021 definido e Brasília continua uma panela de pressão. 

O Ibovespa, no entanto, viveu uma realidade alternativa um pouco diferente. O principal índice da bolsa avançou 2,93% na semana e retomou o patamar dos 120 mil pontos, já mirando em superar o seu topo histórico, graças ao aquecimento das principais economias do mundo e o bom momento das exportadoras de commodities. Essa foi a terceira semana no azul para o índice.

Fechando uma sequência de cinco altas consecutivas, o Ibovespa encerrou o dia com uma valorização de 0,34%, aos 121.113 pontos. Assim como no resto da semana, o voo poderia ter sido mais alto, mas a tensão em Brasília impediu o índice de decolar. 

O setor de commodity em alta intensificou a entrada do dinheiro estrangeiro no país, o que, aliado a um recuo dos juros dos Treasuries, levou a um alívio do câmbio. O dólar à vista fechou a semana com um recuo de 0,77%, a R$ 5,5848. Na semana, a queda foi de 1,59%

Mesmo com a percepção fiscal deteriorada e sinais de que as coisas não devem mudar tão rapidamente, até a curva de juros encontrou espaço para um alívio. Além de acompanhar o sentimento do exterior, leilões do Tesouro ajudaram na queda das principais taxas. No começo da semana, a taxa para janeiro de 2027 havia superado a casa dos 9%. Confira:

  • Janeiro/2022: de 4,69% para 4,66%
  • Janeiro/2023: de 6,44% para 6,33%
  • Janeiro/2025: de 8,17% para 7,98%
  • Janeiro/2027: de 8,81% para 8,63%

Tchau, crise! 

O bom humor que tomou conta dos mercados internacionais ao longo da semana foi patrocinado pelos bons dados da atividade econômica dos Estados Unidos e China. 

É bem verdade que os investidores ainda estão com uma pulga atrás da orelha com relação à pressão inflacionária temida (e observada) nesses países. O temor é que os bancos centrais comecem a normalizar as suas taxas de juros e interrompam a compra de ativos. Ao longo da semana, tanto o Fed quanto o Banco Central Europeu reforçaram que a política acomodatícia deve persistir até que a crise tenha de fato ficado para trás. 

Pontualmente, o retorno dos juros dos Treasuries chegou a avançar, mas diante de leilões do Tesouro e das palavras do Federal Reserve, a semana marcou um recuo expressivo nos rendimentos - o que beneficia diretamente índices como o Nasdaq, os mercados emergentes e uma depreciação do dólar. 

Os números que animaram o mercado foram os seguintes: nos EUA, o setor de varejo subiu 9,8%, bem acima dos 5,9% que eram esperados pelos analistas. Além disso, o mercado de trabalho se mostrou aquecido e os primeiros resultados da temporada de balanço reforçaram a visão de recuperação econômica. Na China, o Produto Interno Bruto (PIB) avançou 18,3% no primeiro trimestre em relação ao mesmo período do ano anterior. O número recorde veio em linha com o esperado pelos analistas, mas foi suficiente.

Ao longo da semana, as bolsas americanas renovaram seus recordes de fechamento seguidas vezes. O S&P 500 e o Dow Jones fecharam a semana assim, ao subirem 0,36% e 0,48%, respectivamente. O Nasdaq passou boa parte do dia no vermelho, mas acabou revertendo a situação e encerrando a sessão com ganhos de 0,10%.

Meio de campo embolado

Brasília nunca deixou de fato o primeiro plano, mas, durante a maior parte do tempo, os ruídos vindos da capital federal não foram de fato uma novidade. O fôlego para ficar no azul existiu, mas foi limitado.

O impasse com o Orçamento continua causando atrito entre o Executivo e o Legislativo e a decisão foi mais uma vez jogada para a semana que vem. De um lado, Paulo Guedes colocou o cargo à disposição se o Orçamento não tiver algumas partes vetadas. Do outro, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou que caso os vetos aconteçam, a aprovação das reformas deve ser comprometida.  O mercado fica na expectativa da sanção presidencial.

Durante a tarde, Lira trouxe um pouco de alento ao mercado. Em reunião com investidores, o presidente da Câmara se mostrou otimista com relação ao andamento das reformas e disse que uma solução "sem ruptura" será encontrada para o Orçamento. Vale lembrar que nos últimos dias o governo chegou a ventilar a ideia de uma nova emenda (PEC) para deixar gastos de fora do teto de gastos e acomodar as emendas parlamentares no Orçamento, manobra que não foi bem recebida pelo mercado. 

Bolsonaro flerta com um enfraquecimento político em um momento delicado, o que pode comprometer a sua corrida à reeleição. A CPI da Covid começa a ganhar contornos mais nítidos e o foco é justamente a atuação do governo federal durante a pandemia que já matou mais de 365 mil brasileiros e o caos na saúde pública que tomou conta do Amazonas nos primeiros meses de 2021.

Enquanto também não temos novidades sobre vacinação ou outras medidas que podem levar a um alívio da situação, o anúncio de que o governo de São Paulo irá relaxar as regras do distanciamento social animou os investidores. Batizada de "fase de transição", o plano prevê a reabertura de igrejas, comércios, bares, restaurantes e academias nas próximas semanas. Shoppings poderão voltar a operar em horário reduzido já no próximo domingo. 

Lula lá?

Ontem, o Supremo Tribunal Federal (STF) confirmou a suspensão das acusações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nos casos do triplex do Guarujá e do sítio de Atibaia. Principal opositor do atual presidente Jair Bolsonaro, Lula se confirma como elegível para 2022. 

Desde que a primeira decisão havia sido tomada, o mercado tem precificado uma possível antecipação da corrida presidencial, o que poderia tirar o foco do governo federal de questões mais alinhadas à agenda liberal. 

Desde a retomada das discussões no STF, o mercado parece ter voltado a prestar atenção no desenrolar da história, mas, para Ariane Benedito, da CM Capital, a elegibilidade de Lula já é um assunto precificado. Em Brasília, as questões ligadas ao Orçamento e a saúde fiscal do país são a verdadeira prioridade do mercado. 

Desencalhando o navio

Ao longo de toda a semana, o desempenho das empresas exportadoras de commodities foi o principal destaque positivo, principalmente as companhias ligadas às commodities metálicas. 

Mineradoras e siderúrgicas, com grande peso no índice, carregaram nas costas o Ibovespa, impedindo que a tensão em Brasília tomasse conta dos negócios. Hoje o movimento foi mais contido, com espaço para uma realização dos lucros recentes, mas a tendência é que essa continue sendo a toada dos negócios nos próximos meses. 

Com os países desenvolvidos começando a indicar o fim da crise, principalmente Estados Unidos e China, os investimentos em infraestrutura devem ser retomados, até como uma forma de recuperar a economia e o mercado de trabalho desses países. 

Isso se reflete então em uma melhora de expectativa para as demandas de petróleo, minério de ferro e aço, para citar apenas algumas delas. Os frigoríficos ficaram entre as maiores quedas do dia, mas também tiveram espaço para brilhar nos últimos dias, beneficiados pelo câmbio forte e questões setoriais. 

O causo da semana

A quinta-feira (16) começou com uma notícia que abalou as estruturas do mercado - principalmente o setor de varejo de moda.A Cia Hering anunciou que recusou a oferta de fusão feita pela Arezzo. Segundo a companhia, a proposta apresentada “não atende ao melhor interesse dos acionistas e da própria companhia”.

A Arezzo já demonstrou que não deve desistir tão fácil da sua estratégia de expansão e a movimentação. chama a atenção do mercado não só pela oportunidade de criação de uma nova gigante do setor, mas também para o "desconto" que as ações da Hering e de outras empresas do setor apresentam.

Sobe e desce

Cobiçada pela Arezzo, a Hering despontou com a principal valorização da semana. A proposta voltou os olhos dos analistas para o setor de vestuário, considerado descontado pela crise, mas as Lojas Renner também se beneficiaram de outra notícia que movimentou o mercado - o estudo de uma oferta de ações bilionária para financiar o crescimento da companhia. Só hoje, os papéis da empresa subiram cerca de 12%.

Na sequência, vemos mais uma vez a Braskem, empresa que tem sido beneficiada pela melhora de projeções de demanda para o setor petroquímico e também pela resolução de problemas que vinham se arrastando - como o afundamento de terra em Maceió e os atritos com o governo mexicano. 

Mesmo com a realização de lucros vista hoje, o setor de commodities também marca presença entre os principais desempenhos da semana, com Usiminas e CSN registrando ganhos significativos. 

Confira as maiores altas da semana:

CÓDIGONOME ULT VARSEM
HGTX3Cia Hering ONR$ 23,3738,78%
BRKM5Braskem PNAR$ 49,9815,24%
LREN3Lojas Renner ONR$ 46,9013,01%
USIM5Usiminas PNAR$ 21,5712,34%
CSNA3CSN ONR$ 48,0011,39%

Confira também as maiores quedas da semana:

CÓDIGONOME VARIAÇÃOVARSEM
SULA11SulAmérica units  R$ 32,28-4,89%
AZUL4Azul PNR$ 37,81-3,91%
ECOR3Ecorodovias ONR$ 11,34-3,57%
ENEV3Eneva ONR$ 16,66-3,48%
CIEL3Cielo ONR$ 3,68-3,41%
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Problemas nas refinarias?

Com ameaça de desabastecimento no radar, produção da Petrobras (PETR4) recua 4,1% no 3º trimestre

Antes da divulgação do relatório, a petroleira já havia informado que não teria capacidade para atender, em sua totalidade, os pedidos por fornecimento de combustível em novembro

FECHAMENTO DO DIA

Auxílio Brasil segue pressionando a curva de juros, mas Ibovespa e dólar conseguem alguma recuperação

O Ibovespa bateu na trave, e o Banco Central conseguiu segurar o câmbio, mas a pressão sobre as contas públicas segue castigando a curva de juros

Carros elétricos em alta

Para a Tesla (TSLA34) de Elon Musk, não há crise no setor automotivo: o terceiro trimestre teve lucro recorde

A Tesla (TSLA34) vai na contramão do restante do setor: a empresa de Elon Musk está vendendo mais carros e reportou um balanço forte no 3T21

AULA DE GIGANTES

De Round 6 a Mano Brown e Luiza Trajano, aprenda 5 ensinamentos para multiplicar seu patrimônio

Referências do mercado financeiro podem trazer insights relevantes para os investidores; confira algumas que o ‘Seu Dinheiro’ listou

Contornando o teto

Economistas veem ‘contabilidade criativa’ em negociação do Auxílio Brasil

Parte do benefício, com parcelas de R$ 400, deve ficar de fora da regra que comanda o avanço das despesas públicas brasileiras

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies