Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-11-12T16:28:06-03:00
Beatriz Azevedo Pinto
FIM DA RECUPERAÇÃO JUDICIAL?

Ação da Oi (OIBR3) pode triplicar – e analista diz que é ‘hora de comprar’; entenda

A empresa está preparada para deixar a recuperação judicial para trás com sucesso, ao que tudo indica, o que a coloca num excelente ponto de entrada, de acordo com Larissa Quaresma

12 de novembro de 2021
14:57 - atualizado às 16:28
Imagem com logo da Oi
Oi (OIBR3) está perto do final da recuperação judicial, iniciada em 2016. - Imagem: Shutterstock

Em recuperação judicial desde 2016, a Oi (OIBR3; OIBR4) começa a dar sinais de que pode voltar com tudo a partir de 2022. Com a venda de ativos e a desalavancagem financeira, a empresa deve começar um novo capítulo a partir do ano que vem, deixando o endividamento para trás. 

De acordo com dados de consenso de mercado compilados pelo portal TradeMap, as ações ON da companhia têm potencial para subir de 134% a 254% no longo prazo. O papel tem 3 recomendações de compra e uma para manter. 

Para a analista de ações da Empiricus, Larissa Quaresma, a ação está em um excelente ponto de entrada e ela recomenda a compra dos papéis. Mas, é importante lembrar que a empresa ainda se encontra em uma situação delicada, portanto, trata-se de um investimento de alto risco e o investidor que escolher aplicar deve se limitar a uma pequena parcela de seu patrimônio.

No vídeo abaixo, Quaresma fala mais sobre isso e ainda comenta outras ações de peso que viraram verdadeiras pechinchas com a queda da Bolsa, como Cosan (CSAN3) - maior conglomerado de infraestrutura do Brasil - e Vale (VALE3). Confira:

Fim da recuperação judicial - e com sucesso, ao que tudo indica

O olhar promissor para as ações da Oi, hoje abaixo dos R$ 2, parte do progresso rápido na venda de ativos e a expectativa de término da recuperação judicial.

Além disso, há um evento importante no horizonte da Oi: o parecer do Cade quanto à venda da divisão de telefonia móvel para Tim, Vivo e Claro. O órgão já sinalizou que essa é uma transação complexa; a aprovação ou não é vista pelo mercado como um 'divisor de águas' na tese de investimento.

Se o negócio avançar, espera-se um salto nas cotações da operadora. Abaixo falaremos sobre o que será a “nova Oi”, mas enxuta e eficiente. Porém, antes, você pode conferir uma análise que o analista de ações exponenciais, Henrique Florentino, fez no YouTube do Seu Dinheiro:

A ‘nova Oi’:

Desde novembro de 2020, quatro grandes grupos de ativos foram vendidos pela Oi como forma de se recuperar da dívida de R$ 64 bilhões — um dos maiores pedidos de recuperação judicial da história do país. São eles: 

  • Torres móveis vendidas à Highline do Brasil por R$ 1,07 bilhão; 
  • Os data centers vendidos à Piemont Holdings por R$ 325 milhões; 
  • A rede de telefonia móvel para o consórcio de Vivo, Tim e Claro — ainda sujeito a aprovação do Cade;  
  • Rede neutra de fibra óptica cujo novo dono é o BTG Pactual, com 57,9% da InfraCo, por R$ 12,9 bilhões. 

Até o momento, os desinvestimentos levantados pela companhia somam R$ 34,6 bilhões. Assim, em entrevista exclusiva para o Seu Dinheiro, o CEO da Oi, Rodrigo Abreu considera que o mau momento na história da empresa deve ficar para trás a partir de 2022. 

Em julho, a Oi divulgou seu plano estratégico até 2024, que projeta uma receita líquida de até R$ 15,5 bilhões e Ebitda de até R$ 2,3 bilhões.  O valor é modesto em comparação ao ano de 2028, por exemplo, quando a teve uma receita na casa dos R$ 18 bilhões. 

Mas, trata-se do resultado do que o próprio CEO classifica como uma Oi ‘mais enxuta e eficiente’. Com a venda de ativos e simplificação da estrutura da companhia, os resultados tendem a ser mais modestos, no entanto, serão sustentáveis no longo prazo. 

No projeto da ‘Oi do futuro’, a conexão banda larga de alta velocidade será o carro-chefe da empresa. Ou seja, os dias de Oi enquanto operadora de celular ficaram para trás. Mas, há mais projetos: 

Ao fim de todo o processo de reestruturação, a Oi será dona de 42,1% da V.tal e de 100% de outras duas empresas:

  • Serede, de prestação de serviços técnicos e de logística;
  • Tahto, plataforma de relacionamento e atendimento a clientes.

A recuperação judicial está prevista para ser encerrada em março de 2022, de acordo com a 7ª Vara Empresarial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. 

O ‘adeus’ ao status da recuperação judicial não significa que a Oi não terá mais compromissos com os credores, já que todas as definições assinadas anteriormente continuarão valendo até os créditos sejam equacionados. Mas, com o fim da supervisão, a vida começa a voltar ao normal — e o foco fica cada vez mais nas operações.

Apesar disso, ao fim do terceiro trimestre a dívida líquida da Oi ficou em  R$ 29,9 bilhões, alta de 40,7% em um ano e aumento de 16,4% frente ao segundo trimestre. No período, a companhia registrou prejuízo de R$ 4,8 bilhões, uma alta de 82,4% nas perdas, na comparação com o mesmo período do ano passado, de R$ 2,6 bilhões.

A Oi destaca que, na comparação anual houve aumento das despesas financeiras consolidadas por conta da desvalorização do real frente ao dólar, que somaram menos R$ 2,3 bilhões, ante menos R$ 1 bilhão de um ano antes. No 2º trimestre, as despesas financeiras e outras receitas foram negativas em R$ 237 milhões.

Assim, o resultado cambial líquido ficou negativo em R$ 1,2 bilhão no 3º trimestre, ante perda de R$ 440 milhões de um ano antes, enquanto no 2º trimestre deste ano foi positivo em R$ 1,9 bilhão.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Trabalhadores em falta

Como a falta de bebês na China pode provocar uma crise financeira global

A população da China vem recuando desde 2010, e, com as taxas de natalidade nos menores níveis em 80 anos, o cenário ameaça todo o planeta

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

IPO do Nubank, como driblar os impostos e onde investir o 13º salário: confira os destaques da semana

Nada é pior para um ansioso do que a incerteza. E o mercado, ultimamente, vem sendo marcado por uma forte onda de incertezas, vindas de todos os lados. Os preços dos ativos respondem a isso com volatilidade, e não há muito o que fazer a não ser manter a calma, focar nos fundamentos e aguardar […]

Clube anti-cripto

China acertou ao banir o bitcoin? Braço direito de Warren Buffett diz que as criptomoedas nunca deveriam ter sido inventadas

A aversão de Charlie Munger pelo bitcoin cresceu ainda mais durante a pandemia; para o bilionário, o criptoativo é “repugnante”

COMEÇAR TUDO DE NOVO

‘Um dos textos mais horríveis que já tramitaram’: relator da reforma do Imposto de Renda defende arquivamento da proposta

Angelo Coronel (PSD-BA) defende a criação de um novo texto para votação no Senado após ampla discussão com os setores que mais pagam impostos

VEM LEI POR AÍ?

Bitcoin (BTC) no Congresso: Projeto de lei coloca BC como regulador de exchanges e imposto zero para mineração por fontes renováveis

O relator do projeto enviou parecer para a Comissão de Assuntos Econômicos, que pediu mais tempo para analisar as propostas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies