Esse conteúdo é exclusivo para o
Seu Dinheiro Premium.
Seja Premium
Quero ser Premium Já sou Premium
O que você vai receber
Conteúdos exclusivos
Indicações de investimento
Convites para eventos
Os segredos da bolsa: ações para ficar de olho em meio ao caos dos mercados - Seu Dinheiro
Menu
2020-03-09T00:57:33-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
SD Premium

Os segredos da bolsa: ações para ficar de olho em meio ao caos dos mercados

Arábia Saudita e Rússia entraram numa queda de braço a respeito dos níveis de produção de petróleo — e, como resultado, os preços da commodity despencam. Nesse cenário, veja quais ações podem se destacar na bolsa nesta semana

9 de março de 2020
5:30 - atualizado às 0:57
Segredos da bolsa
Imagem: Shutterstock

Pois é: o Ibovespa entrou em parafuso nos últimos dias e perdeu o nível dos 100 mil pontos, em meio à tensão global com o coronavírus e às incertezas no cenário doméstico. Mas, mesmo num momento tão negativo para a bolsa, saiba que há ações que merecem atenção especial — enquanto todos entram em pânico, você pode dar uma cartada certeira e sair por cima.

Vamos direto ao assunto: não há perspectiva de melhora para as bolsas neste início de semana. Pelo contrário — ao menos na noite de domingo, as coisas estavam cada vez mais feias para os mercados globais, em meio ao colapso nos preços do petróleo.

Eu não pretendo fazer um exercício de futurologia nesse texto. Se você quer saber quando as ações vão parar de cair, sinto te desapontar: eu não faço ideia. Pode ser que as bolsas se acalmem ainda nesta semana, mas também pode ser que o fluxo de notícias sobre o coronavírus piore ainda mais, empurrando os índices acionários ladeira abaixo.

O que eu vou fazer é apontar algumas ações e fatores específicos que podem passar despercebidos em meio ao caos. Afinal, há o pano de fundo do surto global da doença, mas também há outros pontos que podem influenciar alguns papéis e setores da bolsa brasileira em particular.

Sangue negro

Em destaque, aparece a derrocada nos preços do petróleo — e os eventuais desdobramentos para a Petrobras. Na última sexta-feira (6), a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) se reuniu para tentar chegar num consenso quanto à produção da commodity, em meio às dúvidas em relação a uma possível queda na demanda por causa do coronavírus.

De um lado da mesa, estava a Arábia Saudita, defendendo profundos cortes para se adequar ao momento; do outro, estava a Rússia, contrária à medida. E, com essa queda de braço entre os gigantes, o encontro terminou sem uma decisão formal — o que transmitiu uma enorme insegurança ao mercado e fez o petróleo desabar mais de 10%.

Essa história, contudo, ganhou novos episódios durante o fim de semana. Os sauditas dobraram a aposta e resolveram conceder enormes descontos no petróleo vendido ao exterior, criando uma espécie de "guerra de preços" com a Rússia — a ideia é provocar uma queda maciça no valor do barril da commodity, de modo a afetar a economia russa e forçar uma nova rodada de negociação.

E se a intenção era causar pânico e provocar um colapso no petróleo, então o plano deu certo: no fim do domingo (8), o petróleo Brent para maio desabava impressionantes 25,9%, enquanto o WTI para abril despencava 26,9%, ambos já perto do nível dos US$ 30 o barril.

Dito isso, há alguns desdobramentos a serem analisados. Para a Petrobras, o clima é de tensão extrema: na sexta-feira, quando o petróleo caiu cerca de 10%, as ações da estatal tiveram perdas da mesma magnitude, tanto os papéis ON (PETR3) quanto os PNs (PETR4). Dito isso, é de se esperar que a segunda-feira seja um dia daqueles para a companhia.

Para os mercados, o tom é de enorme aversão ao risco: na Ásia, os principais índices acionários caem pelo menos 3%; nos EUA, os futuros de Nova York desabam perto de 5% — assim, o Ibovespa tende a enfrentar mais uma sessão de fortes perdas nesta segunda-feira.

Mas, para algumas empresas, o colapso do petróleo pode ser um alento. É o caso das companhias aéreas, que tendem a ser bastante beneficiadas pela queda forte nos preços do WTI e do Brent.

Isso porque o valor do combustível de aviação está diretamente relacionado a duas variáveis: o preço do petróleo e a cotação do dólar. Desta maneira, por mais que a moeda americana esteja nas máximas, a commodity mais barata tende a trazer um alívio às empresas aéreas, que já estão sendo afetadas pela menor demanda por viagens por causa da doença.

Assim, se as ações da Petrobras tendem a continuar sob intensa pressão, os papéis da Azul e da Gol podem ter um desempenho positivo, aparecendo como opções interessantes em meio à derrocada dos mercados acionários.

Afinal, em meio à queda de braço entre Arábia Saudita e Rússia, já há quem fale num nível de preço de US$ 20 para o barril de petróleo no curto prazo — em abril do ano passado, a commodity era negociada acima dos US$ 70. Se esses números são preocupantes para a Petrobras, eles soam como música para as aéreas.

Pausa na maratona

Em paralelo à turbulência nas bolsas, também vimos uma forte pressão no mercado de câmbio: o dólar à vista fechou em alta por 12 sessões seguidas até conseguir um respiro na última sexta-feira, encerrando em leve baixa de 0,38%, a R$ 4,6338.

Esse alívio se deve, em alguma dimensão, à atuação mais firme do Banco Central (BC): a autoridade monetária aumentou o poder de fogo na sessão passada, promovendo um leilão extraordinário de swap cambial no montante de US$ 2 bilhões — na quinta, as operações foram mais modestas, de apenas US$ 1 bilhão.

Para essa segunda-feira (9), o BC já anunciou que virá com uma arma ainda mais poderosa: promoverá um leilão no mercado à vista, no montante de US$ 1 bilhão, injetando recursos novos no sistema. Atuações no mercado à vista são mais drásticas e, por isso, mais raras — assim, costumam gerar um alento mais intenso nos momentos de tensão.

Dito isso, tudo levava a crer que o dólar à vista teria um início de semana de despressurização mais intensa, dada a sinalização do BC de que não deixaria a cotação da moeda sair do controle. No entanto, com todo o noticiário referente ao petróleo, esse cenário agora parece pouco provável.

Assim, vale a pena ficar atento às movimentações da autoridade monetária caso o dólar volte a se valorizar com intensidade. Além disso, papéis mais sujeitos às oscilações cambiais tendem a se destacar na bolsa.

Exportadoras como Suzano, Klabin, Embraer, JBS, Marfrig e BRF, entre outras, costumam se dar bem com a valorização do dólar, já que sua geração de receita aumenta com o fortalecimento da moeda americana; já quem tem custos dolarizados — como as companhias aéreas, já citadas acima — geralmente sofrem com os saltos do câmbio.

É claro que, num cenário de pânico generalizado, não é razoável esperar que os papéis das exportadoras descolem do contexto global e registrem altas firmes, como se nada estivesse acontecendo. No entanto, tais ações podem, ao menos, ter oscilações menos intensas caso o dólar volte a buscar as máximas.

Enquanto isso, em Brasília...

Como se a situação global não fosse suficientemente preocupante, aqui dentro também temos focos de preocupação. Em Brasília, segue o embate entre governo e Congresso, com novos movimentos por parte do presidente Jair Bolsonaro durante o fim de semana.

O tema das manifestações do dia 15 de março volta a estremecer a relação entre os poderes. Após divulgar vídeos pelo WhatsApp, o presidente convocou a população para os protestos em sua conta no Twitter.

Bolsonaro diz que os atos não são contra o Congresso, mas isso não foi suficiente para apaziguar os ânimos na capital federal. Na Câmara, as lideranças veem uma tentativa do governo de criar uma "cortina de fumaça" para o desempenho ainda baixo do crescimento econômico.

Em meio aos embates entre governo e Congresso, o mercado teme que a pauta de reformas econômicas fique em segundo plano, o que tende a atrasar ainda mais a recuperação da atividade doméstica — o PIB em 2019 decepcionou e, para 2020, as projeções estão sendo revistas para baixo, em meio à decepção com os indicadores locais e as incertezas com o surto de coronavírus.

O clima pesado por aqui e a falta de expectativa em relação à economia doméstica tem poder para pesar especialmente sobre as ações de empresas mais expostas ao ciclo de atividade local.

Falo das ações de varejistas, como Lojas Renner, Via Varejo, Magazine Luiza e B2W, entre outras; de papéis do setor de construção, com companhias como Cyrela e MRV; e de ativos do segmento de shoppings, como Iguatemi e Multiplan.

Por outro lado, ações companhias que não dependem tanto do ritmo da economia local para crescer despontam como boas opções defensivas no momento de incerteza doméstica. É o caso dos grandes bancos, como Itaú Unibanco, Bradesco, Banco do Brasil e Santander Brasil.

Agenda movimentada

No front da agenda de dados econômicos e eventos, teremos diversas informações com capacidade de mexer com os mercados.

No Brasil, destaque para os números da produção industrial, a serem divulgados na terça-feira (10), e para a inflação medida pelo IPCA, na quarta (11) — ambos os dados são referentes a fevereiro.

Lá fora, atenção para o PIB da zona do euro em 2019, a ser conhecido na terça (10), e para os dados de inflação nos EUA em fevereiro, com divulgação prevista para a quarta-feira (11).

Em termos de eventos, os olhos estarão voltados para a Europa: na quinta-feira (12), o Banco Central Europeu (BCE) divulga sua decisão de política monetária — e, após o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) ter cortado os juros do país em 0,5 ponto na semana passada, há enorme expectativa quanto aos passos a serem tomados pela autoridade do velho continente.

Linha de chegada

No Brasil, a temporada de divulgação dos balanços referentes ao quarto trimestre de 2019 vai chegando perto do fim. Diversas empresas do Ibovespa reportarão seus números nos próximos dias:

  • Terça-feira (10): Localiza
  • Quarta-feira (11): BR Distribuidora
  • Quinta-feira (12): Azul, BR Malls, CVC, Yduqs, Taesa, Qualicorp

Para você ter uma ideia mais sólida do que esperar dos números dessas empresas, meu colega Felipe Saturnino fez uma matéria especial com os principais números e pontos a serem observados nesses balanços. Para saber mais, é só clicar aqui.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Flexibilização de regras

B3 suspende prazo para Oi e outras ‘penny stocks’ ajustarem cotação

Devido ao estado de calamidade pública decretado por conta do coronavírus, a bolsa anunciou uma série de suspensões e prorrogações de prazos para que empresas listadas façam ajustes de forma a se readequar às regras do mercado

Pisando fundo

Mini-rali: Ibovespa desacelera na reta final, mas fecha em alta e acumula 10% de ganhos em dois dias

O Ibovespa ganhou terreno pelo segundo dia consecutivo, amparado pela menor percepção de risco político e pelos dados econômicos domésticos mais animadores — fatores que compensaram o viés mais cauteloso visto no exterior

Precisa ser mais rápido

Luiza Trajano diz que medidas foram adequadas, mas precisam chegar na ponta

Medidas adotadas pelo governo para combater o coronavírus foram adequadas, disse a presidente do Conselho do Magazine Luiza, a empresária Luiza Trajano

Ajuda de emergência

Caixa já tem 10 milhões de cadastros finalizados, diz presidente

Presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães atualizou na tarde desta terça-feira, 7, as informações sobre a procura por trabalhadores informais, autônomos e microempreendedores individuais (MEIs) ao cadastro para o recebimento do auxílio emergencial

Mais crédito

BCE anuncia medidas que flexibilizam garantias necessárias para empréstimos

Banco Central Europeu (BCE) anunciou nesta terça-feira, 7, um pacote de medidas que flexibiliza garantias necessárias para empréstimos, com o objetivo de ampliar a tomada de crédito em meio à crise trazida pelo novo coronavírus

Efeito covid-19

S&P muda perspectiva de positiva para estável de instituições financeiras do Brasil

S&P informou em comunicado que a revisão da perspectiva, de positiva para estável, dos ratings de 15 instituições do setor financeiro do Brasil

Efeitos negativos

Com coronavírus, setor de telecom e TI deve perder US$ 15 bilhões na América Latina

Setor de telecomunicações e tecnologia da informação vai interromper o ciclo de crescimento e encerrar o ano em queda devido à crise do coronavírus, de acordo com projeção da consultoria IDC

o baque da pandemia

Covid-19 faz comércio perder R$ 53,3 bi em faturamento, diz CNC

Estimativa sinaliza uma queda de 46,1% no faturamento do comércio varejista desde a introdução de medidas restritivas até esta terça-feira

ainda incipiente

EUA estudam aliança com BNDES para financiar investimentos, diz embaixador

Todd Chapman disse reconhecer a responsabilidade dos EUA no apoio ao sistema financeiro global, mas ponderou Trump exige “reciprocidade”

fala, secretário

É hora de tomar risco e fazer coisas para dinheiro chegar na ponta, diz Mansueto

De acordo com o secretário do Tesouro, o dinheiro não chegou ao BNDES ainda porque se perdeu tempo discutindo os termos do acordo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements